Kreator: uma banda ainda muito relevante e criativa.

Resenha - Phantom Antichrist - Kreator

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Felipe Cipriani Ávila
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Kreator é, sem sombra de dúvida, uma banda de extrema importância para a música pesada, mais especificamente, para o Thrash Metal. Oriunda de Essen, Alemanha, criou uma série de clássicos para o gênero.
2584 acessosMetal Hammer: os melhores discos de metal do ano até agora5000 acessosOverkill: mandando recado ao Avenged Sevenfold

"Phantom Antichrist", décimo terceiro álbum da banda, foi lançado no ano de 2012, no dia primeiro de junho, na Europa, chamando a atenção da crítica especializada e dos fãs, sendo muito bem recebido por ambos.

É notório que a banda vem passando por uma excelente fase desde 2001, ano de lançamento do excelente e aclamado "Violent Revolution". Esse disco contou com a adição do guitarrista finlandês Sami Yli-Sirniö (Waltari,Barren Earth), substituindo o suíço Tommy Vetterli, que havia gravado com a banda dois discos de estúdio anteriores (Outcast e Endorama). O citado "Violent Revolution",também, contou com o retorno da banda à antiga sonoridade voltada ao Thrash Metal, já que de 1992 até 1999, período entre "Renewal" e "Endorama", pode-se dizer que o conjunto passou por uma fase "experimental", se afastando do gênero que os levaram ao estrelato, e adicionando novos elementos à sua música, se aproximando do Metal Industrial, fato este que afastou muitos fãs mais tradicionais.

Ou seja, desde esse retorno à sua antiga sonoridade, a banda passou por uma revitalização sonora que culminou com o lançamento de ótimos discos. Certamente, a entrada do guitarrista finlandês Sami Yli-Sirniö, envolvido com a banda desde 1997, quando substituiu temporariamente Tommy Vetterli, em alguns shows e festivais,contribuiu e muito para essa tal revitalização! E em "Phantom Antichrist", podemos perceber isso em apenas uma audição! O senso melódico que ele possui é, realmente, espantoso, o que contribuiu muito para a criação de solos e riffs de extremo bom gosto! Quer dizer, Mille Petrozza e ele possuem estilos bem distintos de tocar, sem dúvida! Enquanto o primeiro toca de modo mais agressivo, Sami o faz de modo mais suave e melódico, e são justamente essas disparidades que tanto contribuíram no disco em questão, assim como nos anteriores, nos quais ele gravou com a banda!

O álbum em questão, que se inicia com uma breve e melódica introdução, "Mars Mantra", logo dá espaço para o peso e a agressividade da faixa-título, que prima, também, por muita melodia, o que, aliás, ocorre em vários momentos do mesmo. O que ouvimos no decorrer de todo o trabalho são composições pesadas, agressivas e rápidas, mas, ao mesmo tempo, muito melódicas e bem trabalhadas. Como exemplo, podemos citar a música "Your Heaven, My Hell", que possui uma introdução lenta e sombria, na qual o vocalista e guitarrista Mille Petrozza se utiliza de um vocal limpo e grave, para depois voltar a cantar de modo mais rasgado, seguindo a mudança de andamento da mesma, que descamba para o peso e agressividade inerentes à banda. Outros grandes destaques são as sequências de músicas "Death To The World", a melódica "From Flood Into Fire", com uma bela introdução, e ótimas vocalizações de Mille Petrozza, e "Civilization Collapse", que, assim como a faixa-título, foi um dos singles e possui um vídeo clipe. Outra música que impressiona, pelo seu poderio sonoro e agressividade, é "The Few, The Proud, The Broken", com ótimas mudanças de andamento! A versão japonesa conta com um ótimo bônus, "Iron Destiny", com criativas linhas de guitarra e vocais. Todas as músicas possuem ótimos riffs e solos, e o trabalho de todos os músicos impressiona pela tamanha qualidade e entrosamento.

