Paul McCartney: 2h30 de música da melhor qualidade

Resenha - Paul McCartney (Estádio João Havelange, Rio de Janeiro, 22/05/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Doctor Robert
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Existem pessoas talentosas. Existem pessoas com uma história de sucesso. E existe Paul McCartney. Astro do rock, compositor de sucesso, showman, ex-Beatle... você pode nomeá-lo como quiser, mas para as 45 mil pessoas presentes no seu retorno ao Rio de Janeiro o tratam simples e carinhosamente de Paul... E só um artista do quilate deste senhor de 68 anos de idade tem a capacidade de tornar íntimo qualquer um presente em um grande estádio...

159 acessosCanal Nostalgia: como os Beatles mudaram a história da música5000 acessosRob Halford: "Ninguém escolhe ser Gay"

Muitos encararam a volta de Paul McCartney ao Rio de Janeiro como um exercício para a preparação do Rio de Janeiro para as Olimpíadas e para a Copa do Mundo que acontecerão ali em alguns anos, e no quesito organização, a coisa está fluindo bem: quem se aventurou, como este que vos escreve, em utilizar o transporte público, por meio de metrô e trem, teve muita tranquilidade tanto antes quanto depois do show. Mas garanto que ninguém ali no Engenhão estava lá muito preocupado com isso... Todos sabiam muito bem o que queriam, e o que teriam pela frente: duas horas e meia de música da melhor qualidade.

Ok, muitos irão criticar que Paul não alterou praticamente em nada seu repertório em relação às apresentações feitas aqui no ano passado, e realmente não mudou: se compararmos com o primeiro show de São Paulo, mudou apenas a música de abertura (“Venus and Mars” cedeu lugar a “Hello Goodbye”), e saíram do set list “My Love” e “Highway”. Fica a pergunta: alguém se importou? Mesmo tendo ouvido na fila a passagem de som, onde sons como “Flaming Pie”, “Ebony and Ivory” e “Every Night” eram tocadas (canções que provavelmente entrarão na segunda apresentação do Rio, onde o repertório costuma ser ligeiramente alterado)... O que todo mundo queria era ver Paul, mesmo que fosse cantando as mesmas músicas novamente...

Os destaques do show ficaram justamente por conta da abertura com “Hello Goodbye”, que levou o público ao delírio, além da tradicional participação da plateia em vários momentos (como o sinal dos Wings com as mãos em “Band On The Run”, as bexigas coloridas e os “Na Na Na” exibidos em cartazes durante “Hey Jude”), os impresssionantes fogos de artifício em “Live and Let Die”... Para não falar da energia da banda de apoio, cada vez mais afiada e elétrica no palco.

Quanto a Paul, ele é simplesmente Paul... alguém que põe um estádio no bolso, tocando sozinho apenas com seu violão músicas que atendem pelo nome de “Blackbird”, “Yesterday” e “Here Today”, em momentos onde todo fã sabia o que vinha pela frente, mas mesmo assim cantava a plenos pulmões junto ao ídolo, com os olhos cheios de lágrimas e um sorriso no rosto. Esse mesmo público que é um show à parte e inverte os papeis ao emocionar o ídolo, e após uma verdadeira maratona para chegar no estádio e mais de duas horas de show ainda encontra em algum lugar uma energia reservada para pular e cantar “Day Tripper”, “Helter Skelter” e a já tradicional dobradinha “Sgt. Pepper’s – The End”.

Ou seja, enquanto Paul gozar dessa saúde e desse talento invejável, ele pode se dar ao direito de vir quantas vezes quiser tocar as mesmas músicas que todos nós sabemos de cor e nada mais vai importar... todos aqueles que lotarem os estádios por onde ele passar sairão felizes da vida e de alma lavada... Vida longa ao Rei!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Paul McCartneyPaul McCartney
O dia em que ele deu um soco na cara de Eddie Vedder

159 acessosCanal Nostalgia: como os Beatles mudaram a história da música520 acessosThe Beatles: 50 anos de uma revolução cultural2655 acessosBeatles: Sgt Peppers em super box especial para fãs brasileiros1074 acessosDave Grohl: Paul McCartney quem indicou médico que curou a perna0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Guitar WorldGuitar World
Os 100 piores solos de guitarra da história

ChargesCharges
O que diriam as capas clássicas se pudessem falar

BeatlesBeatles
A primeira excursão costa a costa pelos Estados Unidos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Paul McCartney"0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"

Rob HalfordRob Halford
"Deve haver músicos gays que não se revelam!"

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

SlashSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício

5000 acessosMulheres no Rock: resistência em um meio machista5000 acessosSeparados no nascimento: Alice Cooper e Gretchen5000 acessosMusical Box: Os 20 discos seminais do Hard Rock5000 acessosBreaking Bad: produtor quer sequência com Slash e Val Kilmer5000 acessosRock in Rio: a Cidade do Rock que a TV não mostrou, parte 25000 acessosRunaways: Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim Fowley

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Doctor Robert

Conheceu o rock and roll ao ouvir pela primeira vez Bohemian Rhapsody, lá pelos idos de 1981/82, quando ainda pegava os discos de suas irmãs para ouvir escondido em uma vitrolinha monofônica azul. Quando o Kiss veio ao Brasil em 1983, queria ser Gene Simmons e, algum depois, ao ver o clipe de Jump na TV, queria ser Eddie Van Halen. Hoje é apenas um bom fã de rock, que ouve qualquer coisa que se encaixe entre Beatles e Sepultura, ama sua esposa e juntos têm um cãozinho chamado Bono.

Mais matérias de Doctor Robert no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online