Álgida: desconforto e desesperança em relação à existência

Resenha - Vazio - Álgida

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Natural da cidade gaúcha de Caxias do Sul – terreno fértil em se tratando de rock´n´roll, diga-se – o Álgida começou suas atividades em meados de 2005 e, após várias mudanças em sua formação, se estabilizou com Elias Hoffmann (voz), Diego Embarach (guitarra), Andrius Wagner (teclado), Anderson Aguzzoli (baixo) e Cristofer Andreoli (bateria).
5000 acessosPiadas sobre músicos5000 acessosFilhos de Rockstars: qualquer coincidência é semelhança

O curioso nome Algida – expressão que significa frio ou gélido – tem tudo a ver com sua proposta musical. Tendo como ponto de partida as bandas clássicas por suas sonoridades sorumbáticas, como The Cure, Bauhaus, Joy Division e The Sisters Of Mercy, e ainda nomes da década seguinte, como The Smashing Pumpkins e Placebo, o Álgida vem desde então lapidando suas referências, o que culminou no EP “Vazio”.

Com arranjos bastante limpos e todo cantado em português – o timbre do vocalista remete parcialmente a Dinho, do Capital Inicial – suas letras são muito introspectivas, conflitantes e demonstram todo o desconforto e desesperança em relação à existência, geralmente de forma poética, tendo em “Flores do Mundo” e “A Palavra” os destaques do repertório. O coração de suas cinco composições resgata muito da melancolia tão característica na década de 1980, mas há momentos onde se percebe certo cuidado em dar um apelo mais abrangente às músicas, como em “Tiresia”, com consciência de sobra no momento de estruturar as melodias.

O provável baixo orçamento não impediu que o grupo usasse sua criatividade para liberar um produto diferenciado. O projeto gráfico de “Vazio” ficou muito bacana, uma caixa toda artesanal e com direito a encarte recheado com ilustrações em preto-e-branco, letras das canções e informações pertinentes. Tudo simples, mas eficiente.

Enfim, músicos jovens que dão um primeiro passo cheio de vontade em mostrar sua música. Mesmo tendo condições de sobra para atingir um público bastante amplo, “Vazio” deve ser degustado principalmente por quem curte sonoridades mais alternativas e que expressem o lado mais obscuro da vida, pois os gaúchos se mostram competentes nisso. Aos interessados: dêem uma conferida no MySpace da banda.

Álgida – Vazio
(2008 / EP independente)

01. Flores do Mundo
02. Tiresia
03. Frio
04. Vazio
05. A Palavra

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Vazio - Álgida

685 acessosÁlgida: lento, depresivo, mórbido, mas sem ser chato

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Álgida"

HumorHumor
Como você chama alguém que sai com músicos? Baterista!

Filhos de RockstarsFilhos de Rockstars
Qualquer coincidência é mera semelhança

Guns N RosesGuns N' Roses
A verdadeira história de "Rocket Queen"

5000 acessosMais Alto!: A diferença entre headbangers e humanos comuns5000 acessosCapas de álbuns com ilusões de ótica5000 acessosEm 21/08/1989: Morre Raul Seixas, que seria encontrado morto no dia seguinte5000 acessosGuitarras Feias: O maior acervo da Internet é brasileiro5000 acessosMetal: em vídeo, o riff mais copiado de todos os tempos4031 acessosLemmy Kilmister: saiba o que fez toda a sua carreira valer a pena

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online