Devon: debutando com álbum sólido

Resenha - Unreal - Devon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Pimentel, Fonte: Hangover-Music
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Após quatro anos em atividade, a banda de heavy metal mineira Devon lança seu primeiro registro oficial, "Unreal".

Rock e Metal: todo artista tem uma fase vergonhosaRock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os tempos

Devo salientar que, antes mesmo de ouvir o trabalho, o esmero com a parte gráfica roubou-me, de cara, a atenção. Explico: o encarte foi muito bem planejado e todo o design gráfico, no geral, salta aos olhos. Depois desse primeiro contato positivo, logo veio-me a seguinte indagação: a música manterá o nível profissional anunciado na arte da obra?

A primeira composição ("Crash of Reality") é uma vinheta baseada na ambiência que serve, no fim das contas, para introduzir o ouvinte a viagem em meio ao existente e o irreal - tema proposto pelas letras das canções, saliento. Cusiosamente, trata-se da única faixa não assinada pelo baixista Rafael DM, o principal compositor da banda - excluindo essa música, ele assina todas as outras do registro, a propósito.

Depois da breve introdução, um solo de teclado anuncia a rápida "Streets Ain't the Same". A canção trata-se de um heavy metal veloz, essencialmente melódico e direto. Bem direto, na verdade. Fora seu início - pelo fato da banda não ter um tecladista fixo, fui surpreendido -, a música me soou um tanto apática e indiferente. De fato, na minha opinião, a coisa melhoraria com a próxima faixa, "Turning". Esta terceira composição já exibe variações e um desenvolvimento bem mais interessante, incluindo até um bom solo de baixo e trechos instrumentais mais inesperados, digamos assim. Ótima faixa. E sim, o disco seguirá melhorando, adianto.

Atento que o trabalho vocal de Alex Gardini é competente, mas pelo fato do músico não exibir muitas variações - suas linhas são, majoritariamente, agudas e limpas - isso, talvez, comprometa a variedade apresentada pelo instrumental do Devon. Por exemplo, surgindo logo a seguir, a manowarística "Call the Brothers" aumenta a dose de peso e me pareceu carecer, em determinados momentos, de uma interpretação mais seca e agressiva.

A quinta faixa ("The Sunset Rider") mantém a qualidade entre bons riffs e ótimos solos - tocadas por Rafael Greco e Breno Viana - e conta, inclusive, com um excelente refrão. As linhas de bateria gravadas por Gabriel Trianni, que saiu da banda após gravar o disco, também roubam a atenção; o músico é muito competente. Nesse ponto, a boa produção do álbum - realizada por Thiago Bianchi (Shaman) - já merece ser comentada, pois quase tudo 'soa no lugar' e a audição segue confortável. Aliás, adianto que todas as canções são muito bem conectadas. Ao se ouvir o disco na íntegra - o meu caso nas vezes que o ouvi, inclusive agora! -, é um grande ponto a favor, devo dizer.


Voltando ao álbum, a balada "Forgetting You" - aqui senti, novamente, a falta de vocais graves - e a mais intricada "The Sentence" dão sequência. A primeira citada é conduzida, principalmente, por violões, além de contar com um belo solo de piano. Já a última possui arranjos e variações muito interessantes me soando, no geral, bem progressiva.

A parte conclusiva de "Unreal", para mim, eleva ainda mais a qualidade; faixas como "Running Out of My Luck", "Face Myself" e "On the Road" - essa tem um peso especial - são realmente convincentes e, além disso, casam com a proposta da banda. Ou seja, exibem um heavy metal acessível e, ao mesmo tempo, bem trabalhado.

Fechando o trabalho, temos a ótima "Innocence Degrees" que, na minha opinião, é bem superior a outra balada ("Forgetting You"). Grande parte disso deve-se ao fato dos vocais de Alex Gardini encaixarem-se, dessa vez, com mais naturalidade e sua interpretação me soar mais emocionante.

De forma geral, "Unreal" é um ótimo trabalho de estreia; todos os músicos envolvidos são bons e a produção está a altura. Como falei anteriormente, é um disco cuja audição se dá naturalmente bem, pois todas as faixas são bem conectadas e arranjadas. Entretanto, há certos fatores que, talvez, restrinjam o público da banda, por ora, aos amantes do heavy metal mais melódico. Esperemos que, nos futuros registros, o Devon amadureça ainda mais solidificando, assim, sua proposta. Bem, potencial e vontade eles já demonstraram em "Unreal".

Músicas-chave:
"Turning"; "Innocence Degrees"; "Running Out of Luck"

Formação:
Alex Gardini - vocal
Breno Viana - guitarra
Rafael Greco - guitarra
Rafael DM - baixo
Gabriel Trianni - bateria
James Freitas - teclado

Tracklist:
1. Crash of Reality 00:42
2. Streets Ain't the Same 03:10
3. Turning 04:36
4. Call the Brothers 04:59
5. The Sunset Rider 04:02
6. Forgetting You 03:19
7. The Sentence 05:02
8. Running Out of Luck 03:42
9. Face Myself 03:20
10. On the Road 03:28
11. Innocence Degrees 04:22

Site oficial:
http://devonunreal.com


Outras resenhas de Unreal - Devon

Devon: sem inovar, mas profissionalDevon: Resenha de debut pelo site Warriors of the Metal




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Devon"


Rock e Metal: todo artista tem uma fase vergonhosaRock e Metal
Todo artista tem uma fase vergonhosa

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Homossexualidade: 5 nomes da cena rock/metal que assumiramHomossexualidade
5 nomes da cena rock/metal que assumiram

Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os temposDave Mustaine: 10 coisas que você não sabia sobre eleNightwish: Floor Jansen dá a sua receita para uma voz afinadaThe Voice: participante canta "Born To Be Wild" na pegada death metal

Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel no Whiplash.Net.