AC/DC: Obrigado Malcolm. Muito obrigado mesmo.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Lemke Zimmermann, Fonte: Mediocridade Agressiva
Enviar correções  |  Ver Acessos

Já era tempo de escrever-lhes esta resenha mais do que atrasada. Durante muito tempo eu quis escrever algo assim, mas nunca me tinha surgido a oportunidade pra fazer isso. Mas considerando as circunstâncias e a recente morte de um dos guitarristas mais emblemáticos do nosso tempo, acho que agora é uma hora melhor do que qualquer outra.

Cinema: 5 filmes clássicos do Rock e seus títulos em "versão brasileira"Fotos de Infância: Arch Enemy

Não deve ser segredo pra mais ninguém a morte do Malcolm Young, fundador do AC/DC. A notícia, apesar de não ser uma surpresa, não deixa de aparecer como choque, principalmente devido ao modo como morreu. Não foi um cliché do Rock N' Roll, morrendo de overdose, ou bêbado em algum lugar (me desculpe, Bon Scott, não era tão cliché na sua época). Ainda mais a personalidade calma e reservada dele nos fazia sempre esquecer de quem era realmente a cabeça pensante por trás do AC/DC e principalmente, quem realmente havia revolucionado o jeito de se fazer Rock N' Roll, da forma mais pura, simples e direta que se tem notícia até hoje.

Mas esse texto não é mais uma daquelas homenagens simplórias a uma pessoa que nunca conheci. Acho que essa é a hora mais sensata de se fazer algo que eu venho querendo fazer há já um bom tempo. Resenhar o primeiro disco do AC/DC.

Tarefa difícil, principalmente quando se ouve esse disco à luz de tudo o que veio depois. Além disso, porque resenhar um álbum lançado em 1976? (Em 1975, somente na Austrália). Mas ouvir com os ouvidos críticos um disco tão antigo, e que teve tanta importância na história da música, mais de quarenta anos depois do seu lançamento é sem dúvida, no mínimo, uma experiência interessante.

Eu me lembro muito bem da primeira vez que eu ouvi esse álbum. Só não lembro a época, mas o dia está bem claro na minha mente. Eu devia ter uns doze, talvez menos. Estava com uns amigos na casa de praia jogando videogame (Tony Hawk Pro Skater 4, grande jogo) e de repente começam os primeiros acordes de T.N.T., enquanto o vocal potente e delirante de Bon Scott entrava nos meus ouvidos como uma bala cortando tudo, como uma verdadeira explosão de pura adrenalina, mais do que qualquer jogo de videogame seria capaz de me proporcionar. Eu fiquei ali naquela tarde, jogando quase o dia inteiro, esperando ansiosamente cada vez que essa música começava, e tentava (em vão) fazer as manobras com botões, enquanto a guitarra de Angus Young vociferava na minha cabeça de um jeito que nenhuma música tinha feito até então. Era algo poderoso, mais do que qualquer outra coisa que já tivesse acontecido comigo.

Eu já gostava de Rock, sim, mas eram as bandas que estavam na moda na época. Era o início dos anos 2000, Green Day e Offspring dominavam as rádios e os pôsteres do meu quarto. E por mais que eu ainda seja muito fã dessas duas bandas, nenhuma outra me pegou tão desprevenido e de forma tão intensa quanto o poder do AC/DC.

Me lembro claramente do dia em que perguntei pro meu amigo (que era também o dono do videogame) que porra de música era aquela. Eu nunca tinha ouvido nada daquele tipo. Nada tão clássico e atemporal. E ele me disse quem era.

Na época o acesso a internet não era tão simples, então eu tive que esperar pelo menos algumas semanas até poder pesquisar sobre quem eram aqueles malucos que eu tinha ouvido. E me deparei com a música T.N.T., ao vivo, já com Brian Johnson. Isso me leva novamente a me lembrar de como é interessante a primeira experiência que temos quando ouvimos uma música nova. E principalmente, como é bizarro a forma como o AC/DC é poderoso, como cada música nova, cada disco, cada show ao vivo nos surpreende, nos pega pelos pés, nos põe de cabeça pra baixo e nos enche de tapas na cara gritando no ouvido "Isso aqui é ROCK N' ROLL"!

Aquele show que eu vi, não me lembro até hoje qual era, me pegou de surpresa. Era Rock N' Roll puro. Era clássico. Era eletrizante. Não consegui tirar aquilo da minha cabeça. Mesmo quando eu ia dormir eu sentia minha cabeça batendo no mesmo compasso.

E o primeiro álbum que eu ouvi inteiro do AC/DC foi justamente o primeiro. Me parece que eles não só chegaram na minha playlist como uma martelada na cabeça. Foi assim no mundo inteiro. High Voltage é uma força poderosa, uma coisa sem igual, podendo ser comparada somente com os outros álbuns do próprio AC/DC. Tem tudo ali. Tudo o que uma grande banda precisa ter. Sincronia, uma voz poderosa, uma pegada sem igual, solos alucinantes. E principalmente, sem perder a compostura, tudo muito bem marcado, tudo muito bem feito, com alma.

