WHIPLASH.NET - Rock e Heavy MetalWHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal

FacebookTwitterGoogle+RSSYouTubeInstagramApp IOSApp Android
MenuBuscaReload

Anaal Nathrakh: Fundindo Death, Grind e Black Metal

Resenha - Passion - Anaal Nathrakh

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Mesmo não tendo como prioridade as apresentações ao vivo, o britânico Anaal Nathrakh passou a contar com uma crescente legião de admiradores pelos quatro cantos do globo desde que começou a liberar seus registros, lá pelo final da década de 1990. Agora, dando continuidade ao caos em formas de ondas sonoras, está chegando ao mercado seu sexto álbum, com o sugestivo título “Passion”.
Regis Tadeu: a tsunami de lixo musical da atual música brasileiraVH1: os 100 melhores álbuns de rock segundo a emissora

Temas sobre assassinatos, estupros, torturas e outras amenidades que se adaptem aos refinados delírios masoquistas de Irrumator e V.I.T.R.I.O.L. – ou Mick Kenney e Dave Hunt para os íntimos – são utilizados, tendo como trilha sonora basicamente os mesmos ingredientes dos trabalhos anteriores, fundindo Death, Grind e Black Metal em uma massa sonora compacta, que se torna ainda mais disforme e sinistra pelo uso de efeitos muito bem encaixados.

Porém, mantendo a mesma fórmula, mesmo que consagrada, é inegável que o Anaal Nathrakh começa a dar indícios de estar adentrando em certa zona de conforto. Se a atordoante “Drug-Fucking Abomination” consegue ser o grande destaque pela versatilidade de suas estruturas; ou ainda "Volenti Non Fit Iniuria" e "Paragon Pariah" continuarem, mesmo com o uso de vocalizações limpas, a disparar rajadas de ódio, há várias outras ocasiões que se revelam familiares e (quase) monótonas. Como dito, meros produtos de uma fórmula.

“Passion” é um bom trabalho, mas não consegue acrescentar muito à discografia do grupo, em especial por ser o sucessor do bombástico “In The Constellation Of The Black Widow” (09). Apesar dos pesares, os pouco mais de 35 minutos continuam sustentando uma insanidade tão palpável que o Anaal Nathrakh continua inimitável e no rol das maiores potências do Heavy Metal extremo.

Contato: www.myspace.com/anaalnathrakh

Formação:
V.I.T.R.I.O.L. (Dave Hunt) - voz
Irrumator (Mick Kenney) - guitarra, baixo, programação e bateria

Anaal Nathrakh – Passion
(2011 / Candlelight Records - importado)

01. Volenti Non Fit Iniuria
02. Drug-Fucking Abomination
03. Post Traumatic Stress Euphoria
04. La Diabolique Est L'Ami Du Simplement Mal
05. Locus Of Damnation
06. Tod Huetet Uebel
07. Paragon Pariah
08. Who Thinks Of The Executioner?
09. Ashes Screaming Silence
10. Portrait Of The Artist

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Anaal Nathrakh"

Regis Tadeu
A tsunami de lixo musical da atual música brasileira

VH1
Os 100 melhores álbuns de rock segundo a emissora

Guns N' Roses
Alcione usa rosto de Axl Rose no RIR e ele agradece

Quem ouve Heavy Metal ouve apenas Heavy Metal? - Richard NavarroBon Scott, o eterno Rocker...Pantera: o segredo da capa de Vulgar Display of PowerNapalm Death: "Religião não serve para nada!"Bruno Sutter: dizendo que Fabio Lione tomaria um "pau de vocal"Metallica: se encontrar James Hetfield, não peça para bater uma foto

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online