Há de se mencionar a ótima produção, a cargo do sueco Jens Bogren, que embora seja bem diferente da do disco anterior, "Hordes Of Chaos" (2009), que é mais crua e orgânica, casou bem com a proposta das composições, dando uma roupagem mais moderna e atual ao som do quarteto, porém sem descaracterizá-lo. Ele já trabalhou com bandas como o Soilwork, Katatonia, Opeth, e Amon Amarth, apenas para citar alguns exemplos.

Outro aspecto que deve ser abordado, quando se discute sobre a banda, é o conteúdo lírico utilizado pela mesma nos seus álbuns. Desde "Terrible Certainty", de 1987, é notável a mudança de direcionamento nesse aspecto. Se, nos trabalhos anteriores, os temas mais utilizados eram ligados ao horror e ao obscuro, a partir do citado álbum a banda passou a discorrer mais sobre política e questões sociais, se atendo mais à realidade do mundo que nos cerca. Em "Phantom Antichrist", vemos uma banda tratando de assuntos delicados, mas, ao mesmo tempo, muito atuais, como manipulação da mídia e do governo, e as consequências que a mesma traz para as pessoas e para a sociedade, de um modo geral.

Certamente, com quase trinta anos de atividade, e contando com um catálogo extenso e excelente, o Kreator não precisa provar mais nada para ninguém. Porém, "Phantom Antichrist" mostra uma banda coesa, em plena evolução, que soube se reinventar, sem perder a sua essência e sem soar demasiadamente moderna, mostrando o quão relevantes eles ainda são. A agressividade continua intacta, mas ainda mais aliada a belas e intrincadas melodias. Altamente recomendável!

Faixas:
1 – Mars Mantra
2 – Phantom Antichrist
3 – Death To The World
4 – From Flood Into Fire
5 – Civilization Collapse
6 – United In Hate
7 – The Few, The Proud, The Broken
8 – Your Heaven, My Hell
9 – Victory Will Come
10 – Until Our Paths Cross Again
11 – Iron Destiny (faixa bônus exclusiva da versão Japonesa)

Formação da banda:
Mille Petrozza – Vocais e Guitarra
Sami Yli-Sirniö – Guitarras e backing vocals
Christian 'Speesy' Giesler – Baixo
Jürgen 'Ventor' Reil – Bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Phantom Antichrist - Kreator

4169 acessosKreator: banda já está em outro patamar há tempos2245 acessosKreator: Unindo diversos elementos da carreira em disco1749 acessosKreator: Sempre espere algo de qualidade vindo deles3034 acessosKreator: Um belo disco desta banda clássica da cena metal2632 acessosKreator: Uma aula de Thrash Metal moderno e vigoroso

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Metal HammerMetal Hammer
Revista elege os melhores discos de metal do ano até agora

963 acessosKreator: banda lança vídeo para "Pleasure to Kill"831 acessosKreator: "Extreme Aggression" em CD duplo remasterizado0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kreator"

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Thrash Metal

Thrash MetalThrash Metal
Os 10 melhores discos do século 21, segundo o Loudwire

LoudwireLoudwire
Os 10 melhores álbuns de Thrash NÃO lançados pelo Big 4

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Kreator"

OverkillOverkill
Mandando recado ao Avenged Sevenfold

MegadethMegadeth
Os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine

SepulturaSepultura
Andreas conta curiosidades sobre os primórdios da banda

5000 acessosContra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal5000 acessosBlack Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward5000 acessosSlipknot: Ana Maria Braga surpreende em abertura do Mais Você5000 acessosMegadeth: vídeo de "Poisonous Shadows" em 360º5000 acessosJoão Gordo: "Velho, o rock está morrendo!"5000 acessosMotorhead: veja foto de edição de homenagem da Jack Daniel's

Sobre Felipe Cipriani Ávila

Headbanger convicto e fanático, colecionador compulsivo de discos, não vive, de modo algum, sem música. Estudante de Jornalismo e Letras. Procura, sempre, se aprofundar no melhor gênero de música do mundo, o Heavy Metal, assim como no Rock’n’Roll, de um modo geral, passando pelo clássico, pelo progressivo, pelo Hard setentista e oitentista, e não se esquecendo do Blues. Play It Loud!

Mais matérias de Felipe Cipriani Ávila no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online