Matérias Mais Lidas

imagemIron Maiden faz mais um show da "Legacy Of The Beast World Tour"; veja setlist

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemA definição de rock n roll segundo quem melhor entende do assunto: Mick Jagger

imagemMetallica vai lançar toca discos super invocado, que obviamente custará uma fortuna

imagemRockers lamentam e se enfurecem com tiroteio que resultou em 19 crianças mortas no Texas

imagemTodos os discos do Nightwish, do pior para o melhor, em lista da Metal Hammer

imagemBill Hudson explica sobre como funciona a política nos EUA

imagemDirk Verbeuren, do Megadeth, homenageia Guillaume Bideau, que faleceu aos 44 anos

imagemSkid Row divulga vídeo da música "The Gang's All Here", faixa-título do próximo disco

imagemShavo Odadjian, baixista do System Of A Down, conta quais álbuns mudaram sua vida

imagemRammstein divulga vídeo oficial de "Dicke Titten"; assista aqui

imagemMike Shinoda não está nada feliz com a interferência das redes sociais na música


Stamp

Metallica: o que aconteceria se Cliff Burton não tivesse falecido?

Por Ricardo Seelig
Fonte: Collectors Room
Em 16/02/16

publicidade

Essa é uma das questões mais discutidas da história do heavy metal: e se Cliff Burton não tivesse falecido em 27 de setembro de 1986, como a carreira do Metallica se desenvolveria? Em um exercício de futurologia imaginativa, vou tentar imaginar como teria sido a trajetória de Burton e do Metallica caso os eventos daquela fatídica noite de inverno no interior da Suécia não tivessem ocorrido (e você, que está lendo, pode fazer o mesmo exercício nos comentários. Fechou?).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Clifford Lee Burton perdeu a vida durante a turnê do terceiro álbum do Metallica, o clássico "Master of Puppets". Em relação aos dois discos anteriores - "Kill ‘Em All" (1983) e "Ride the Lightning" (1984) -, "Master of Puppets" mostrava uma evolução, com canções intrincadas e cheias de trechos com fartas doses de melodia, expediente já usado no segundo álbum e que havia gerado descontentamento em alguns fãs mais radicais, que acusavam o grupo de estar se vendendo e se tornando "mais comercial". Vale lembrar que naquele mesmo 1986 o Slayer veio com o oposto disso tudo, dando ao mundo o violento "Reign in Blood", com canções mais diretas e que babavam agressividade e velocidade.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A popularidade da banda crescia a cada dia, com o nome do grupo já sendo falado e reconhecido por publicações de fora do universo metálico. O baixista era considerado, de maneira unânime, como o melhor instrumentista do Metallica. Tanto que o próprio grupo foi atrás de Burton quando ele ainda tocava no Trauma, e Cliff só aceitou o convite para entrar na banda impondo a condição de que o trio se mudasse para a sua cidade, San Francisco. James, Lars e Dave Mustaine tinham plena consciência de que estavam diante de um músico diferenciado e que seria fundamental para o futuro do Metallica, e aceitaram a solicitação de Burton sem maiores delongas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Hetfield, Ulrich e Hammett ficaram muito abalados e chegaram a pensar em desistir da banda após a morte do baixista. Devastados, os músicos se afastaram de tudo que envolvia o grupo por um tempo, retomando aos poucos as atividades na medida em que a dor ia cicatrizando. Jason Newsted assumiu o posto, "... And Justice for All" foi lançado e o "Black Album" transformou o Metallica em um fenômeno mundial de popularidade, sem precedentes na história do metal.

