Megadeth: teria Mustaine lançado o seu "Load/Reload"?

Resenha - Super Collider - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O acelerador de partículas na capa de “Super Collider”, o novo disco do Megadeth, tem um significado especial. Afinal, foi usando um complexo instrumento como este que os cientistas chegaram ao chamado Bosón de Higgs, ou “Partícula de Deus”, ponto de partida para explicar o surgimento do universo. De certa forma, “Super Collider” representa o nascimento de um novo universo para a trupe de Dave Mustaine: trata-se, por exemplo, do primeiro disco desde “Cryptic Writings” (1997) a não registrar uma mudança de formação com relação ao álbum anterior. É também o primeiro lançamento do selo Tradecraft, criado pela Universal especialmente para ser gerido por Mustaine, dando-lhe (pelo menos em teoria) maior liberdade criativa e de ação. E é também o seu álbum mais controverso e criticado desde “Risk”, o combatido disco lançado pela banda em 1999 e que até hoje deve trazer lembranças pouco agradáveis para o frontman do Megadeth. Histórico.

5000 acessosDave Mustaine: Nick Menza fazia esconde-esconde com pornô gay5000 acessosLamb Of God: Eles não são uma banda religiosa, apesar do nome

As pauladas começaram assim que foi divulgada “Super Collider”, o single, imediatamente acusado de ser “comercial demais”. A música é de fato bastante radiofônica, grudenta, muito mais hard rock do que thrash metal. Isso não quer dizer, no entanto, que ela seja necessariamente ruim. Na verdade, é uma boa canção de rock. Mas, embora a primeira audição da porradeira “Kingmaker”, que abre o disco, já deixe claro que o disco não pode ser necessariamente refletido por esta única canção, veja, é preciso deixar ainda mais claro também que “Super Collider” está longe de ser uma máquina de fúria como foram o bom “United Abominations” (2007), o excelente “Endgame” (2009) e o eficiente “TH1RT3EN” (2011).

“Super Collider” não é nenhuma obra-prima e, obviamente, eu esperava mais depois de ver (e ouvir) o que Mustaine entregou com “Endgame”, definitivamente o seu melhor trabalho em muitos anos. Mas, confesso, acho um tanto exagerados os comentários tão inflamados sobre o resultado final. Chega a ser surreal ouvir certos fãs dizendo que este é um disco “pop”. Menos, gente, bem menos. Além de “Kingmaker”, passagens como "Built for War" e mesmo "The Blackest Crow" (apesar de ter um banjo country abrindo os trabalhos para ajudar a causar certa estranheza, imagino) têm o DNA de violência que se esperaria de um disco do Megadeth. Mas, vejamos. Mesmo não se tratando de um thrash metal típico e de ter uma letra quase pueril, “Burn!” tem uma levada gostosa, com groove, e continua, a seu modo, sendo uma música pesada. O mesmo dá para dizer da levada de hard rock cavalgado que permeia “Forget to Remember”. E merece ainda elogios a interpretação que o quarteto fantástico de Mustaine deu para “Cold Sweat”, do Thin Lizzy, com guitarras musculosas e que, apesar de respeitosa ao original, ainda dá a impressão de que a música foi escrita na medida certa para eles.

Engraçado perceber que justamente a banda mais produtiva do chamado “Big Four” do thrash metal norte-americano (ao lado de Metallica, Slayer e Anthrax), aquela que mais discos de inéditas andou lançando na última década, agora está experimentando o seu momento “Load/Reload”. Resta saber se o destino que o futuro reserva para este álbum é o mesmo que é relegado à dobradinha de discos do Metallica, considerados “manchas” na carreira do grupo. Não é o que eu, honestamente, acho. Gosto de “Load” e “Reload”, mas aprecio ambos como discos diferentes de um “Master of Puppets”, por exemplo. Para mim, a comparação não faz qualquer sentido, a banda buscava algo totalmente diferente em termos de sonoridade, de experiência musical. Mas sei que boa parcela dos fãs demoniza ambos e os queimaria em praça pública se tivesse a chance. Será que “Super Collider” também tem uma fogueira preparada para ele?

E que Dave Mustaine, sempre tão afeito a polêmicas, durma com um barulho destes.

Tracklist:
Kingmaker
Super Collider
Burn!
Built for War
Off the Edge
Dance in the Rain
Beginning of Sorrow
The Blackest Crow
Forget to Remember
Don't Turn Your Back...
Cold Sweat (Thin Lizzy cover)

Line-up:
Dave Mustaine – Vocal/guitarra
Chris Broderick – Guitarra
David Ellefson – Baixo
Shawn Drover – Bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Outras resenhas de Super Collider - Megadeth

2595 acessosMegadeth: Depois do Risk, outra bola fora da banda3165 acessosMegadeth: Super Colisão do pior de Dave Mustaine5000 acessosMegadeth: Nem de longe tão ruim quanto dizem1980 acessosMegadeth: Reciclando ideias sem parecer forçado2121 acessosMegadeth: novo álbum traz banda coesa e canções autorais4342 acessosMegadeth: banda faz um disco de rock para quem gosta de música3365 acessosMegadeth: criativo e inovador em alguns momentos5000 acessosMegadeth: Dave Mustaine & Cia não são mais os mesmos5000 acessosMegadeth: Mustaine ainda é um dos músicos mais relevantes da cena


Dave MustaineDave Mustaine
Nick Menza fazia esconde-esconde com pornô gay

956 acessosMegadeth: Ouça versão de "Tornado Of Souls" com dupla de violoncelos880 acessosOpine: Você prefere Metallica ou Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

LoudwireLoudwire
20 coisas que você não sabia sobre o Megadeth

MegadethMegadeth
Kerry King comenta sua passagem pela banda

MegadethMegadeth
Mustaine zoa o Grammy ao comentar gafe envolvendo o Metallica

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"


Lamb Of GodLamb Of God
Eles não são uma banda religiosa, apesar do nome

Lady GagaLady Gaga
Acredite se quiser, fã de Black Sabbath e Iron Maiden!

MetallicaMetallica
Banda explica volume do baixo no And Justice For All

5000 acessosSepultura: "Vejo os caras tocando e não tem a mesma pegada"5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 19865000 acessosMúsicas ruins: As 100 piores segundo o Aol Radio Blog5000 acessosLed Zeppelin: "Não foi minha culpa ter sido uma merda", diz Collins5000 acessosRobert Trujillo: baixista admite que banda relaxou na composição5000 acessosKip Winger em 2007: "Metallica se tornou a piada do rock!"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.