Soundgarden: banda mantém ótima sincronia

Resenha - King Animal - Soundgarden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Felipe Gomes
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Em 1996 o Soundgarden lançou Down on the Upside e 1 ano depois entrou em hiato. Após a volta da banda no ano de 2010, rumores começaram sobre quando sairia o próximo álbum da banda de Seattle que serviu como um dos grandes expoentes no surgimento do grunge. Finalmente o próximo trabalho de estúdio da banda é lançado: King Animal é composto de 13 faixas e surge para mostrar o que esses 16 anos de espera trouxeram musicalmente para os membros da banda. O vocalista Chris Cornell se manteve em alta nesse período, aliado aos músicos do Rage Against The Machine, eles formaram a banda Audioslave e durante 6 anos fizeram bastante sucesso. O guitarrista Kim Thayil e o baixista Ben Shepherd ficaram escondidos, enquanto o baterista Matt Cameron foi convidado a se juntar em 1998 a outra grande banda de Seattle – Pearl Jam – continuando nesta até hoje. Então vamos ao que interessa:
906 acessosCornell: produtor vê "Superunknown" de outra forma após suicídio5000 acessosO Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais

O marcante desse novo álbum é que a banda mantém a ótima sincronia que sempre apresentou em trabalhos anteriores e das músicas apresentadas, a grande maioria é sólida. Chris Cornell mantém os vocais característicos, mas que nunca mais serão como aqueles dos anos 90. No auge dos seus 48 anos e depois de ter fumado por boa parte da vida, fica difícil manter aquela capacidade de atingir rasgados inacreditáveis que eram marca registrada de álbuns como Badmotorfinger e Superunknown. Thayil, Shepherd e Cameron mostram também que não pararam no tempo e mandam ótimas composições que quando juntas fazem maravilhas ao seus ouvidos.

"Estive longe por muito tempo" foi a forma que a banda resolveu começar essa obra e nada mais sugestivo para marcar a sua volta que um título como Been Away Too Long. A música, que é o 1º single do álbum, apresenta um ritmo e refrão muito contagiantes e os riffs de Thayil começam com tudo nessa faixa. Mesmo depois de tanto tempo, a capacidade de criar passagens pesadas e sincronizá-las com o ritmo da música não fugiu do controle do guitarrista. É necessário notar as influências antigas da banda adaptadas para a realidade atual do grunge/hard rock, através dos momentos psicodélicos em várias músicas e dos riffs pesados aliados a potente performance de Matt Cameron na bateria. As transições também são muito evidentes e dignas de lembrança, tal como em By Crooked Steps. Quer influências do rock mais antigo? Em A Thousand Days Before há em algumas partes uma melodia que mais lembra um baião misturado com grunge que qualquer outra coisa que você já escutou. É curioso, mas ao mesmo tempo interessante ver essas misturas que eram características do Led Zeppelin.

Fugindo um pouco do estilo do álbum, surgem Black Saturday com sua intro acústica e bem boladas transições, fazendo desta uma boa pedida para acalmar um pouco após tanto peso instrumental e vocal nas outras músicas. Halfway There é o peixe fora do aquário nesse álbum, sendo composta quase que inteiramente de forma acústica. É bacana de se escutar e feita justamente para dar o contraste, comparando com outras como Atrittion (com sua levada punk rock e agressiva ) e Taree (cheia de atitude por trás de uma junção instrumental muito sincronizada e potente) são mais interessantes. Essa última por sinal foi escrita por Shepherd antes mesmo da banda ter se separado nos anos 90.

Eyelid's Mouth é provavelmente a melhor música para se observar o entrosamento entre os membros da banda e sua porção final é uma das – se não a melhor – grandes parte instrumental do álbum. Não falta nada nela do que significa o Soundgarden e do que já foi dito aqui. É um dos pontos altos do álbum junto de Blood on the Valley Floor, uma faixa agressiva por trás de uma sonoridade pesada e densa, Bones of Birds com sua letra marcante e uma pegada um pouco mais leve que a maioria do álbum e Worse Dreams com suas poderosas linhas de Ben Shepherd e Matt Cameron. Fechando com mais uma música de qualidade, Rowing é algo bem diferente do que o Soundgarden fez até hoje. A intro, que depois serve de fundo musical, lembra os dedilhados de Andy McKee e os vocais em conjunto durante várias partes da música mostram bem esse outro lado da banda.

Por mais que hajam várias mudanças entre o Soundgarden de 16 anos atrás, o que hoje surge nesse novo álbum é uma velha e boa lembrança daquela época e uma amostra de que esse é o estilo que a banda deve seguir, como segmento natural de sua evolução. King Animal chega com boas expectativas e atende exatamente quem esperava um trabalho sólido e eficiente deles. Resta agora aproveitar a nova leva de músicas e mesclá-las com os clássicos da banda. Soundgarden está de volta e para ficar.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de King Animal - Soundgarden

5000 acessosSoundgarden: a banda está de volta, mas sem culhões4245 acessosSoundgarden: melhor do que muito álbum lançado este ano3496 acessosSoundgarden: voltou pra valer e está no auge da forma

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 30 de novembro de 2012

Chris CornellChris Cornell
Produtor vê "Superunknown" de outra forma após suicídio

993 acessosAnekke Van Giersbergen: uma emocionante homenagem a Chris Cornell1540 acessosHeart: "As bandas de Seattle festavam direto na minha casa"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Soundgarden"

CinemaCinema
As 10 melhores aparições de bandas em filmes

NirvanaNirvana
Jason Everman, que quase ficou famoso duas vezes

GrungeGrunge
O top cinco dos membros substitutos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Soundgarden"0 acessosTodas as matérias sobre "Chris Cornell"

Os 11 mais (ou menos)Os 11 mais (ou menos)
O Suprassumo do Superestimado

SpikeSpike
Os sete piores solos de guitarra

Heavy MetalHeavy Metal
Cinco discos necessários dos anos setenta

5000 acessosDoors - Perguntas e Respostas5000 acessosSlayer: as preferências do guitarrista Kerry King5000 acessosBon Scott, o eterno Rocker...5000 acessosSlash: Falando sobre seus filmes preferidos5000 acessosMotorhead: a opinião de Lemmy sobre Viagra, Hendrix e velhice5000 acessosMetallica e Pink Floyd: entre os preferidos da bandidagem

Sobre Felipe Gomes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online