O auto-indulgente e egocêntrico "... And Justice for All" provavelmente não existiria caso Cliff Burton ainda estivesse na banda. Uma espécie de auto-afirmação do grupo e veículo para demonstrar a técnica dos músicos em composições intrincadas que flertam com o progressivo, o quarto álbum do Metallica simboliza também o controle criativo total de James Hetfield e Lars Ulrich sobre os destinos da banda. Sem Burton, a dupla, que já compunha a maioria das faixas, jogou Hammett para o lado, ignorou o baixo de Newsted na mixagem final e tomou posse do destino. O disco funciona como uma espécie de prova final de que James e Lars poderiam seguir sem Cliff.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Caso Cliff continuasse com o grupo, entendo que "... And Justice for All" não existiria. Não seria esse o caminho que o Metallica seguiria ao lado do baixista. Provavelmente evoluiria ainda mais a sonoridade impactante de "Ride the Lightning" e "Master of Puppets", entregando ao mundo um metal agressivo, pesado e com muita melodia, uma espécie de passo adiante do disco de 1986. De toda maneira, o quarto disco do Metallica seguiria sendo um trabalho de transição, a calma antes da tempestade que viria com o multi-platinado álbum preto.

No meu modo de ver, o "Black Album" não apenas existiria com Cliff, como soaria ainda mais eficiente e um pouco diferente com a presença do baixista. Ao invés de uma faixa como "My Friend of Misery", parceria de James e Lars com Jason e veículo de afirmação do baixista, penso que a banda experimentaria outro caminho. Como visto em "Load" (1996), onde o grupo flertou com o country em "Mama Said", creio que isso seria antecipado já no "Black Album" com Cliff. Burton era muito fã do Lynyrd Skynyrd e passava grande parte das viagens tocando na guitarra (sim, guitarra) composições da banda de Ronnie Van Zant. Como James também era um admirador do grupo, imagino que teríamos no disco uma composição que uniria o metal a elementos de southern rock, algo como um southern metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Metallica explodiria, como explodiu, com o "Black Album". A banda continuaria se tornando popular em todo o planeta, com o álbum preto sendo um fenômeno de vendas. Mas, após a ressaca do disco, o caminho sonoro seria outro. Ao invés de "Load" e todas as suas polêmicas - como os cabelos curtos, a maquiagem e os beijos entre Lars e Kirk, aspectos até hoje não digeridos por uma parcela de metalheads -. a história seria diferente. A banda se dividiria internamente em duas partes: de um lado Ulrich e Hammett e suas inovações, e do outro Hetfield e Burton. Cliff seria o parceiro que James não encontrou em Jason quando o Metallica gravou seus polêmicos álbuns lançados na década de 1990.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Essa parceria entre o guitarrista e o baixista faria o som do Metallica mergulhar na rica cultura musical norte-americana, levando o metal ao encontro do southern, do country e até mesmo do blues. Cliff era um hippie por natureza, um cara avesso ao estrelato e apaixonado por música. James é um caipira conservador, apaixonado pelo seu país. A dupla consolidaria sua parceria criativa, levando a música do Metallica para um caminho inédito. Discos como "Load" e "Reload" (1997) não existiriam, e em seu lugar seriam lançados álbuns com uma musicalidade que levaria o thrash metal ao encontro do southern. Ainda mais popular, o Metallica não teria a já citada ressaca do "Black Album" e gravaria mais discos durante a década, ao invés de apenas três.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além disso, a demanda por rock clássico surgida no início da década de 1990 refletiria no grupo, que jamais gravaria um trabalho como "St. Anger" tendo Cliff Burton em suas fileiras. O Metallica seguiria sendo inovador e inquieto como sempre foi, mas nunca lambendo o fundo do poço como fez no disco de 2003. A presença de Burton e sua musicalidade e técnicas intensas floreceria sobre os outros três músicos, gerando frutos benéficos como o constante desafio interno que levaria ao aprimoramento técnico do quarteto. Lars não regrediria tecnicamente como regrediu, e, ao invés disso, evoluiria em direção a novos caminhos. Nesse aspecto, uma possível aproximação com o prog e até mesmo com outros gêneros, como o jazz, seria algo provável no hipotético futuro do Metallica com Cliff, além da sempre presente influência do hardcore e punk, gêneros que o baixista era um apreciador confesso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É claro que tudo isso não passa de especulação, mas ao olhar para o passado, para onde o Metallica estava quando Cliff faleceu, me parece a evolução mais plausível dos acontecimentos. Você pode concordar ou não, é claro, só não pode deixar de fazer uma coisa: ir aos comentários e contar pra gente o que você acha que aconteceria se Cliff Burton ainda estivesse entre nós.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.