Megadeth: agressivo e acessível, um álbum que divide os fãs

Resenha - Super Collider - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Parafraseando o falecido Stan Lee, que criou a frase "com grandes poderes, vem grandes responsabilidades", imortalizada nas histórias do Homem-Aranha, ouso adaptá-la para a música com um pequeno ajuste: "com grandes bandas, vem grandes expectativas". Traduzindo: todo fã espera sempre o melhor de sua banda favorita. E, algumas vezes, esquecemos que as bandas são formadas por seres humanos, e, portanto, sujeitas à falhas e altos e baixos.

Pantera: "odiei gravar Cowboys From Hell", diz Phil AnselmoTraduções: Letras de rock relacionadas a ocultismo e satanismo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após lançar uma série de sete discos que colocaram seu nome no topo do metal - da estreia "Killing is My Business ... and Business is Good!" (1985) até "Cryptic Writings" (1997) -, o Megadeth experimentou um período não tão inspirado assim com discos que não foram bem aceitos pelos fãs e não apresentaram a inspiração de outrora. Álbuns como o controverso "Risk" (1999), "The World Needs a Hero" (2001), "Th1rt3en" (2011) e "Super Collider" (2013) fazem parte desse pacote.

Décimo-quarto álbum do Megadeth, "Super Collider" foi lançado em 4 de junho de 2013, sucedendo "Th1rt3en". O trabalho foi o primeiro em que a formação da banda se repetiu desde "Cryptic Writings", dezesseis anos antes - mais um exemplo de como a década de 2000 foi instável para o quarteto de Dave Mustaine. Ao lado de Mustaine estão o parceiro de longa data David Ellefson (que havia retornado ao grupo no álbum anterior), o guitarrista Chris Broderick (que fez parte da banda entre 2008 e 2014) e o baterista Shawn Drover (uma década no grupo, entre 2004 e 2014). Vale mencionar também que "Super Collider", cuja produção foi assinada por Mustaine e Johnny K (Red Lamb, Soil, Pop Evil), foi o primeiro lançamento do selo Tradecraft, que a Universal entregou nas mãos de Mustaine e onde o músico, teoricamente, teria mais liberdade criativa.

O que dividiu os fãs foi a variação entre músicas mais agressivas e outras nem tanto, onde a aproximação com o hard rock e elementos mais acessíveis incomodou quem sempre associou o Megadeth com o thrash metal e não admite que a banda coloque um pé para fora do estilo que ajudou a consolidar e popularizar. O álbum contém pedradas fortes como "Kingmaker", "Built for War" e "Don't Turn Your Back" (talvez a melhor música do CD) ao lado de momentos em que a banda explora outros caminhos como o hard presente na música título e em "Forget to Remember", sonoridades mais contemporâneas em "Burn!" e "Off the Edge" (que não estão distantes do que foi apresentado em "Cryptic Writings", por exemplo) e até experimenta na sombria e densa "Dance in the Rain", com participação de David Draiman, vocalista do Disturbed. Fechando o trabalho, o grupo gravou uma versão para "Cold Sweat", do sempre ótimo Thin Lizzy, que obviamente ganhou uma releitura mais pesada pelas mãos de Mustaine e sua gangue.

Chris Broderick e Shawn Drover seriam dispensados alegando as famosas "diferenças musicais", e anunciaram de maneira conjunta que estavam deixando o grupo no dia 25 de novembro de 2014. A banda então foi reformulada com Kiko Loureiro e Dirk Verbeuren, vindos do Angra e do Soilwork respectivamente, e lançou o excelente "Dystopia" em 2016, cuja bateria foi gravada por Chris Adler, do Lamb of God.

Analisado com o distanciamento do tempo e sem a urgência da época de seu lançamento, "Super Collider" revela-se um álbum que, mesmo inferior ao período inicial do quarteto e também a discos como "United Abominations" (2007) e, principalmente, "Endgame" (2009), possui qualidades inequívocas. A variação entre composições mais agressivas e acessíveis, somada à execução primorosa, faz do disco um trabalho com jóias sonoras que até hoje não foram descobertas pelos fãs.

Grandes bandas geram grandes expectativas. E mesmo quando não conseguem alcançá-las, o caminho até essa conclusão sempre reserva boas surpresas para o ouvido.


Outras resenhas de Super Collider - Megadeth

Megadeth: Depois do Risk, outra bola fora da bandaMegadeth
Depois do Risk, outra bola fora da banda

Megadeth: Super Colisão do pior de Dave MustaineMegadeth: Nem de longe tão ruim quanto dizemMegadeth: Reciclando ideias sem parecer forçadoMegadeth: novo álbum traz banda coesa e canções autorais

Megadeth: banda faz um disco de rock para quem gosta de músicaMegadeth
Banda faz um disco de rock para quem gosta de música

Megadeth: teria Mustaine lançado o seu Load/Reload?Megadeth
Teria Mustaine lançado o seu "Load/Reload"?

Megadeth: criativo e inovador em alguns momentosMegadeth
Criativo e inovador em alguns momentos

Megadeth: Dave Mustaine & Cia não são mais os mesmosMegadeth
Dave Mustaine & Cia não são mais os mesmos

Megadeth: Mustaine ainda é um dos músicos mais relevantes da cenaMegadeth
Mustaine ainda é um dos músicos mais relevantes da cena




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Megadeth"


Megadeth: Dave Mustaine é o dono da banda, por isto todos saemMegadeth
Dave Mustaine é o dono da banda, por isto todos saem

Dave Mustaine: elogiando os guitarristas do Avenged SevenfoldDave Mustaine
Elogiando os guitarristas do Avenged Sevenfold


Pantera: odiei gravar Cowboys From Hell, diz Phil AnselmoPantera
"odiei gravar Cowboys From Hell", diz Phil Anselmo

Traduções: Letras de rock relacionadas a ocultismo e satanismoTraduções
Letras de rock relacionadas a ocultismo e satanismo


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336