John Fogerty: No Dia das Mães, um presentão em São Paulo

Resenha - John Fogerty (Credicard Hall, São Paulo, 08/05/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Anderson Alves
Enviar Correções  

Não posso saber qual foi o sentimento dos meus avós quando ouviam Creedence na voz de John Fogerty em disco de vinil há muitos anos atrás. Mas hoje, sei o que é ouvir e ver ao vivo esse monstro do rock n' roll, John Fogerty e sua banda de bons companheiros. "Tenho muito mais energia nos dias de hoje; você pode dizer que apresentação ao vivo é a minha missão." disse Fogerty em 2009, antes do lançamento de seu mais recente DVD, "Comin' Down The Road". E confirmou o que disse com a inesquecível apresentação na noite de domingo (08 de maio) no Credicard Hall em São Paulo.

Veraneio Vascaína: Uma ácida crítica à polícia brasileira

Slash: guitarrista fala sobre a origem da sua cartola

Sem banda de abertura, era apenas o som de palco que nos preparava com as músicas de estúdio de John Fogerty. O público do domingo das Mães era formado por famílias, jovens e pessoas de idade, que antes e durante o show ouviram - com um incrível respeito para com o próximo-, apaixonadamente, aquelas músicas que escutavam nas rádios e dance clubs.

O show começou às 20:20, houve um pequeno e relevante atraso de 20 minutos, mas isso não causou nenhuma revolta ou xingamento. Muito pelo contrário, quando John Fogerty subiu ao palco tocando a primeira música da noite, um dos maiores hits do Creedence, "Hey Tonight", o público presente o saudou com uma longa salva de palmas.

"Boa Noite São Paulo!!! Como vocês estão?", essa é uma introdução clássica de John, aqueles que assistiram alguns de seus DVDs, com certeza lembraram dessa frase. E após cumprimentar o público, mandou "Green River", pra esquentar ainda mais aquela fantástica noite.

John relembrou quando tocou na primeira edição do Woodstock, em 1969 nos Estados Unidos, disse que ao voltar para casa, compôs a próxima música, "Who'll Stop The Rain". O público cantou junto o tempo inteiro, com o que pareceu ser a segunda voz de Fogerty.

Continuou tocando os velhos clássicos do Creedence "Susie Q", "Lodi" e "Lockin' Out My Back Door".

Muitas pessoas dizem que quando bate a idade, as pessoas têm a tendência de perder o ritmo. Sinceramente, depois do show do John, acho impossível generalizar. Com 66 anos de idade, Fogerty pulava, dava gritos sem fugir do tom. Fogerty fez o Creedence, deu vida às canções e marcou-as com o sotaque do Sul americano e aquela voz rasgada que saia do microfone e ia para as caixas de som no Credicard Hall.

"Essa é a música que eu mais gosto de cantar. Canto ela pensando na minha filhinha, um verdadeiro arco-íris na minha vida. E na mãe dela, a quem alías, quero deixar meus parabéns. A todas as mães aqui presente, um feliz dias das mães!". Essa foi a música que o público mais vibrou, talvez por ser a mais conhecida: "Have You Seen The Rain".

John Fogerty mostrou porque o som do Creedence e de sua carreira solo transcede o tempo. Vovós, mães, país e filhos, todos juntos ouvindo aquelas canções que conseguem unir raízes da música popular americana com uma genialidade simples, eficaz e única.

Set List:

1-"Hey Tonight"
2-"Green River"
3-"Who’ll Stop The Rain"
4-"Susie Q"
5-"Lodi"
6-"Lockin’ Out My Back Door"
7-"Born on The Bayou"
8-"Ramble Tamble"
9-"Midnight Special"
10-"Commotion"
11-"Bootleg"
12-"I Put a Speel on You"
13-"Long as I Can See The Light"
14-"Don’t You Wish it Was True"
15-"Have You Ever Seen The Rain"
16-"Pretty Woman" (Roy Orbison)
17-"Keep on Chooglin"
18-"Good Golly Miss Molly"
19-"Down on The Corner"
20-"Up Arround The Bend"
21-"Old Man Town Road"
22-"Bad Moon Rising"
23-"Fortunate Son"

Bis
24-"Rockin all Over The World"
25-"Proud Mary
26-"Travelli' Band"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Veraneio Vascaína: Uma ácida crítica à polícia brasileiraVeraneio Vascaína
Uma ácida crítica à polícia brasileira

Slash: guitarrista fala sobre a origem da sua cartolaSlash
Guitarrista fala sobre a origem da sua cartola


Sobre Anderson Alves

Anderson Alves, nascido em 1990, é fã incondicional e apaixonado por rock and roll. O seu primeiro contato com o rock and roll foi quando conheceu o som de AC/DC, Ozzy Osbourne e Creeedence por volta do ano 2000 nos discos de vinis que encontrara em sua casa. Mais tarde conheceu a raíz do estilo, indo de Big Joe Turner, Hank Williams até Creedence e Elvis Presley. É também administrador, redator e editor de vídeos do fã site AC/DC Brasil.net, onde dedica uma parcela de seu tempo em tributo ao AC/DC e colaborador constante do site wiki brasileiro do rock e metal, Whiplash.net.

Mais matérias de Anderson Alves no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin