Soil, Hed Pe, AMC e Wolfborn: show em Augsburg, Alemanha

Resenha - Soil (Kantine, Augsburg/Alemanha, 15/10/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Karla Mustafa
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Estava empolgadíssima pela minha primeira experiência em um show de metal na Alemanha. A cerveja eu já conhecia, mas... e como será o lugar? O público? A organização?

Tradução - Seventh Son Of a Seventh Son - Iron MaidenPaixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicos

Quando planejei a viagem para Alemanha um dos meus primeiros pensamentos foi: tenho que achar um show de Heavy Metal, já que não consegui ir ao Wacken.

Quem me apresentou as músicas do SOIL foi meu filho Gabriel. Amor à primeira vista. E quando descobri que o SOIL faria um show em Augsburg em 15 de outubro exatamente quando eu iria estar lá, fiquei alucinada! Tenho que ir a este show!

Pela internet não consegui comprar o ingresso. Teria que tentar a sorte: comprar na hora do show! E lá fui eu procurar o Kantine, uma casa de shows localizada em um parque chamado Kulturpark West.

Felizmente consegui comprar o ingresso e fui desbravar o local.

Típico “inferninho”. Pequeno e na penumbra, teto baixo, palco intimista. Não acreditei no que vi, pois para mim SOIL é uma banda para tocar em grandes estádios para um grande público, mas logo veio a explicação do meu filho que a banda é underground apesar do sucesso. E durante o show eu descobriria a razão.

Exatamente às 20h, horário marcado para o início do show entrou a banda de abertura. WOLFBORNE, vinda de Vancouver - Canadá que com seu estilo Hard Rock ganhou o público.

A acústica do local era incrível o que potencializou a qualidade da voz de Chris Witoski. Juntamente com Lanning Kann (guitarra), Brett Nussbaum (baixo) e Robbie Sheldrick (bateria). WOLFBORNE apresentou canções do seu primeiro CD lançado em setembro, “In the Beginning”, com destaques para “Sex Sells” e “Let it Rain”.

Conversei com os integrantes após o show e quando falei que era do Brasil empolgados disseram que são fãs do Sepultura.

Wolfborne

Wolfborne

Excelente aquecimento para a chegada de (HED)P.E, banda de New Metal norte-americana, formada em Huntington Beach, Califórnia em 1994.

A banda possui um estilo musical chamado de "G-punk" que é a fusão de Punk Rock e Hip Hop, mas tem também elementos de Heavy Metal e Reggae.

Em trinta minutos, a banda encabeçada por Jared Gomes, vocalista de descendência brasileira e que na verdade se chama Paulo Sérgio Gomes, levou o público ao delírio com muita presença de palco disparando hits como "Killing Time", "Bartender", "Blackout" e "Hold On".

“Levar o público ao delírio” foi algo que me fez refletir, pois foi inevitável não comparar com a reação do público brasileiro.

Os alemães são muito comportados, bem na deles e curtem o som com tranquilidade. Claro que headbanger que faz jus ao nome não pode deixar de bater a cabeça ou participar de um mosh, mesmo que timidamente, mas com muita energia e animação.

Destaque para o “muito obrigado” em português que certamente foi direcionado ao único trio brazuca que estava lá, ou seja, nós.

Hed Pe

Hed Pe

Com fortes influências de MUDVAYNE, SLAYER e MINISTRY, AMERICAN HEAD CHARGE fez um show com muita qualidade sonora e teatral.

Com aspecto sombrio, alguns de seus integrantes surgiram com capuz, pintura e muitas caras e bocas. Destaque para o guitarrista Karma Singh Cheema que interagiu com o público durante maior parte do show, bebendo, rindo e, claro, tocando.

Cameron Heacock (vocal), acompanhado de Chad Hanks (baixo) Chris Emery (bateria), Justin Fowler (teclado), e Ted Hallows (guitarra) tocaram as canções “Just So You Know” e “Seamless” do álbum The War of Art, “Writhe”, do EP lançado em 2012 (Shoot) e “Dirty” do álbum “The Feeding”, além de uma música do novo álbum previsto para ser lançado no fim deste ano.

Em meio as controvérsias sobre a presença de Justin Fowler, responsável pelo sampler, por sua pouca participação na banda ele provou justamente o contrário dando um show de técnica e no backing vocal em "Dirty" e em "Just So You Know".

