System Of A Down: Daron Malakian ensina como ser músico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Lucas Pinheiro, Fonte: SOAD Fans, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A matéria abaixo foi publicada no SOAD Fans:

5000 acessosBlend Guitar: os dez solos de guitarra mais fáceis da história5000 acessosPink Floyd: dupla sertaneja desvirtua clássico da banda

O gênio pôr trás do sucesso do SYSTEM OF A DOWN, Daron Malakian, nos contou sobre seus métodos de compôr músicas, em março de 2009.

Para a maioria de nós Daron Malakian é o cérebro do SYSTEM OF A DOWN e um autor original de riffs. Ele inventou um dos mais loucos, rápidos e pesados riffs que já foram criados. Seus riffs são tão bons, que parece que estamos vivendo sua própria vida!

1. DESCUBRA NOVOS TERRITÓRIOS E NÃO TENHA MEDO DE DESAFIOS

"Os melhores riffs são feitos quando nós deixamos a zona em que nós nos sentimos seguros. No System of a Down, eu fazia riffs em "ímpar metrum", porque isso foi um grande desafio pra mim. A verdade é que, eu não sou tão bom em matemática e não sei muito sobre música a partir do lado técnico. Eu fiz um monte de melodias estranhas, que se expadiram de uma forma indesperada. Depois de algum tempo, não foi tão difícil para mim. Quando começamos a gravar o CD de estréia do SCARS ON BROADWAY, eu queria utilizar uma boa atmosfera e uma boa melodia para cada música. Realmente, essa simplicidade foi difícil de se fazer."

2. NÃO BUSQUE POR INSPIRAÇÃO, SE VOCÊ NÃO PRECISA

"Permitir que a música respire. Se você tentar fazer uma música muito rápido, ela irá sair muito má. Em 99,9% do meu tempo eu não posso fazer alguma coisa boa, mas tenho momentos em que pego a guitarra e consigo fazer melodias rapidamente. No começo eu não tenho nenhuma influência para fazer a música, e quando eu termino já está pronta uma nova canção. No CD de estréia do Scars On Broadway, tem algumas músicas que eu ainda não entendi direito. Eu apenas as escrevi. Bem, esse é o meu estilo."

3. PENSE EM TODA A MÚSICA

"Imagine toda a canção se construindo ao redor do riff que você escreveu. Na minha opinião não há nenhuma receita de como se escrever uma música. O riff, a bateria, a voz e outros elementos vêm para mim, todos ao mesmo tempo. Às vezes eu sei como será o teclado. Eu tenho a coisa toda na minha cabeça. Eu nunca vou mostrar a música para os caras da banda até que ela esteja completa."

4. ESQUEÇA OS PRINCÍPIOS!

"Sua música tem que ter caráter. Não tenha medo de experimentar. Invente coisas novas. Eu compus as músicas para o CD de estréia do SOB, apenas usando uma guitarra e um teclado. Eu não uso princípios. Eu faço coisas que eu gosto de fazer. Para mim um riff deve ter atmosfera. Ele não tem de ser complicado. Por exemplo, olhe para o riff da 'Satisfaction' dos Rolling Stones. Possui uma atmosfera, mas não é tão fácil. O mesmo é com o riff da 'They Say', simples, com três ou quatros notas, mas perfeito. Não precisa de mais nada."

5. NÃO REPITA VOCÊ

"Imagine sua canção na rádio. Você gostou? Quando eu tocava no SYSTEM OF A DOWN, eu queria fazer todos os álbuns diferentes. Não queria me repetir. Eu procuro por uma música que quero ouvir na rádio. Eu não quero fazer outra 'Aerials'."

6. NÃO FAZER SOLOS, SE ISSO NÃO É NECESSÁRIO

"Não faça solos, apenas porque são o princípio de uma música de Rock. Para mim uma canção é como um garoto. Se ele quer um solo, ele irá buscá-lo. Não crie um solo, só porque você quer isto. Eu amo solos e eu poderia usá-los o tempo todo nas minhas músicas, mas solos não têm que estar em todas as canções. Meu solos geralmente são improvisados. Gosto de fazer solos em que eu possa curtir. O solo louco da 'They Say', eu primeiro gravei no teclado. No fundo, eu apenas liguei a máquina de bateria e de baixo, e fui tocando no teclado."

7. TOQUE COM A SUA BANDA

"Você gosta do que escreveu? Ela irá soar melhor quando você tocar com sua banda. Costumos escrever canções na minha casa de 3 às 6 da manhã. Foi quando eu fiz as melhores músicas. Eu gravava demos do SCARS ON BROADWAY em casa, numa máquina de bateria. Elas soaram como música eletrônica. Disseram que soou como uma canção do SISTERS OF MERCY. Tinha uma caractéristica meio Dark e gótica, mas quando eu tocava com a banda, tudo mudava. Assim você pode gravar demos em casa, mas lembre-se que quando você for tocar com sua banda, a música soará totalmente diferente.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 16 de abril de 2013
Post de 23 de dezembro de 2014
Post de 31 de dezembro de 2014
Post de 03 de janeiro de 2017

Blend GuitarBlend Guitar
Os dez solos de guitarra mais fáceis da história

421 acessosSystem of a Down: a evolução de "Chop Suey!" entre 2001 e 2017989 acessosSystem of a Down: as mudanças de "Toxicity" entre 2001 a 20171037 acessosSystem of a Down: a evolução da banda ao vivo de 1997 a 2017785 acessosSystem of a Down: resumo da discografia no Disco Voador Rocks0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "System Of a Down"

Top 10Top 10
As músicas mais acessadas do YouTube

LoudwireLoudwire
Top 10 bandas americanas de metal

System Of A DownSystem Of A Down
Brasileira de cinco anos toca música na bateria

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "System Of a Down"

Pink FloydPink Floyd
Dupla sertaneja desvirtua clássico da banda

Phil AnselmoPhil Anselmo
Mandou um "White Power" mas nega ser racista

Iron MaidenIron Maiden
Versões mais pesadas para clássicos do Rock

5000 acessosSeparados no nascimento: Steven Tyler e Márcia Goldsmich5000 acessosNoisecreep: dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80s5000 acessosVelocidade: Top 10 de músicas de Metal para ser multado5000 acessosGuns N' Roses: a história da saída de cada integrante5000 acessosBruce Dickinson: a melhor resposta para o ataque terrorista de Manchester5000 acessos"Minha mulher não deixa não" em versão Metal

Sobre Lucas Pinheiro

Da ponta norte do mapa (mais precisamente do Amapá), Lucas descobriu o rock e o metal cedo, influenciado pelo seu pai que é fã de carteirinha do Led Zeppelin. Lucas começou ouvindo clássicos como Led Zeppelin, Dire Straits e foi passado para Queen, Metallica, Iron Maiden, Black Sabbath e Judas Priest. Nos anos 2000, conheceu uma banda pela qual ele se apaixonaria e descobriria outras vertentes do Metal, o System of a Down. Daí conheceu o Black Metal e o Death Metal, começou ouvindo bandas como Cannibal Corpse, Dimmu Borgir e o Venom. As bandas que ele mais gosta são: System of a Down, Metallica, Dire Straits, Led Zeppelin, Cannibal Corpse, Slayer, Iron Maiden, Black Sabbath e Judas Priest.

Mais matérias de Lucas Pinheiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online