Abraxas: viagem sensorial com o caos do Eyehategod e Samsara

Resenha - Eyehategod e Samsara Blues Experiment (Fabrique Club, São Paulo, 13/10/2018)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em cinco anos a produtora ABRAXAS fez a festa de quem gosta de música esquisita. Entre turnês e lançamentos de bandas nacionais e internacionais, o cast da produtora já conta com mais de quarenta nomes, com foco principalmente no stoner, psicodélico, sludge, etc. Para comemorar, a Abraxas chamou os gringos SAMSARA BLUES EXPERIENCE e EYEHATEGOD (pela primeira vez no Brasil) para duas noites de shows em São Paulo e Rio de Janeiro junto com os nacionais ITD, NOALA, JUPITERIAN, PANTANUM (duas bandas em cada cidade). Confira aqui como foi a edição paulista do Abraxas Fest, no Fabrique, com fotos de Fernando Yokota.

Eyehategod: baterista é roubado e atacado com faca no MéxicoSeparados no nascimento: Ritchie Blackmore e Mr. Bean

NOALA

Quem abriu o festival na capital paulista foi o metal denso do NOALA. Trazendo duas longas viagens cheias de noise de "Humo" e do seu álbum auto-intitulado, que acabou de ser lançado, a banda paulista conquistou aqueles que optaram por chegar cedo. Com a efervescência política vivida no país, o guitarrista Felinto não deixou passar a oportunidade de trocar uma ideia com o público e chamar para uma reflexão. "Tem uma razão porque não tem muitos negros aqui. Nem gordos. Nem homossexuais. Passado o temor do fascismo, o que vocês vão fazer com os recursos que vocês tem? Será que queremos só acabar com o fascismo? Ou só mantermos o status que em que só negros, mulheres e homossexuais são mortos? Ou só queremos acabar com o fascismo que está chegando nos brancos?"

"Devemos trabalhar com estratégias de descolonização e repensar que música nos queremos.", ele continuou. "Vocês tem o privilégio de viver uma cultura de psicodélica e divertimento, enquanto a cultura negra sempre foi do embate".

Setlist

1 Nostálgica
2 Stuck in a Gastric Tube
3 The Rain Falls Burning
4 Lava Agni

ITD

Quem os substituiu no palco foi o I.T.D., acrônimo de Into The Dust, do Distrito Federal, com uma assinatura de mais peso, menos noise, menos psicodelia, mas sem deixar de lado esses elementos. Destaque para o single "Peregrinação". Apesar das letras em português, não é possível entender uma palavra pronunciada, o que não é, no entanto, um defeito, mas mais uma característica do som que praticam. Defeito mesmo é só o nome, que dificulta encontrá-los em serviços de streaming e redes sociais.

1. O Escolhido
2. Era Sombria
3. Under Sleeping Lord
4. Relíquias do Caos
5. Penhor da Culpa
6. Peregrinação

SAMSARA BLUES EXPERIMENT

O rock morreu. Mentira. Bandas novas como o SAMSARA BLUES EXPERIMENT estão aí nascendo todos os dias para provar que o estilo mais contestador da música. E a forma atordoante como o SAMSARA blues aborda a música é uma mistura inebriante de space rock, música indiana e jazz em longas jams praticamente instrumentais. A viagem com os alemães Christian Peters (voz, guitarra e efeitos), Hans Eiselt (baixo) e Thomas Vedder (bateria) começou às 19:05. E foram seis minutos de jam antes das primeiras palavras em "Shringara", numa versão até reduzida de (pasmem) nove minutos. Sem descanso, mesmo depois de uma lenhada desse tamanho, já emendaram a segunda, a completamente instrumental "Army of Ignorance", do álbum "verde", "Long Distance Trip". Ai houve espaço para os aplausos enquanto Chris solta os efeitos de "ventania espacial" de "Vipassana", canção do atmosférico/sideral álbum lançado ano passado. O que sai da boca de Chris, no entanto, não dá pra entender. Para muitos isso não chega a ser um problema, uma vez que em canções que ultrapassam facilmente a barreira dos dez minutos, a letra acaba parecendo mais um assessório. E Chris não investe mesmo tanto em melodias vocais, derramando palavras tal qual um Lou Reed declamando suas letras. No meio, Chris enche de mais efeitos transformando a canção numa viagem espacial ( já não era?), até voltar pro solo. Enquanto isso, baixo e bateria sustentam num riff hipnótico. Nessa hora um bom público que já lotara o Fabrique aplaudiu ao reconhecer a quarta, uma viagem sensorial, que dá nome ao álbum "One With The Universe". É um tipo de show para "assistir" de olhos fechados, com a mente e o coração mais que com os olhos. Os ouvidos apenas como as portas da percepção. Afinal, se eles podem tocar de olhos fechados, a gente também pode assistir. Como diz a letra (não ouvida) da canção anterior: é preciso fechar os olhos para acordar.

