Megadeth: recuperando a fúria que faltava

Resenha - United Abominations - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Sejamos sinceros: não que "The World Needs a Hero" (2001) e "The System Has Failed" (2004) sejam álbuns ruins - aliás, longe disso, em especial quando se trata deste último. Mas dava para sentir no ar que faltava alguma coisa, um pequeno detalhe que os distanciava nitidamente de bolachas clássicas do Megadeth como "Rust In Peace" (1990) e "Peace Sells...But Who's Buying?" (1986). Quando o frontman Dave Mustaine dispara o riff inicial da faixa de abertura "Sleepwalker", a primeira do novo disco de inéditas "United Abominations" (título genial, é bom que se diga), não demora até que você se dê conta do que é este elemento: fúria. Uma fúria genuína e contagiante que corre nas veias de maneira natural, que transborda do início ao fim do CD, soando ao mesmo tempo 100% fiel aos tempos da Bay Area e absolutamente atual - para rivalizar diretamente com nomes como Mastodon, Trivium, Lamb of God e demais integrantes do que a crítica especializada apelidou de new wave of american heavy metal, uma cena de bandas jovens que estariam dando nova cara ao gênero na terra do Tio Sam. É bom estes moleques acompanharem alguns shows da nova turnê de titio Mustaine - que é, como bem sabemos, o próprio Megadeth, não importando que formação esteja no palco junto com ele - para aprender algumas boas lições de como se maltrata uma caixa de som.
3333 acessosMegadeth: cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica5000 acessosOzzy Osbourne: Madman dá a cura para a ressaca

O segredo de tamanha vitalidade deste disco, um marco absoluto na discografia recente do quase trintão Megadeth, pode estar na presença dos irmãos Drover (Glen na guitarra e Shawn na bateria), novos membros do line-up da banda e que talvez tenham injetado ar fresco pela goela de um Mustaine que vinha se declarando publicamente cansado e desgastado. Mas grande parte da força de "United Abominations" está mesmo escondida nas letras do disco, politicamente diretas e retas, do jeito que o vocalista e guitarrista sempre gostou, indo direto ao assunto e analisando, de forma ácida e virulenta, a atual situação do mundo - em especial, a dos Estados Unidos e suas guerras internacionais e a reprovável atuação bunda-mole das Nações Unidas com relação a tudo isso. Esqueça o fato de que o sujeito é, nos dias de hoje, um cristão dedicado, direitista e nacionalista ao extremo. Antes de tudo, ele é um notório ativista pela paz e pelos direitos individuais, pela boa e velha liberdade de expressão. E é isso que importa. Mustaine parece ter se reencontrado enquanto pessoa e artista, e está mais crítico do que nunca. Isso faz muito bem ao tipo de som que ele pratica, um thrash/speed no qual a violência sonora é atributo recomendadíssimo e a revolta só ajuda a tornar tudo ainda mais visceral. A gente só tem a agradecer.

"Ethnic cleansing with no defending / These acts of genocide / A fatal ending with no surrendering / To cover up the crimes and lie", começa a letra de "Gears of War", atacando os recentes conflitos étnicos. "Amerikhastan", possivelmente uma das melhores passagens do CD e cantada por Mustaine de modo quase falado, deixaria qualquer Rage Against The Machine com inveja - ou talvez meio fulo da vida, em especial depois de versos como "Hey Jihad Joe? Guess what? We're coming to get you". E a vingança continua a falar alto e forte em "You're Dead": "One day / I'll dance on your graves / Even if you're buried at sea / Till then till when I exact my revenge / I'll tell them you're dead to me". Ideologias políticas à parte, o cara está no auge da forma como compositor e, diferente da maior parte das bandas de heavy metal da atualidade, deixa dragões e princesas (ou, quem sabe, aquelas dores de cotovelo adolescentes) de lado para meter o dedo na ferida e falar do mundo real.

Um dos destaques de "United Abominations" é a merecida releitura de "A Tout Le Monde" - canção do disco "Youthnasia" (1994) que, na época, foi acusada de incentivar o suicídio e banida das programações das rádios depois que a pudica MTV gringa decidiu por bem que não mais exibiria o seu videoclipe. O músico não se conformou com esta história toda e achou que a faixa merecia uma nova chance. Nesta nova versão, Mustaine divide belamente os vocais com a igualmente bela Cristina Scabbia, responsável pelos microfones da banda italiana Lacuna Coil. Não se deixe enganar, no entanto, pelos ares de balada metálica que "A Tout Le Monde" possa sequer lhe sugerir, já que o restante do disco é uma porrada atrás da outra, muito melhor representado pela dureza e simplicidade de "Washington Is Next" ou da inspirada faixa-título. Espere para ouvir um Megadeth curto, seco, rasgado e funcional ao extremo, sem redondilhas, contra-indicado para ouvidos mais sensíveis. Mustaine pode não ser o melhor cantor do universo (lembrando muito mais uma espécie de Pato Donald embriagado), mas quem se importa? A voz dele é tão característica e se encaixa tão bem com as canções do Megadeth que não sobra espaço para reclamar. Ozzy Osbourne que o diga.

Sem dúvidas, um dos melhores discos que ouvi em 2007. Para calar a boca dos eternos defensores do Metallica, banda da qual Mustaine é egresso e que, perdoem-me os puristas pentelhos de Lars Ulrich e cia., deveria se envergonhar de um "St.Anger" (2003) depois de ouvir este "United Abominations" (sei que é muito clichê citar o Metallica sempre que se fala de Dave Mustaine, mas não dava para evitar aquela cutucadinha básica). A guitarra final de "Burnt Ice", a música de encerramento, já dá a dica: evolução não quer dizer uma homérica forçada de barra para se adaptar "aos novos tempos". Você só precisa continuar sendo você mesmo. O resto vem com o tempo.

Line-Up:
Dave Mustaine - Vocal e Guitarra
Glen Drover - Guitarra
James Lomenzo - Baixo
Shawn Drover - Bateria

Tracklist:
1. Sleepwalker
2. Washington Is Next!
3. Never Walk Alone...A Call To Arms
4. United Abominations
5. Gears of War
6. Blessed Are The Dead
7. Play For Blood
8. A Tout le Monde (Set Me Free)
9. Amerikhastan
10. You're Dead
11. Burnt Ice

Gravadora: Hellion

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de United Abominations - Megadeth

5000 acessosMegadeth: CD calculado para soar convincente aos fãs4810 acessosMegadeth: em um nível superior aos últimos anos4820 acessosMegadeth: letras ferozes e críticas ácidas5000 acessosMegadeth: mais direto, impossível

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica

3044 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa504 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3507 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

VendasVendas
Os discos de metal mais vendidos até agora em 2016

Kiko LoureiroKiko Loureiro
O encontro com DJ Ashba na Polônia

Dave MustaineDave Mustaine
Ele quer parar antes de ficar como Keith Richards

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Madman dá sua receita para curar ressaca

ManowarManowar
A vida real e nada épica dos Reis do Metal?

Filhos de RockstarsFilhos de Rockstars
Qualquer coincidência é mera semelhança

5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs5000 acessosEdu Falaschi: fax com convite de seleção para o Iron Maiden5000 acessosBlind Guardian: Algumas verdades sobre Hansi Kürsch5000 acessosHeavy Metal: os 10 maiores hinos de todos os tempos5000 acessosNu-Metal: as quarenta melhores músicas do estilo4659 acessosMastodon: "Percebemos que os vocais são o ponto fraco da banda"

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online