Darkside: boa qualidade e nada soa repetitivo ou maçante

Resenha - Prayers in Doomsday - Darkside

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo M. Brauna
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Darkside é uma banda de Heavy/Thrash cearense fundada em 1991.De lá pra cá passaram por várias transformações na formação, lançaram duas demos e um CD independente (Eclipsed Soul) até 2004. Devido a relevante aceitação desses trabalhos pelo público da região a banda conseguiu grande prestígio, e como conseqüência subiu nos palcos dos mais importantes festivais de Fortaleza, entre eles o Forcaos e o Ceará Music, Também conseguiram importantes feitos como abrir para os nomes nacionais SEPULTURA, ANGRA, KRISIUN e SHAMAN e os internacionais HELLOWEEN, GAMMA RAY e SAXON inclusive com show em Curitiba (PR) acompanhando essa última. Iniciou-se então uma turnê que cumpriu datas em seis estados brasileiros e que se estende com nova agenda para mais uma divulgação do seu novo lançamento. Veja uma análise completa das oito faixas que compõe esta segunda obra independente.

Oito razões pra dormir com um bateristaPunk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensa

Bubonic, o álbum abre logo com uma bela dose de velocidade puxada pelos bumbos duplos e uma riferama bem afiada de guitarra e baixo. O refrão aqui é simples, mas mostra grande poder para a composição; Sacrificed Parasites Tem uma notável interpretação vocal e riffs mais soltos que atendem melhor a melodia do som. O solo dobrado das duas guitarras dá mais destaque à música; Anticitizen One desperta ainda mais para a criatividade melódica da banda, o baterista executa uma ótima cadência em seu instrumento aplicando por vezes, partes de bumbos duplos bem encaixados. Uma canção que nos convida a todo instante batermos a cabeça; na sequência vem a faixa título Prayers in Doomsday, e com ela notamos a genialidade da cozinha bem entrosada para maior conforto dos outros companheiros. O vocalista aqui parece homenagear o Metal God ROB HALFORD tamanho a semelhança em seu timbre de voz, aliás, uma das influências assumidas da banda é o JUDAS PRIEST. Novamente aqui os solos nos oferecem uma boa audição; o riff inquietante de Bor for War e o refrão que gruda na mente nos remete a uma impressão de guerra medieval onde o desempenho nas baquetas nos lembra o galopar de cavalos ao combate. Nesta faixa a fidelidade do baixo em todas as partes é bem acentuada; Cursed by the Dawn revela no álbum um de seus melhores refrãos, os pedais da bateria têm uma pegada muito forte e os riffs assim como o solo refletem bem a cara NWOBHM do grupo; a sétima apresentação com o nome Crossfire consegue medir suas passagens de peso no momento certo, sem lacunas e sem malabarismos. Vocal e instrumental constroem um bom momento de harmonia, mas talvez nesta faixa esteja contida uma pequena falha de produção, pois a segunda parte de seu solo ofusca um pouco os outros instrumentos, no entanto pode-se dizer que é um grande momento pela execução precisa do mesmo (cabe ao ouvinte); por fim a última e apocalíptica The Apocalypse Bell encerra o álbum como uma trilha sonora da grande conquista desses fieis representantes do Metal nordestino. A faixa tem grande coerência musical e aponta para uma ótima representação no estilo que a banda executa, forte e veloz.

Bem, estas são as principais características de Prayers in Doomsday, mas também outro fator de suma importância para este trabalho é a arte gráfica que conta com uma bela ilustração que representa o tema das músicas, e também um encarte que traz fotos da banda, todas as letras e um mural que registra vários momentos da cena underground cearense. A produção sonora resulta numa boa qualidade e nenhuma das execuções soa repetitiva ou maçante. Realmente é um trabalho que representa bem o Metal na terra alencarina. Um perfeito momento para esses veteranos.

Traks:
1.Bubonic;
2.Sacrificed Parasites;
3.Anticitizen One;
4.Prayers in Doomsday;
5.Born for War;
6.Cursed by the Dawn;
7.Crossfire;
8-The Apocalypse Bell.

Line-up:
Alex Eyras: vocal;
Tales Groo: guitarra;
Helder Jackson: guitarra;
Renato Filtro: baixo;
Richardson Lucena: bateria.


Outras resenhas de Prayers in Doomsday - Darkside

Darkside: Som equilibrado e abrangenteDarkside: valeu cada segundo da espera pelo debutDarkside: depois de 20 anos, uma série de demos liberadas




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dark Side"Todas as matérias sobre "Darksyde"


Melhores de 2012: as escolhas do redator Leonardo Daniel TavaresMelhores de 2012
As escolhas do redator Leonardo Daniel Tavares


Oito razões pra dormir com um bateristaOito razões pra dormir com um baterista
Oito razões pra dormir com um baterista

Punk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensaPunk
10 músicos que são mais ricos do que você pensa

Legião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saídaLegião Urbana
A versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Sexo e Satã: as mensagens subliminares em capas de Rock / MetalAlfabeto do Rock: as 15 melhores músicas de MetalMetallica: banda faz batucada durante show - veja vídeoDream Theater: "Foi embora de vez, para sempre", diz Mangini sobre Portnoy

Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336