American Head Charge

American Head Charge

American Head Charge

Ao lado do palco havia um espaço para merchandising onde as bandas vendiam camisetas, cds autografados, pôsteres e baquetas. E quando eu falo “as bandas vendiam" é no sentido literal.

Com exceção do SOIL que vendeu um pacote com “Meet&Greet” (minha única reclamação diga-se de passagem) as outras três bandas ao final de cada apresentação iam ao espaço ajudar a vender seus produtos, dar autógrafos e serem fotografados com seus fãs.

Sem tumulto, com muita organização por parte dos fãs e simpatia dos integrantes das bandas.

"We Will Rock You", do QUEEN, sincronizada com luzes vermelhas no palco anunciava o que estava por vir. Nascida em 1997 em Chicago e atualmente formada por Ryan McCombs (vocal), Adam Zadel (guitarra) e Tim King (baixo), e com um baterista convidado, SOIL somente emergiu no mainstream em 2004 após o lançamento do cd “Scars” (2001) catapultados pelo sucessos “Halo”, “Unreal” e “Breaking Me Down”, sendo esta última mais conhecida pelos jogadores do RPG World of Warcraft.

Soil

Um McCombs que lembra muito Axl Rose fisicamente em seus tempos áureos interagiu o tempo todo com o público com várias pausas para conversas, cumprimentos, bebericagem em copos de fãs e muitos sorrisos.

Inclusive me surpreendi com o carisma não só do vocalista mas de todos da banda, pois nos flyers sempre os vejo sisudos.

SOIL fez um show impecável digno de grandes festivais. Apresentando canções de vários álbuns lançados, havia espaço para o lado B e para os hits que não poderiam faltar: "Deny Me", "Redefine", "Breaking Me Down" e "Halo" chegaram com força para levar o público à loucura. E de quebra ainda ganhamos um cover do AC/DC com It’s a Long Way to the Top.

Soil

O ponto alto foi quando em Halo não víamos mais McCombs no palco porque ele desceu e foi para o meio do público. E com seu microfone à la Hetfield encerrou um show memorável e mostrou o motivo de a banda preferir o cenário underground onde há contato e o retorno dos fãs de uma forma tão intensa que era visível a emoção da banda a cada momento.

Definitivamente um show para ser lembrado como um dos melhores que já fui e espero que tenhamos a oportunidade de ver essas quatro bandas em breve mostrando sua competência em solo brasileiro.

Soil

Setlist SOIL:

Loaded Gun (Whole – 2013)
Two Skins (Scars – 2001)
The Hate Song (Whole – 2013)
Deny Me (Redefine – 2004)
Need to Feel (Scars – 2001)
The One (Scars – 2001)
Long Way to the Top (AC/DC Cover)
Redefine (Redefine – 2004)
Unreal (Scars – 2001)
Breaking me Down (Scars – 2001)
Halo (Scars – 2001)

Colaborou Gabriel Motta

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Wolfborne"Todas as matérias sobre "(Hed)P.E."Todas as matérias sobre "American Head Charge"Todas as matérias sobre "Soil"

Tradução
O clássico Seventh Son Of a Seventh Son, do Iron Maiden

Futebol e rock
As paixões de Harris, McCartney, Daltrey e outros

Guns N' Roses
Axl se atrasava porque tinha fobia de palco?

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneGuitarristas: os 100 melhores segundo a Rolling StoneRock Stars: como se pareceriam alguns se não tivessem morridoÔ Glória: Comprou CD do Venom e ganhou mensagem de salvaçãoLed Zeppelin: ex-presidente Bill Clinton tentou reunir a bandaLoudwire: em vídeo, os 10 maiores tumultos do rock e metal

Sobre Karla Mustafa

Karla Mustafa, mãe de um baixista, fã de Iron Maiden, achou que não teria mais espaço no mundo Metal ao desistir de estudar bateria, frustrando todos os sonhos de ter uma banda. Mas o destino deu um jeitinho e a fez trabalhar, mesmo como hobby, ao lado de baquetas, palhetas e seus ídolos, como fotógrafa de shows, com fotos e resenhas publicadas em várias revistas e sites fazendo coberturas dos shows em Brasília e região.

Mais informações sobre Karla Mustafa

Mais matérias de Karla Mustafa no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online