Paul McCartney: em 1970, o primeiro disco solo de fato

Resenha - McCartney - Paul McCartney

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Cezar “Dudy” Duarte
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Coube a ele oficializar o que já era mais do que iminente. Em 10 de abril de 1970, a separação da banda mais emblemática da história do rock, The Beatles, era anunciada, por aquele que, ironicamente, foi quem mais queria levar o grupo de Liverpool adiante. Paul McCartney, naquele momento, lançava seu primeiro disco solo, apenas com seu famoso sobrenome.
532 acessosBeatles: Sgt. Peppers vai ganhar versão mega especial de 50 anos5000 acessosBanda cristã explica a proximidade com o Behemoth

Primeiro solo? Usando uma linguagem jurídica, há quem diga que o primeiro trabalho individual de fato, não de direito, foi Yesterday, em 1965. Primeira gravação só com um beatle, sem mencionar que praticamente toda composição é de Paul, apesar dos créditos incluírem o nome de Lennon (questão contratual). Em Yesterday, Paul canta e toca violão acompanhado por um conjunto de cordas arranjado pelo produtor George Martin. Na época, pensou-se em lançá-la em forma de compacto, como um projeto paralelo do baixista. A ideia foi rapidamente descartada. No entanto, Yesterday chegou ao mercado americano como compacto, mas com o nome dos Beatles.


No ano seguinte, 1966, antecedendo as primeiras gravações de Sgt.Pepper’s, Paul recebe a proposta para fazer a trilha sonora do filme The Family Way, dirigido por Roy Boulting. Para enfrentar a empreitada, Paul pede auxílio ao amigo George Martin para composição dos temas instrumentais. A faixa principal é Love in the open air, que ganharia 13 variações ao longo do LP, além de mais duas versões diferentes lançadas em um compacto. Salienta-se que Paul não toca nenhum instrumento, há, porém, algumas fontes que dizem que ele teria tocado baixo e piano. George Martin acaba sendo o verdadeiro regente através de sua própria orquestra. O lançamento da trilha ocorre em 12 de junho de 1967.

Voltando para a concepção do solo McCartney. Os primeiros passos foram dados em dezembro de 1969, em um estúdio montado em sua casa, até que o disco pronto chegasse às lojas em 17 de abril de 1970. A grande força motora que o fez partir sozinho para as sessões foi um dolorido sentimento de abandono em relação aos seus companheiros.


Nos idos de 69, John, George e Ringo queriam, a todo custo, que o empresário espertalhão, Allen Klein, tomasse conta dos confusos negócios da empresa do grupo chamada Apple. Paul se recusava, terminantemente, assinar o contrato que daria plenos poderes à Klein para fazer o que quisesse em nome dos Beatles. O desacordo foi parar na justiça, até que a dissolução judicial ocorresse em meados da década de 70. Para combater as feridas criadas pelo embate entre ele e os outros beatles, McCartney se dedica de corpo e alma à música, tendo ao seu lado, o total apoio de sua amada companheira, Linda McCartney, grande responsável por manter a veia musical de Paul pulsando em uma longa e promissora carreira solo, com e sem os Wings.

Paul toca todos os instrumentos sozinho em McCartney. Como já foi exposto, a maior parte das gravações aconteceu em sua residência, em Londres. Algumas faixas foram finalizadas nos estúdios Morgan e Abbey Road. Para evitar o assédio do público e da imprensa, Linda reservou os dias e horários para as sessões usando o pseudônimo Billy Martin. Assim, Paul teria a tranqüilidade suficiente para se dedicar às gravações da maneira que achasse mais conveniente. Linda, também, emprestou sua voz em algumas faixas fazendo backing vocal e harmonias. Foi incluído na embalagem do disco – edição especial para imprensa da época – um questionário produzido por Derek Taylor e Peter Brown (assessores de imprensa da Apple) no qual, Paul responde a várias questões. Entre suas respostas, está a declaração mais bombástica: Paul diz que está fora dos Beatles e, consequentemente, a banda deixava de existir.


A importância do debut solo de Paul McCartney não se credita, apenas, por se tratar de um trabalho de um ex-beatle. A musicalidade ao longo das 13 faixas justifica, de sobremaneira, a exuberância deste multiinstrumentista que domina, como poucos, o ofício de construir magníficas melodias para o deleite dos ouvidos receptivos à boa música.

O disco é igualmente especial por manter, de alguma forma, a atmosfera dos Beatles. É quase um registro do quarteto feito por apenas um integrante. As canções geradas ainda com os Beatles se encaixam perfeitamente com o restante do repertório. Sim, a qualidade das primeiras gravações dos ex-beatles, provam que Abbey Road e Let it Be não seriam o limite do que eles ainda podiam fazer juntos. De certa maneira, a saga dos Beatles continuou com muito da qualidade que os quatro produziram separadamente em suas respectivas carreiras . McCartney não é exceção.

Confira detalhes sobre cada uma das músicas existentes no álbum:

The Lovely Linda (0:44)

Ode de Paul à sua adorável companheira. Existe uma versão mais longa que permanece inédita.

That would be something (2:37)

Inicialmente, era uma faixa mais curta e mais próxima de um folk. Simples e cativante.

http://www.osarmenios.com.br/wp-content/uploads/Macca-e-o-se...

Valentine Day (1:40)

Instrumental usado para testar o gravador caseiro Studer de 4 canais, portátil, que acabou sendo incluído no disco.

Every Night (2:31)

Chegou a ser tocada pelos Beatles, mas não aproveitada pelo grupo. A letra teve sua origem na Escócia, em 1968, e foi finalizada na Grécia. Balada acústica dentro dos padrões dos Beatles.

Hot as Sun / Glasses (2:07)

Segunda faixa instrumental, composta em 1959. É na verdade, a junção de duas partes instrumentais distintas. No final, Paul canta alguns segundos da música Suicide que teria sido composta para Frank Sinatra.

Junk (1:54)

Começou a ser escrita em Rishikesh, Índia. Jubilee e Junk in the yard foram os primeiros títulos. Os Beatles chegaram a ensaiá-la e, fora cogitada para fazer parte de álbuns como White Album e Let it Be. Lenta, nostálgica com arranjo envolvente.

Man We Was Lonely (2:57)

A sétima faixa (em CD), conta com as harmonias de Linda que, também, teria tido uma pequena participação na letra. Música mais embalada, conta com um belo coro de Paul e Linda no refrão.

Oo You (2:48)

A princípio, era para ser uma faixa instrumental, até Paul criar a letra. O elogiado trabalho de guitarra e os agudos do vocal dão destaques à esta gravação.

Momma Miss America (4:05)

Fusão de dois temas instrumentais. O primeiro nome pensado foi Rock ‘n’ Roll Sprintime . Paul toca, com maestria, “só” sete instrumentos neste número.

Teddy Boy (2:23)

Mais uma faixa vinda das últimas sessões dos Beatles. Uma versão foi incluída no projeto Get Back até que este se transformasse no disco Let it Be, sem a referida faixa. Balada acústica de bonita melodia, típica do talento de Paul.

Singalong Junk (2:35)

Variação instrumental mais longa que a faixa seis (Junk). Ela faria parte da trilha sonora do filme Jerry Maguire, em 1995.

Maybe I’m Amazed (3:50)

Pode ser considerada o carro-chefe do disco. Uma das melhores músicas que Paul já fez em toda sua carreira, sem exagero. O próprio já admitiu ser uma de suas canções favoritas. A letra é dedicada à Linda, no qual, ele pede a presença dela para ajudá-lo a superar a difícil adaptação aos novos tempos como ex-Beatle. A versão ao vivo no disco triplo, Wings Over America, de 1976, pode ser considerada a execução definitiva.

Kreen-Akrore (4:14)

Paul encerra o disco com mais um instrumental. O título foi inspirado em um documentário chamado The Tribe that Hides From Man (A tribo que se esconde do homem). No caso, KreenÁkrore é o nome de uma tribo de nativos da selva amazônica, defensores ferrenhos de seu território. Paul tenta criar sons com base naquilo que ele captou vendo o programa.

Curiosidade: duas faixas ficaram de fora de McCartney e continuam inéditas: Indeed I do e 1982.

Data de Lançamento:
17 de abril de 1970 (RU)
20 de abril de 1970 (EUA)

Lado A
1 – The Lovely Linda (0:44)
2 – That Would Be Something (2:39)
3 – Valentine Day (1:40)
4 – Every Night (2:32)
5 – Hot as Sun/Glasses (2:07)
6 – Junk (1:55)
7 – Man We Was Lonely (2:57)

Lado B
8 – Oo You (2:49)
9 – Momma Miss America (4:05)
10 – Teddy Boy (2:23)
11 – Singalong Junk (2:35)
12 – Maybe I’m Amazed (3:51)
13 – Kreen-Akrore (4:15)

Créditos:
Paul McCartney: baixo, guitarra, violão, piano, mellotron, bateria, órgão, xilofone de brinquedo, gravação, produção.
Linda McCartney: Vocais, teclados, fotos e capa.

Posição nas paradas:
EUA: 1º lugar (Billboard), tendo permanecido por 47 semanas no Top 200.
RU: 2º lugar (UK Albums Chart), tendo permanecido 32 semanas do Top 200.

Texto publicado originalmente no site de (anti)jornalismo (contra)cultural Os Armênios.

http://www.osarmenios.com.br

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de McCartney - Paul McCartney

1475 acessosPaul McCartney: ele desconstrói os Beatles em estreia

Paul McCartneyPaul McCartney
De volta ao Brasil no final do ano, diz jornal

532 acessosBeatles: Sgt. Peppers vai ganhar versão mega especial de 50 anos1971 acessosRingo Starr: quem é maior, Beatles ou Justin Bieber?3554 acessosBeatles: documentário será lançado no cinema em Maio1016 acessosThe Beatles: tracklist detalhado da nova edição do "Sgt. Peppers"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Mais capasMais capas
A história do rock no Google Street View

Rock e metalRock e metal
O outro lado das capas de discos

Paul McCartneyPaul McCartney
"Me chamo Fabíola e você é fabuloso!"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Paul McCartney"0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"

BehemothBehemoth
Banda cristã comenta proximidade com Nergal

AerosmithAerosmith
"Há alguns álbuns dos quais eu prefiro não me lembrar!"

Big FourBig Four
Astros da cena Heavy escolhem banda preferida

5000 acessosIron Maiden: quinze canções que definem a banda5000 acessosLemmy Kilmister fala de Sharon e Iron Maiden5000 acessosCapas clássicas: os locais onde foram feitas nos dias de hoje4974 acessosGene Simmons: "Eu não gosto do sabor nem do cheiro de qualquer coisa com álcool"5000 acessosDJ Ashba: "não me vejo voltando ao Guns N' Roses nunca mais"5000 acessosKeith Richards: Stone fala de relacionamento com os Beatles

Sobre Cezar “Dudy” Duarte

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online