Devon: debutando com álbum sólido

Resenha - Unreal - Devon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Pimentel, Fonte: Hangover-Music
Enviar Correções  


Após quatro anos em atividade, a banda de heavy metal mineira Devon lança seu primeiro registro oficial, "Unreal".

Megadeth: Dave explica por que não tocar "The Conjuring"Pantera: "odiei gravar Cowboys From Hell", diz Phil Anselmo

Devo salientar que, antes mesmo de ouvir o trabalho, o esmero com a parte gráfica roubou-me, de cara, a atenção. Explico: o encarte foi muito bem planejado e todo o design gráfico, no geral, salta aos olhos. Depois desse primeiro contato positivo, logo veio-me a seguinte indagação: a música manterá o nível profissional anunciado na arte da obra?

A primeira composição ("Crash of Reality") é uma vinheta baseada na ambiência que serve, no fim das contas, para introduzir o ouvinte a viagem em meio ao existente e o irreal – tema proposto pelas letras das canções, saliento. Cusiosamente, trata-se da única faixa não assinada pelo baixista Rafael DM, o principal compositor da banda – excluindo essa música, ele assina todas as outras do registro, a propósito.

Depois da breve introdução, um solo de teclado anuncia a rápida "Streets Ain't the Same". A canção trata-se de um heavy metal veloz, essencialmente melódico e direto. Bem direto, na verdade. Fora seu início – pelo fato da banda não ter um tecladista fixo, fui surpreendido –, a música me soou um tanto apática e indiferente. De fato, na minha opinião, a coisa melhoraria com a próxima faixa, "Turning". Esta terceira composição já exibe variações e um desenvolvimento bem mais interessante, incluindo até um bom solo de baixo e trechos instrumentais mais inesperados, digamos assim. Ótima faixa. E sim, o disco seguirá melhorando, adianto.

Atento que o trabalho vocal de Alex Gardini é competente, mas pelo fato do músico não exibir muitas variações – suas linhas são, majoritariamente, agudas e limpas – isso, talvez, comprometa a variedade apresentada pelo instrumental do Devon. Por exemplo, surgindo logo a seguir, a manowarística "Call the Brothers" aumenta a dose de peso e me pareceu carecer, em determinados momentos, de uma interpretação mais seca e agressiva.

A quinta faixa ("The Sunset Rider") mantém a qualidade entre bons riffs e ótimos solos – tocadas por Rafael Greco e Breno Viana – e conta, inclusive, com um excelente refrão. As linhas de bateria gravadas por Gabriel Trianni, que saiu da banda após gravar o disco, também roubam a atenção; o músico é muito competente. Nesse ponto, a boa produção do álbum – realizada por Thiago Bianchi (Shaman) – já merece ser comentada, pois quase tudo 'soa no lugar' e a audição segue confortável. Aliás, adianto que todas as canções são muito bem conectadas. Ao se ouvir o disco na íntegra – o meu caso nas vezes que o ouvi, inclusive agora! –, é um grande ponto a favor, devo dizer.


Voltando ao álbum, a balada "Forgetting You" – aqui senti, novamente, a falta de vocais graves – e a mais intricada "The Sentence" dão sequência. A primeira citada é conduzida, principalmente, por violões, além de contar com um belo solo de piano. Já a última possui arranjos e variações muito interessantes me soando, no geral, bem progressiva.

A parte conclusiva de "Unreal", para mim, eleva ainda mais a qualidade; faixas como "Running Out of My Luck", "Face Myself" e "On the Road" – essa tem um peso especial – são realmente convincentes e, além disso, casam com a proposta da banda. Ou seja, exibem um heavy metal acessível e, ao mesmo tempo, bem trabalhado.

Fechando o trabalho, temos a ótima "Innocence Degrees" que, na minha opinião, é bem superior a outra balada ("Forgetting You"). Grande parte disso deve-se ao fato dos vocais de Alex Gardini encaixarem-se, dessa vez, com mais naturalidade e sua interpretação me soar mais emocionante.

De forma geral, "Unreal" é um ótimo trabalho de estreia; todos os músicos envolvidos são bons e a produção está a altura. Como falei anteriormente, é um disco cuja audição se dá naturalmente bem, pois todas as faixas são bem conectadas e arranjadas. Entretanto, há certos fatores que, talvez, restrinjam o público da banda, por ora, aos amantes do heavy metal mais melódico. Esperemos que, nos futuros registros, o Devon amadureça ainda mais solidificando, assim, sua proposta. Bem, potencial e vontade eles já demonstraram em "Unreal".

Músicas-chave:
"Turning"; "Innocence Degrees"; "Running Out of Luck"

Formação:
Alex Gardini – vocal
Breno Viana – guitarra
Rafael Greco – guitarra
Rafael DM – baixo
Gabriel Trianni – bateria
James Freitas – teclado

Tracklist:
1. Crash of Reality 00:42
2. Streets Ain´t the Same 03:10
3. Turning 04:36
4. Call the Brothers 04:59
5. The Sunset Rider 04:02
6. Forgetting You 03:19
7. The Sentence 05:02
8. Running Out of Luck 03:42
9. Face Myself 03:20
10. On the Road 03:28
11. Innocence Degrees 04:22

Site oficial:
http://devonunreal.com


Outras resenhas de Unreal - Devon

Resenha - Unreal - DevonResenha - Unreal - Devon



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Megadeth: Dave explica por que não tocar The ConjuringMegadeth
Dave explica por que não tocar "The Conjuring"

Pantera: odiei gravar Cowboys From Hell, diz Phil AnselmoPantera
"odiei gravar Cowboys From Hell", diz Phil Anselmo


Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin