Genocídio: apresentando de graça seu novo álbum em show intimista

Resenha - Genocídio (Estúdio Produssom, São Paulo, 22/02/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Uma das queridinhas do underground brasileiro, o Genocídio resolveu levar ao Estúdio Produssom um pouco de sua música e apresentar o seu último álbum, “In Love with Hatred”. Um pocket show, algo simples, mas que reuniu bastante gente que aguardou com paciência até que tudo estivesse pronto no local. O resultado foi um som bastante pesado e um ótimo presente aos fãs e amigos da banda. Para quem não viu, como eu, a ótima apresentação na abertura para o Dark Tranquillity, foi aquela oportunidade de conferir de perto o trabalho dos caras.

Fotos: Fernando Yokota

O show começou em torno das 17, uma hora depois do horário marcado na divulgação. O público aguardou calmamente nas dependências do estúdio... todo mundo ali parecia se conhecer bem, e a conversa do povo fluiu até que entraram no local onde o show seria realizado. Ali a banda subiu ao pequeno palco, aplaudida pelo público, e em pouco tempo rolou nas caixas de som “Birth of Chaos”, sendo encaixada por “Kill Brazil”, com uma abertura dramática nas guitarras e um som extremamente brutal, do bom e velho thrash metal.

A qualidade do som do local é realmente boa, e isso ajudou a fazer valer a ótima técnica dos músicos, que com “Reverse” deram outra aula e foram aplaudidos por todos os presentes. Como disse o vocalista Murillo Leite, realmente era essa a agressividade – presente em “Reverse” – que a banda pretendia passar ao público com o novo disco. E realmente conseguiram.

Outro destaque do show foram os convidados, um show a parte. Manu Henriques, do Uganga, tocou com a banda em “I Deny”. Apesar dos problemas técnicos – pelo que parece um legado do Sarcófago, como brincaram os músicos – conseguiram retirar nesta música o melhor de si. Sem dúvidas as duas vozes completaram melhor o som, mantendo um equilíbrio perfeito entre a melodia das guitarras de Rafael Orsi e a pegada mais agressiva e brutal da banda.

A indispensável performance de Rafael Orsi, sem dúvidas inspirado no dia, chegou no seu auge na música “Till Nothing do Us Apart”, música com uma pegada mais sombria e que traz aquela quebra no meio do disco, fazendo a plateia apenas curtir o som.

Outro convidado, o vocalista do Voodoopriest Vitor Rodrigues, melhor conhecido pelo seu trabalho no Torture Squad, emprestou sua voz para “Unseen Death”, trazendo uma repaginação para uma música que talvez acabe se perdendo um pouco dentro da ótima qualidade do disco.

Em “Come to the Sabbath”, que já estava na mente de todos os fãs presentes, o público realmente se empolgou. O bate cabeça frenético e a cantoria da pequena plateia tinham motivo mais que especial: a gravação da música, feita pela banda, fará parte de um videoclipe que será produzido com este clássico do Mercyful Fate. Uma homenagem esplendida ao mestre King Diamond, que poderia muito bem ouvir esta música e resolver dar uma passada aqui no Brasil...

Fechando o show, “White Room Red”, com a participação da Sphaera Rock Orchestra nos PAs. O problema do áudio deixou a plateia um pouco impaciente, mas a banda teve realmente ótimo ânimo para contornar mais uma vez a dificuldade. A música sem dúvidas fecha com chave de ouro o disco, e dá aquele gostinho de quero mais – especialmente para ver uma apresentação dela com a orquestra, ao vivo (espero que esteja nos planos da banda!).

A banda ainda teve tempo no final de descer do palco e bater um papo com os presentes. Extremamente educados, não foi difícil receber mais uma grande salva de elogios. Com o ano começando ainda – já que o carnaval é logo ali – surpresas ainda virão. E o público, que realmente sente a falta de alguns dos grandes clássicos do thrash metal, espera que a banda volte firme aos palcos neste ano.

Genocídio é:
Murillo Leite – Vocal e Guitarra
Rafael Orsi – Guitarra
WPerna – Baixo
João Gobo – Bateria

Setlist:
Intro: Birth of Chaos
1. Kill Brazil
2. Reverse
3. In Love With Hatred
4. I Deny (com Manu Hernandes do Uganga)
5. Till Nothing do Us Apart
6. Inner Afflictive Scare
7. Unseen Death (com Vitor Rodrigues do Voodoopriest)
8. Come to the Sabbath (Mercyful Fate cover)
9. Passion and Pride
10. White Room Red (Orchestral Version)
Outro

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Genocidio"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 26 de fevereiro de 2014

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Genocidio"

Arctic Monkeys
O significado de 505

Dave Mustaine
"Tocar com o Metallica foi purificador"

Pantera
Namorada de Dimebag fala mais sobre Phil Anselmo

Rodolfo Abrantes: "Raimundos como banda não me interessa"Oops!: 10 erros eternizados em gravações de clássicosB. B. King: lendário guitarrista morre aos 89 anosCasamento homoafetivo: rockstars postam mensagens sobre decisãoMetal: blog elege o melhor de 2014 em cinco belas cançõesMarilyn Manson: 8 vezes em que ele provou que o mundo estava errado

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online