Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemTommy Lee postou uma foto com o "Dr. Feelgood" de fora

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemSteve Perry revela o motivo ter recusado substituir Dave Lee Roth no Van Halen

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemA opinião de Brian May sobre Lemmy Kilmister e o Motörhead

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemGordo diz que atualizou termos politicamente incorretos após puxão de orelha de filha

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemOzzy Osbourne revela de qual de seus álbuns Lemmy Kilmister mais gostava


Dream Theater 2022

Soundgarden: a banda está de volta, mas sem culhões

Resenha - King Animal - Soundgarden

Por Igor Z. Martins
Em 20/11/12

O Soundgarden voltou. A minha banda favorita da era grunge está de volta. E eles lançaram um disco, neste ano, chamado "King Animal", você sabia? Não sei como anda a agenda da banda, não sei se haverá turnê, não sei se eles estarão no Brasil. Tudo que eu sei é que há um novo disco. Então, vamos falar desse novo álbum.

Nunca espere ouvir desse trabalho o que você ouviu de "Louder Than Love" (1989) ou "Badmotorfinger" (1991). Não vou falar do "Superunknown" (1994), porque, ainda que seja um disco aclamado por fã e crítica, flerta demais com a MTV e o mundo pop, pra mim. O fato, aqui, é que "King Animal" só vale no que diz respeito a podermos dizer "o Soundgarden voltou, realmente". Mas não é a mesma banda de antes, nem a mesma pegada. No decorrer do álbum, há, apenas, espasmos do que o Soundgarden foi um dia. No restante, é sem culhões, sem pegada.

Chris Cornell é um dos meus vocalistas favoritos, mas eu corto os braços se ele conseguir cantar adequadamente o material do novo álbum ao vivo. Mesmo nos anos 90, ele forçava a barra em estúdio e tinha uma dificuldade flagrante para reproduzir ao vivo o que gravara. É só vasculhar por "Slaves & Bulldozers" ao vivo, no Youtube, e comprovar. Uma das linhas vocais mais animais da história do rock moderno é arruinada ao vivo, porque Cornell forçou demais a barra em estúdio. Cantar no estúdio é fácil. Você pode tentar 50 mil vezes até acertar, e há equipamentos e computadores que nivelam teu tom, o volume, etc. Assim, eu canto em estúdio rouco e gripado e poderá haver um bom trabalho. Ao vivo, seria uma catástrofe.

Sobre a cena grunge, a única banda daquela época que mostrou um trabalho coeso hoje em dia foi o Alice In Chains, com "Black Gives Way To Blue" (2009). O Pearl Jam foi um fracasso, em minha opinião, com "Backspacer" (2009). A cagada começa já na capa. E a sonoridade do álbum declara que o disco é o pior da carreira da banda e, possivelmente, um dos cinco piores discos feitos por bandas grunge na história. Já que estou falando no Pearl Jam, gostaria de dizer que o Eddie Vedder se tornou um frouxo politicamente correto em todos os sentidos. O Pearl Jam virou "banda de rock ingênuo". É como o Helloween é para a cena do metal: só letras bobocas, sem pegada, sem bolas, sem gás, sem energia. Mas, tudo bem... Agrada às menininhas de 16 anos e isso é lucrativo, ok? Vamos tentar entender, então.

Voltando ao Soundgarden... Para corroborar meu argumento de que a banda já não tem a mesma pegada de antes e está de joelhos no altar da pop music, basta ouvir "A Thousand Days Before", quarta faixa do novo disco. A música é tão piegas e flagrantemente pop que serviria direitinho como trilha sonora para um filme do estilo "O Segredo de Brokeback Mountain". A faixa seguinte, "Blood On The Valley Floor", é tão sonífera, forçada, chata, que dá vontade de parar de ouvir o álbum para não ter os ouvidos e a mente molestados outra vez.

"Bones of Birds" só atesta o argumento anterior. Outra vez temos o Chris Cornell "rezando" e cantando dentro de uma garrafa, ao invés de mostrar aquele potencial que tínhamos em "Outshined", por exemplo.

Mas, ok... Vamos dar um tempo aos caras... Foram anos e anos de hiato e é como andar de bicicleta: na primeira tentativa depois de vários anos, você pode cair. Então, quem sabe, no próximo (se houver um), eles podem acertar a mão. Toda a pieguice e bom-mocismo do Chris Cornell e sua carreira solo caíram como um raio na atmosfera de "King Animal". Alguém já ouviu os trabalhos solos do Chris? Fiquem longe! São um porre. Tipo a "Missa do Galo", mesmo, e você fica tentando entender como alguém como ele pode ter se vendido tanto e se tornado tão marica, musicalmente falando. Sem ousadia, sem veia, sem pegada. Só uma tentativa de quebrar corações e estar na MTV, da mesma forma que é "King Animal".


Outras resenhas de King Animal - Soundgarden

Resenha - King Animal - Soundgarden

Resenha - King Animal - Soundgarden

Resenha - King Animal - Soundgarden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Como ficaria o "Big Four" do grunge, de acordo com lista publicada pelo Loudwire

Túnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

Classic Rock lista 15 músicas do saudoso Chris Cornell que você precisa conhecer

Viúva de Chris Cornell publica carta emocionante e relembra o músico

Cameron diz que falas sobre saída de Hawkins do Foo Fighters foram tiradas do contexto

Chris Cornell: veja Chester Bennington cantando em funeral

Chris Cornell: produtor vê "Superunknown" de outra forma após suicídio

Dave Grohl: "Chris não se comparava com o resto dos maníacos de Seattle"

Guns N' Roses: a versão de Axl Rose sobre a separação

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino


Sobre Igor Z. Martins

Jornalista do interior do Paraná, Igor entrou no mundo do rock pesado em 1998, com "The X Factor", do Iron Maiden. Posteriormente, cairam em seus ouvidos Metallica, Guns N'Roses, Dream Theater, Megadeth, etc. Eclético, consegue escutar Oasis, Death, Pantera e Pink Floyd em sequência! Gasta mais da metade do que ganha com CDs, sendo, assim, chamado de "burro" por aqueles que acreditam que "é só baixar da Internet". Quer lhe dar um presente, fazê-lo feliz? Dê-lhe um CD! Comportar-se como criança diante de um CD novo e sentir o cheiro de encartes são marcas de sua paixão louca pela música!

Mais matérias de Igor Z. Martins.