É isso. Rock N' Roll com alma. Coisa que já não se vê hoje em dia, em época de Instagram, bandas Nutella e sei lá mais o quê. Foda-se. Ouça a música. Sinta o poder que aquilo pode te proporcionar. Esqueça do celular, do computador, do seu ego ranzinza, da sua dor nas costas e deixe a música te levar aonde ela me levou, enquanto balançávamos nossas cabeças naquela sala de estar, na frente de um videogame gritando "T.N.T."!

E foi naquele dia, quando eu ouvi o High Voltage pela primeira vez que eu soube que queria tocar guitarra. "Porra, eu tenho que tocar tão bem quanto esse cara"! Mal sabia eu que o cara que eu achava o melhor do mundo, era na verdade o showman, o cara que aparecia na capa do disco, enquanto que o irmão dele, recluso e reservado atrás do palco era a verdadeira cabeça, o verdadeiro Guitar Hero (jogo que eu nunca joguei, estava ocupado demais tocando guitarra de verdade).

Não me levem a mal, eu sempre considerei o Angus Young um dos meus guitarristas preferidos. E também não tenho nada contra Guitar Hero. Mas quando eu lembro dessas histórias, das primeiras vezes que eu ouvi Rock clássico, do show do AC/DC que eu fui em 2009 (história que fica pra outro texto), não posso deixar de reconhecer a importância dessa grande lenda que foi o Malcolm Young. O cara por trás do poder. O cara com o poder nas mãos.

High Voltage é até hoje um dos meus discos preferidos. Sempre ando com ele no carro, junto de toda a discografia do AC/DC, enquanto tento acelerar, xingando alto o velhinho do Corolla na minha frente que não sabe pra que serve o pedal da direita. Porque convenhamos, quem realmente consegue ficar parado com uma cerveja na mão ouvindo The Jack? (Se dirigir não beba).

Mas depois de tudo isso, depois de tudo o que eu disse nesse texto, não acho que há mais o que falar. Sobre o High Voltage, o disco ainda está aí, é uma das maiores obras-primas da história da música e ponto. Ouça e confirme por si mesmo.

E pra terminar essa resenha (que nem sei se posso chamar de resenha), só tenho realmente uma única coisa a dizer que pode resumir tudo o que eu escrevi. Obrigado Malcolm. Muito obrigado mesmo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "AC/DC"


Cinema: 5 filmes clássicos do Rock e seus títulos em versão brasileiraCinema
5 filmes clássicos do Rock e seus títulos em "versão brasileira"

AC/DC: a primeira reação de Brian Johnson ao saber de problema de audiçãoAC/DC
A primeira reação de Brian Johnson ao saber de problema de audição

Anthrax: após realizar sonho no Rock in Rio, banda recria foto do AC/DC em 1985Anthrax
Após realizar sonho no Rock in Rio, banda recria foto do AC/DC em 1985

Karl Golden: AC/DC, riffs e solos essenciais da bandaRock In Rio 1985: História & Bastidores - Parte 1 (vídeo)Entrevista: Martin Popoff, a máquina de escrever do rock/metal

AC/DC: algumas coisas boas às vezes retornam, diz post misteriosoAC/DC
Algumas coisas boas às vezes retornam, diz post misterioso

AC/DC: polícia utiliza música da banda para espantar bisão nos EUAAC/DC
Polícia utiliza música da banda para espantar bisão nos EUA

AC/DC: Brian Johnson teve bloqueio criativo na criação do álbum Back in BlackAC/DC
Brian Johnson teve bloqueio criativo na criação do álbum Back in Black

Solos de guitarra estendidos: os melhores feitos em shows ao vivoSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

AC/DC: Fãs piram em volta da estátua de Bon Scott na EscóciaAC/DC
Fãs piram em volta da estátua de Bon Scott na Escócia

Scott Ian: Tocar AC/DC é simples, mas ninguém consegueScott Ian
"Tocar AC/DC é simples, mas ninguém consegue"

AC/DC: livro nomeia Back in Black 2º melhor australianoAC/DC
Livro nomeia "Back in Black" 2º melhor australiano


Fotos de Infância: Arch EnemyFotos de Infância
Arch Enemy

Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaOut
Os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista

David Lee Roth: o vergonhoso teste de Matt Sorum para a bandaDavid Lee Roth
O vergonhoso teste de Matt Sorum para a banda

Roadrunner: os dez melhores vídeo-clipes da gravadoraRoadrunner
Os dez melhores vídeo-clipes da gravadora

Separados no nascimento: Alice Cooper e GretchenSeparados no nascimento
Alice Cooper e Gretchen

Cults: 10 álbuns influentes que fracassaram nas vendasCults
10 álbuns influentes que fracassaram nas vendas

Metallica: Robert Trujillo conta como entrou para a bandaMetallica
Robert Trujillo conta como entrou para a banda


Sobre Guilherme Lemke Zimmermann

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336