Darkside: depois de 20 anos, uma série de demos liberadas

Resenha - Prayers in Doomsday - Darkside

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A banda cearense DARKSIDE é uma das que bandas cearenses que entrega aos bangers conteúdo de altíssima qualidade. A resenha abaixo não é minha, embora fosse um prazer resenhar este disco que é um dos que fazem parte da lista dos melhores de 2012 que publicamos há poucos dias. Entretanto, como prova da universalidade do thrash metal dos caras, traduzi a resenha abaixo, publicada no eZine holandês Lords of Metal.

História do Rock: dos primórdios aos anos 70Veraneio Vascaína: Uma ácida crítica à polícia brasileira

Depois de quase 20 anos na ativa (a banda foi fundada em 1991) e uma série de demos liberadas, esses brasileiros lançaram em 2010 seu primeiro full-length "Prayers in Doomsday". O álbum foi lançado no início deste ano, com uma capa diferente e até um tracklist diferente. Uma vez que na parte de bio, pouco é mencionado sobre isso, tratamos esta versão de 2012 como uma nova versão.

Que no Brasil as artes do thrash são muito bem dominadas já há três décadas é um fato e a DARKSIDE confirma isso mais uma vez através de oito poderosas faixas de thrash old-school. O que se ouve é melhor descrito como uma combinação de thrash americano e alemão, com um aceno de cabeça ao heavy metal tradicional. Pense em uma combinação de SLAYER, EXODUS, TESTAMENT, OVERKILL, DESTRUCTION e bandas similares e você saberá aproximadamente o que pode esperar. As músicas são bem escritas e contem a variação necessária, e a música soa bastante técnica aqui e ali. Os riffs convidam constantemente a pegar sua air guitar e bater cabeça, e mesmo que não haja espaço suficiente para melodia, eles mantém o bom ritmo.

O vocalista Alex Eyras tem uma boa voz, forte e pura, que é adequada para o thrash e power metal e permite ainda mais variedade. Além disso, eles não tentam fazer as coisas como a escola antiga tanto quanto possível, e o álbum soa contemporâneo sem perder o charme old-school. A banda tem, portanto, habilidade para consquistar tanto fãs do old-school, quanto thrashers modernos. Ok, tudo é mais ou menos feito seguindo uma receita e não há sinal de originalidade e inovação, mas isso não deve estragar a diversão. Vendo que a produção também é perfeitamente boa, você terá um bom álbum de thrash nas mãos que responde por 35 minutos de prazer auditivo.

A nota dada ao disco pelo site foi 70/100

Traks:
1.Bubonic;
2.Sacrificed Parasites;
3.Anticitizen One;
4.Prayers in Doomsday;
5.Born for War;
6.Cursed by the Dawn;
7.Crossfire;
8-The Apocalypse Bell.

Line-up:
Alex Eyras: vocal;
Tales Groo: guitarra;
Helder Jackson: guitarra;
Renato Filtro: baixo;
Richardson Lucena: bateria.

Para ler a resenha em seu idioma original (ou inglês ou francês), acesse o link abaixo:

http://www.lordsofmetal.nl/en/reviews/view/id/23327


Outras resenhas de Prayers in Doomsday - Darkside

Darkside: Som equilibrado e abrangenteDarkside: valeu cada segundo da espera pelo debutDarkside: boa qualidade e nada soa repetitivo ou maçante



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dark Side"Todas as matérias sobre "Darksyde"


Melhores de 2012: as escolhas do redator Leonardo Daniel TavaresMelhores de 2012
As escolhas do redator Leonardo Daniel Tavares


História do Rock: dos primórdios aos anos 70História do Rock
Dos primórdios aos anos 70

Veraneio Vascaína: Uma ácida crítica à polícia brasileiraVeraneio Vascaína
Uma ácida crítica à polícia brasileira

Metal Extremo: algumas bandas que você precisa ouvirMetal Extremo
Algumas bandas que você precisa ouvir

Bon Jovi: o mistério de Tommy e Gina em "Livin' On A Prayer""Cê tá de brincadeira, né?": quando grandes nomes vacilamComédia MTV: Capital inicial e outros em Para Nossa AlegriaMetallica: o que Kirk pensa quando dizem que eles não são mais pesados

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.