Adelitas Way: Post-grunge nada inovador mas legal

Resenha - Home School Valedictorian - Adelitas Way

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Alexandre Fernandes
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
O post-grunge, conhecido também como metal alternativo, rock alternativo, ou algo assim, nunca foi dos gêneros mais bem vistos pela crítica musical em geral, principalmente depois do boom posterior a bandas como Creed e Nickelback – e suas milhares de cópias de gosto e qualidade duvidosos.
Rock Cristão: alguns dos principais discos nacionais do gêneroPower Metal: As bandas mais populares segundo o Facebook

Particularmente, sempre gostei de algumas bandas dentro desse gênero, mesmo sabendo que a originalidade jamais foi o seu forte.

O Adelitas Way, jovem quinteto norte-americano, lança em 2011 seu 2º full length, que segue pelos mesmos caminhos do 1º, e da esmagadora maioria dos grupos deste nicho musical: eles fazem um hard rock, que em momentos mais pesados flerta com o heavy metal, e em momentos mais leves passeia pelo pop rock.

O som dos caras parece ser bem honesto, embora nada inovador e criativo. Ele sabem a fórmula do sucesso, e a usam bem. O que temos são bons riffs, uma cozinha simples, e um bom vocalista, além daquelas conhecidas letras sobre perdas e ganhos dentro do amor – o que atinge em cheio o público alvo deles – tudo temperado com uma boa produção, bem moderna, também ao gosto do cliente.

Do último trabalho deles pra cá, pouca coisa mudou: saiu um guitarrista, entrou outro que deu continuidade aos serviços prestados – muito embora, eu tenha sentido uma falta enorme dos (bons) solos do play anterior.

O CD todo é bem coeso, bem regular, não decai de qualidade em momento nenhum, ao mesmo tempo que não tem um destaque absurdo. Temos canções aqui com grande potencial radiofônico como o single “Sick” e as boas baladas “Alive” e “Good Enough”, embora os momentos mais pesados da banda como em “The Collapse” e “Cage The Beast” sejam tão interessantes quanto. Vale ainda falar de “Move”, que tem um solo que me lembrou muito Tom Morello (Rage Against The Machine, Audioslave), e “Hurt”, que grudou em minha cabeça por um bom tempo.

Vale a pena deixar um pouco de lado os preconceitos e dar uma chance aos caras. E também vale a pena os próprios caras deixarem de lado essa previsibilidade quase inerente ao gênero que eles seguem, e se darem mais liberdade, pois isso lhes faria muito bem.

Track list:
01 – The Collapse
02 – Sick
03 – Alive
04 – Criticize
05 – Good Enough
06 – Cage The Beast
07 – I Can Tell
08 – Somebody Wishes They Were You
09 – Move
10 – I Wanna Be
11 – Hurt

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Adelitas Way"

Rock Cristão
Alguns dos principais discos nacionais do gênero

Power Metal
As bandas mais populares segundo o Facebook

Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1988

Ultimate Guitar: as 28 canções mais sombrias de todos os temposImmortal: fotos de Horgh se divertindo no BrasilPara Músicos: como tirar músicas de ouvido?AC/DC: Zakk Wylde fala sobre o que acha da parceria com AxlBlaze Bayley: "é melhor ser ex do Iron que do A-HA"Game of Thrones: a inspiração do Blind Guardian e Hammerfall

Sobre Alexandre Fernandes

De cabeça no mundo do rock há 7 anos, este jovem funcionário público, estudante de Comunicação Social (Jornalismo), busca contribuir à sua maneira com algo que gosta, resenhando, fazendo matérias e reportagens sobre o mundo da música pesada em geral. Fã de Death Metal/Grindcore à Metal Alternativo, não se priva de nada por causa de rótulos. Assim tem sido por esses 25 anos.

Mais matérias de Alexandre Fernandes no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online