Symfonia: A falta de ousadia impera durante todo o álbum

Resenha - In Paradisum - Symfonia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Wesley M. Soares
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 5

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A expectativa criada em torno do SYMFONIA nos últimos meses fez muita gente cruzar os dedos na espera do primeiro trabalho desta banda que já nasceu com status de supergrupo antes mesmo do lançamento de qualquer material. Não era para menos, levando-se em conta a verdadeira constelação de músicos que integram o SYMFONIA, a saber: o vocalista Andre Mattos (ex-SHAMAN, ANGRA, VIPER), Timo Tolki (ex-STRATOVARIUS, REVOLUTION RENAISSANCE) nas guitarras, Jari Kainulanen (ex-STRATOVARIUS, EVERGREY) no baixo, o baterista Uli Kusch (ex-MASTERPLAN, HELLOWEEN, GAMMA RAY) e Mikko Härkin (ex-tecladista do SONATA ARCTICA).
2167 acessosFalaschi: vamos surpreender na 2ª parte da turnê Return of Shadows5000 acessosSinceridade: e se as capas de discos dissessem a verdade?

Particularmente, sempre temi pelo material que este “Supergrupo” poderia apresentar na sua estreia. Tinha comigo duas perspectivas: ou os músicos tentariam reerguer suas carreiras apostando em um material ousado e indo na contramão do que o mundo esperava ou tentariam seguir as velhas fórmulas de suas antigas bandas. Para infelicidade deste que vos escreve, preferiram optar pelo óbvio e na minha opinião, erraram feio.

O álbum começa com "Fields of Avalon" apresentando um riff característico do STRATOVARIUS era "Forth Dimension, Episode" e a primeira música não chega nem a ficar na promessa já que aquela sensação de “já ouvi isso antes” se confirma ao longo dos 5 minutos iniciais do CD.

Essa preocupação começa a ficar maior ao decorrer do disco quando me surpreendo cantarolando as linhas de vocal dos refrões antes mesmo de terminar de ouví-los por completo. Mas como pode? Mãe Dinah? Infelizmente não é questão de previsão, mas sim de previsibilidade. É, meus amigos, esse novo álbum do SYMFONIA é um festival de arranjos previsíveis, linhas de vocal típicas do mais datado Metal Melódico, com Andre Mattos abusando dos agudos como há muito tempo não víamos (e isso não é um elogio), solos e riffs reciclados dos trabalhos do STRATOVARIUS dos quais Timo Tolki parece não conseguir se libertar, levadas de bateria datadas (quem diria que um dia se poderia falar isso de Uli Kusch, um dos bateras mais criativos do Metal Melódico em todos os tempos), enfim, a falta de ousadia impera durante todo o álbum.

Falando das músicas propriamente ditas, se você procura por ideias novas e revigoradas, passe longe de "In Paradisum". Para os fãs do metal cíclico que vive dando voltas ao redor do próprio rabo e usam a desculpa de serem trues, músicas como "Fields of Avalon", "Santiago" (o início é uma cópia descarada de I’m Alive do HELLOWEEN), "In Paradisum" entre outras, farão você gozar de felicidade.

Existem momentos legais no CD? Sim, bastante momentos até, mas isso se não levarmos em conta que todas as músicas (TODAS) são reciclagens de clássicos das respectivas bandas dos integrantes do SYMFONIA.

Sei que muita gente vai endeusar esse álbum e dizer que Andre Mattos e companhia estão de volta em grande estilo e blablabla, mas a verdade é que o debut do SYMFONIA chega ao mercado com no mínimo 15 anos de atraso, já que todos os elementos que encontramos nele foi exaustivamente explorado pelas bandas do gênero, soando datado, ultrapassado, como um verdadeiro paraíso (com perdão do trocadilho) de clichês, daqueles que os detratores do Metal melódico tanto gostam de usar nas suas elucubrações contra o estilo.

É uma pena, visto que talento e potencial os caras do tal “supergrupo “ não precisam provar para ninguém que eles tem de sobra.

Fica pra próxima!!!

Músicas:

1. Fields of Avalon
2. Come by the Hills
3. Santiago
4. Alayna
5. Forevermore
6. Pilgrim Road
7. In Paradisum
8. Rhapsody in Black
9. I Walk in Neon
10. Don’t let me Go

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de In Paradisum - Symfonia

2373 acessosSymfonia: O disco simplesmente não entrega o que promete3399 acessosSymfonia: Para quem é fã do Stratovarius e do Andre Matos5000 acessosSymfonia: Um disco que veio ao mundo na época errada2447 acessosSymfonia: Criatividade e inovação musical passaram longe2651 acessosSymfonia: Quase todos ficaram em suas zonas de conforto5000 acessosSymfonia: grupo não alçou um vôo tão alto quanto planejava

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 27 de março de 2011

Edu FalaschiEdu Falaschi
Vamos surpreender na segunda parte da turnê Return of Shadows

178 acessosAltair: comédia diabólica de Progressive/Power Metal809 acessosAngra Fest: com Massacration, Geoff Tate, Noturnall e outros0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

AngraAngra
As cinco melhores composições de Andre Matos

Dave MustaineDave Mustaine
Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman

Temple of ShadowsTemple of Shadows
A saga do Caçador da Sombra

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Symfonia"0 acessosTodas as matérias sobre "Stratovarius"0 acessosTodas as matérias sobre "Andre Matos"0 acessosTodas as matérias sobre "Sonata Arctica"0 acessosTodas as matérias sobre "Helloween"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

SinceridadeSinceridade
E se as capas de discos dissessem a verdade?

EsquireEsquire
Integrantes do Metallica fingem ser do Led Zeppelin

Guns N RosesGuns N' Roses
Axl mandou expulsar Steven Adler de show?

5000 acessosVelocidade: Top 10 de músicas de Metal para ser multado5000 acessosSexo e rock n' roll: banda grava e vende pornô para bancar despesas5000 acessosDream Theater: o suposto plágio de música de Leandro & Leonardo?5000 acessosMarilyn Manson: vocalista revela suas estranhas fobias sexuais5000 acessosSharon Osbourne: detonando o Limp Bizkit e o Iron Maiden5000 acessosMonsters of Rock: o lendário Castle Donington de 1980

Sobre Wesley M. Soares

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online