Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"

imagemVeja Iron Maiden tocando músicas do "Senjutsu" pela primeira vez ao vivo

imagemAndre Matos sempre foi de esquerda e reprovaria governo atual, diz irmão do maestro

imagemDo Ozzy ao Slayer: veja os momentos mais metal do desenho South Park


Stamp

Megadeth: teria Mustaine lançado o seu "Load/Reload"?

Resenha - Super Collider - Megadeth

Por Thiago El Cid Cardim
Em 11/06/13

O acelerador de partículas na capa de "Super Collider", o novo disco do Megadeth, tem um significado especial. Afinal, foi usando um complexo instrumento como este que os cientistas chegaram ao chamado Bosón de Higgs, ou "Partícula de Deus", ponto de partida para explicar o surgimento do universo. De certa forma, "Super Collider" representa o nascimento de um novo universo para a trupe de Dave Mustaine: trata-se, por exemplo, do primeiro disco desde "Cryptic Writings" (1997) a não registrar uma mudança de formação com relação ao álbum anterior. É também o primeiro lançamento do selo Tradecraft, criado pela Universal especialmente para ser gerido por Mustaine, dando-lhe (pelo menos em teoria) maior liberdade criativa e de ação. E é também o seu álbum mais controverso e criticado desde "Risk", o combatido disco lançado pela banda em 1999 e que até hoje deve trazer lembranças pouco agradáveis para o frontman do Megadeth. Histórico.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As pauladas começaram assim que foi divulgada "Super Collider", o single, imediatamente acusado de ser "comercial demais". A música é de fato bastante radiofônica, grudenta, muito mais hard rock do que thrash metal. Isso não quer dizer, no entanto, que ela seja necessariamente ruim. Na verdade, é uma boa canção de rock. Mas, embora a primeira audição da porradeira "Kingmaker", que abre o disco, já deixe claro que o disco não pode ser necessariamente refletido por esta única canção, veja, é preciso deixar ainda mais claro também que "Super Collider" está longe de ser uma máquina de fúria como foram o bom "United Abominations" (2007), o excelente "Endgame" (2009) e o eficiente "TH1RT3EN" (2011).

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

"Super Collider" não é nenhuma obra-prima e, obviamente, eu esperava mais depois de ver (e ouvir) o que Mustaine entregou com "Endgame", definitivamente o seu melhor trabalho em muitos anos. Mas, confesso, acho um tanto exagerados os comentários tão inflamados sobre o resultado final. Chega a ser surreal ouvir certos fãs dizendo que este é um disco "pop". Menos, gente, bem menos. Além de "Kingmaker", passagens como "Built for War" e mesmo "The Blackest Crow" (apesar de ter um banjo country abrindo os trabalhos para ajudar a causar certa estranheza, imagino) têm o DNA de violência que se esperaria de um disco do Megadeth. Mas, vejamos. Mesmo não se tratando de um thrash metal típico e de ter uma letra quase pueril, "Burn!" tem uma levada gostosa, com groove, e continua, a seu modo, sendo uma música pesada. O mesmo dá para dizer da levada de hard rock cavalgado que permeia "Forget to Remember". E merece ainda elogios a interpretação que o quarteto fantástico de Mustaine deu para "Cold Sweat", do Thin Lizzy, com guitarras musculosas e que, apesar de respeitosa ao original, ainda dá a impressão de que a música foi escrita na medida certa para eles.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Engraçado perceber que justamente a banda mais produtiva do chamado "Big Four" do thrash metal norte-americano (ao lado de Metallica, Slayer e Anthrax), aquela que mais discos de inéditas andou lançando na última década, agora está experimentando o seu momento "Load/Reload". Resta saber se o destino que o futuro reserva para este álbum é o mesmo que é relegado à dobradinha de discos do Metallica, considerados "manchas" na carreira do grupo. Não é o que eu, honestamente, acho. Gosto de "Load" e "Reload", mas aprecio ambos como discos diferentes de um "Master of Puppets", por exemplo. Para mim, a comparação não faz qualquer sentido, a banda buscava algo totalmente diferente em termos de sonoridade, de experiência musical. Mas sei que boa parcela dos fãs demoniza ambos e os queimaria em praça pública se tivesse a chance. Será que "Super Collider" também tem uma fogueira preparada para ele?

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

E que Dave Mustaine, sempre tão afeito a polêmicas, durma com um barulho destes.

Tracklist:
Kingmaker
Super Collider
Burn!
Built for War
Off the Edge
Dance in the Rain
Beginning of Sorrow
The Blackest Crow
Forget to Remember
Don't Turn Your Back...
Cold Sweat (Thin Lizzy cover)

Line-up:
Dave Mustaine – Vocal/guitarra
Chris Broderick – Guitarra
David Ellefson – Baixo
Shawn Drover – Bateria


Outras resenhas de Super Collider - Megadeth

Resenha - Super Collider - Megadeth

Resenha - Super Collider - Megadeth

Resenha - Super Collider - Megadeth

Resenha - Super Collider - Megadeth

Resenha - Super Collider - Megadeth

Resenha - Super Collider - Megadeth

Resenha - Super Collider - Megadeth

Resenha - Super Collider - Megadeth

Resenha - Super Collider - Megadeth

Resenha - Super Collider - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim.