Iron Maiden: boas idéias perdidas em variações e repetições

Resenha - Final Frontier - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Arthur Lara Moreira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O IRON MAIDEN sempre foi uma banda de heavy metal tradicional, mas Steve Harris vem insistindo em torná-la uma banda de rock progressivo. Ok, seu som sempre flertou com esse estilo (é só ouvir “Phantom Of The Opera”). Mas há um exagero latente e desnecessário que se instalou de vez no álbum anterior e se perpetuou no novo. “The Final Frontier” é igual a “A Matter Of Life And Death”. Composições longuíssimas, introduções dedilhadas em guitarras sem distorção e boas idéias perdidas em muitas variações e passagens que são repetidas ao extremo.
48 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa5000 acessosLoudwire: as dez melhores bandas da era Grunge

A canção de abertura – “Satellite 15... The Final Frontier” - é dividida em duas partes, seguindo uma tradição do rock progressivo, e mostra uma forma inusitada de se abrir um disco. Em se tratando de IRON MAIDEN, obviamente. As batidas tribais de Nicko McBrain dão o tom de uma agradável estranheza - já que fogem completamente dos padrões estipulados por Steve Harris - e são acompanhadas por guitarras de timbres modernosos e um vocal meio desesperado de Bruce Dickinson. 4’37’’ depois, começa a segunda parte, “The Final Frontier”, com seus riffs fincados no hard rock setentista (ainda dá para notar um discreto violão ajudando a “engrossar” o som). As melodias são fáceis e o refrão, grudento. Ponto para a banda, excelente faixa.

“El Dorado”, primeiro single do disco, começa como se fosse uma “Paschendale” mais pesada e descamba para os tradicionais arranjos da banda. Canção bem forte e refrão marcante. Outra bola dentro.

A terceira é “Mother Of Mercy”, que começa com a praga das guitarras limpas e vocais suaves. É uma das músicas mais curtas do disco (5’20’’), mas somente com 1’24’’ temos uma guitarra distorcida. A partir de então, torna-se uma interessante e típica música do IRON MAIDEN.

Os pequenos problemas começam a partir de “Coming Home”, uma semi-balada legalzinha, mas que nos remete à carreira solo de BRUCE DICKINSON na segunda metade dos anos 90. Parece mais uma tentativa de reescrever “Tears Of The Dragon” ou “Wasting Love”. A faixa seguinte é “The Alchemist”, típica música rapidinha feita para cumprir tabela. Se não empolga, também não compromete.

Um dos maiores pesadelos que os fãs vivem desde o álbum “The X Factor” reaparece pela ‘enésima’ vez em “Isle Of Avalon”: a famigerada trinca guitarra-limpa-e-dedilhada, baixo-dedilhado-nas-alturas e vocais-suaves. Isso já encheu o saco! Alguém deveria avisar pro Steve Harris que já tá bom. Não precisa mais! E o pior, é que “Isle Of Avalon” tem boas sacadas. O problema é que a música gasta 2’40’’ para deslanchar e, depois do primeiro solo, tem mais xaropada (felizmente essa é mais curta).

“Starblind” tinha tudo para ser uma das melhores músicas da história do Iron. As guitarras de Adrian Smith estão impecáveis, a levada cadenciada é sensacional e o refrão é fácil. Mas, de novo, aquela introduçãozinha entorna o caldo. São 48 segundos desperdiçados. “The Talisman” é outra que possui ótimas idéias misturadas com porres de dedilhados lentos. Sua introdução tem 2’20’’.

Mais um começo à la “The X Factor”, desta vez a canção se chama “The Man Who Would Be King”. Depois de 1 minuto e 40 segundos de enrolação, apresenta-se como mais uma faixa tampão. Não compromete, mas é completamente desnecessária.

Finalmente chegamos à última faixa, “When The Wild Wind Blows”, a única “música solo” de Steve Harris e a mais longa com seus 11 minutos. E, por incrível que pareça, é a melhor música de “The Final Frontier”. Não, a banda não se livrou da maldita introdução. Mas aqui, a melodia é agradável. Tem um quê de folk britânico, é um pouco diferente e é mais leve. É uma canção que não podemos classificar como heavy metal. Mesmo assim, funciona bem.

Antes do disco “The X Factor”, o IRON MAIDEN tinha lançado apenas duas músicas com mais de nove minutos de duração, a genial “The Rime Of The Ancient Mariner” e “Seventh Son Of A Seventh Son”. De 1995, foram compostas dez canções com mais de nove minutos. São elas: “Sign Of The Cross”, “The Angel & The Gambler”, “The Clansman”, “Dream Of Mirrors”, “The Nomad”, “For The Greater Good Of God”, “The Legacy”, “Isle Of Avalon”, “The Talisman” e “When The Wild Wind Blows”. Talvez nenhuma delas justifique a longa duração. Curiosamente, “The X Factor” foi o primeiro disco depois que o produtor Martin Birch se aposentou.

“The Final Frontier” possui dez faixas e, mais ou menos, 75 minutos de duração. Isso significa que cada faixa, em média, dura 7 minutos e meio. O que se ouve nesse álbum são longas composições. É até legal, mas tem que ter paciência para esperar e memorizar as muitas boas idéias.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Final Frontier - Iron Maiden

5000 acessosIron Maiden: "The Final Frontier" entre os 9 melhores da donzela5000 acessosIron Maiden: Deixar de enxergar certos fatos soa absurdo5000 acessosIron Maiden: CD mais maduro e coeso desde a volta do Bruce5000 acessosIron Maiden: ninguém em cima do muro sobre um novo disco5000 acessosEquívoco: Iron Maiden fazendo rock progressivo?5000 acessosIron Maiden: não há como ficar indiferente ao novo álbum5000 acessosIron Maiden: a velha Donzela explorando novos territórios5000 acessosIron Maiden: certeza de que a história está longe de acabar5000 acessosIron Maiden: um disco para analisar os mínimos detalhes5000 acessosIron Maiden: primeiro e último são extremos da mesma linha5000 acessosIron Maiden: o futuro da banda está em "The Final Frontier"5000 acessosIron Maiden: jornalista revela mais detalhes do novo álbum5000 acessosIron Maiden: primeiro review faixa-a-faixa do novo álbum5000 acessosIron Maiden: resenha misteriosa fala em "novo ápice"3174 acessosÁlbum traduzido: The Final Frontier, do Iron Maiden

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Iron MaidenIron Maiden
Show do Ghost é melhor, diz reportagem

48 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa431 acessosIron Maiden: Iron Maiden Ex Libris aborda as letras da donzela412 acessosThunderstick: ex-batera do Samson e Iron Maiden lançará novo disco0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

19861986
O ano definitivo da música pesada

Veja SPVeja SP
Show do Iron Maiden eleito como "pior do ano"

CarnavalCarnaval
Bloco transforma músicas do Iron Maiden em samba

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

LoudwireLoudwire
As dez melhores bandas da era Grunge

Black SabbathBlack Sabbath
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Guitar WorldGuitar World
As 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

5000 acessosAntes do Black Sabbath: as 50 músicas mais pesadas do rock5000 acessosOzzy Osbourne: "o morcego era quente e crocante"5000 acessosHeavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capas3947 acessosMetallica: James Hetfield explica decisão de abandonar seu perfil no Instagram5000 acessosIron Maiden: os álbuns da banda, do pior para o melhor4918 acessosRob Zombie: fazer turnê com o Slayer não foi tão legal assim

Sobre Arthur Lara Moreira

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online