Continua o baixo poderoso numa competição eterna com a guitarra que vai e desvai. Fechando o show, outra viagem, que vem também do muito apropriadamente nomeado "Long Distant Trip". Essa é a que tem letra mais extensa e, aqui, realmente faz falta a voz. Problemas com o microfone à parte, o espetáculo oferecido por Chris, Hans e Thomas é algo a ser lembrado com cores vibrantes. Sabe aqueles momentos em que é o ponto alto dos outros shows? Aqui é o show inteiro. Apeanas cinco canções, mas, cada uma daquele tamanho.

Setlist

1. Shringara
2. Army of Ignorance
3. Vipassana
4. One With The Universe
5. Center of The Sun

EYEHATEGOD

O último show da noite prometia que seria algo completamente caótico. E era também o mais esperado por, apesar dos seus trinta anos de banda, ser o primeiro do EYEHATEGOD em São Paulo, a primeira turnê no Brasil. O caos começa com Mike Williams, apesar de fazer cara de sequer saber onde estava, conclamar: aí, São Paulo, não nos decepcionem. Não é só no som arrastado e cheio de riffs que o EYEHATEGOD se aproxima dos criadores do Heavy Metal, mas também na postura imprevisível de seus frontmen. E a referência ao BLACK SABBATH vem logo no início do show, com alguém gritando, por brincadeira, o nome da banda britânica. "Nunca ouvi falar dessa banda", escuta e responde Mike. Eles próprios também são creditados como criadores de um estilo, o Sludge, denso, depressivo, auto-destrutivo.

Além de Mike, sobem ao palco o guitarrista Jimmy Bower, mandando ver nos riffs e metendo o dedo no nariz, o baterista Aaron Hill e o baixista Gary Mader (estes dois últimos os mais novatos da banda), porém desfalcados do guitarrista Brian Patton, que deixou recentemente a banda para se dedicar à família.

Sem ter exatamente um clássico, mas um punhado de canções de peso descomunal, o show passeou pela discografia do EYEHATEGOD, mas privilegiando principalmente o álbum "Take as Needed For Pain", de 93, até mais que o último, o já não tão novo auto-intitulado. E se havia caos no palco, já desde "Agitation! Propaganda!" havia roda na pista do Fabrique, com o público apontando dedos para o ar em posição desafiadora na seguinte, "Jack Ass in the Will of God".

Depois de "Parish Motel Sickness", Mike agradece à presença do público, mas ainda de jeito peculiar. "Obrigado garotos. Estamos contentes de estar aqui, mas eu não sei inglês". Até onde era brincadeira ou o vocalista sequer tinha ideia de que idioma falamos aqui e enfiou o nome do próprio idioma no meio, não importa. Lembramos aqui apenas para pontuar mais um pouco de como Mike estava no palco. E, pra falar a verdade, ninguém esperava nada diferente. Em "Blank / Shoplift", depois de lembrar como dizer o costumeiro "obrigado" em português, o vocalista ainda reclamou do palco. "Esse palco é alto demais. Queria estar aí com vocês". E dava mesmo a impressão de que a qualquer momento poderia se jogar no meio do povo. Ou cair.

"Eu amo vocês", ele continua como aquele amigo que fica pegajoso quando bêbado, "me liguem depois". E se embanana todo ao tentar falar de suas canções. "Em 1978 9 fizemos essa música..." (qualquer que tenha sido o ano a que se referia, a banda só foi formada cerca de dez anos depois). E interrompe para falar diretamente com alguém da plateia. "Ei, cara, sorria. Você vai conseguir aquele emprego que tava querendo". Além do próprio Mike e de todo o barulho das cordas de Bower e Mader, o baterista merece destaque. Apesar da cara de recém saído do colégio, mas espanca o kit de forma brutal, raivosa, revoltada, cuidadosamente desordenada servindo de escada para a revolta de Mike que, adiante, joga água na cabeça e o resto do líquido no público (outra semelhança com o velho Ozzy). A tampinha ele joga no baixista.

Completamente bêbado (ou pior), Mike elogia o público outra vez em "Medicine Noose". "Vocês estão lindos. Todos vocês". É de se mencionar que, embora o palco do Fabrique não seja tão grande, eles ainda, propositadamente deixam ainda menor. O kit do baterista é montado bem próximo à beira do palco, dando pouco espaço para os outros três tocarem espremidos à sua frente. Tudo fica muito próximo, desprezando um espaço atrás e nas bordas.

Em transe o povo da roda agora se abraça, depois voltam a violência, porque toda roda é roda e toda canção do EYEHATEGOD é um convite pra roda, seja "Take As Needed For Pain", "30$ Bag" e "New Orleans is the New Vietnam".

No palco, espremidos como eu disse, o quarteto alterna do nada da velocidade quase grind pra lentidão doom. A imprensa o e que a qualquer momento um desastre pode acontecer. Bower até sai do palco, vai fumar um cigarro e deixa a guitarra ligada na distorção. A moça distorce como quer. Está viva. Enquanto isso, o baterista enlouquece espancando com violência a bateria. Mike se balança apoiado no pedestal. É um cenário de completa imprevisibilidade interrompido pelo bis e consequente volta (talvez a única coisa que se podia antever no show). Fecham o show com "Serving Time in the Middle of Nowhere", com o público gritando repetidamente o nome da banda e feliz por ter presenciado aquele espetáculo, com tudo que ele trouxe. Realmente, o EYEHATEGOD não entregou menos do que prometeu.

Setlist

1. Agitation! Propaganda!
2. Jack Ass in the Will of God
3. Parish Motel Sickness
4. Blank / Shoplift
5. Lack of Almost Everything
6. Blood Money
7. Sisterfucker (Part I)
8. Sisterfucker (Part II)
9. Medicine Noose
10. Revelation/Revolution
11. Take As Needed For Pain
12. 30$ Bag
13. New Orleans is the New Vietnam
14. Dixie Whisky / White Neighbor
15. Left to Starve
16. Serving Time in the Middle of Nowhere

Agradecimentos:
Abraxas e Erick Tedesco, pela atenção e credenciamento
Fernando Yokota, pelas imagens que ilustram esta matéria



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "EyeHateGod"Todas as matérias sobre "Samsara Blues Experiment"


Eyehategod: baterista é roubado e atacado com faca no MéxicoEyehategod
Baterista é roubado e atacado com faca no México


Separados no nascimento: Ritchie Blackmore e Mr. BeanSeparados no nascimento
Ritchie Blackmore e Mr. Bean

Megadeth: fã tem siricutico ao encontrar Mustaine; veja vídeoMegadeth
Fã tem siricutico ao encontrar Mustaine; veja vídeo

Batismo: Os nomes verdadeiros dos artistas do Rock e MetalBatismo
Os nomes verdadeiros dos artistas do Rock e Metal

Guitar World: os 100 melhores guitarristas de hard rockBon Jovi: o mistério de Tommy e Gina em "Livin' On A Prayer"Queen: os músicos filhos dos integrantesTop 10: Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.