Álgida: lento, depresivo, mórbido, mas sem ser chato

Resenha - Vazio - Álgida

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Giorgio Moraes
Enviar Correções  


Eis aqui uma banda que faz seu som sem dar a mínima pros modismos atuais. Oriundos de Caxias do Sul, a Álgida apresenta o bom "Vazio", seu EP de estréia lançado em fins de 2008. Totalmente independente, o trabalho traz 5 composições próprias que se apóiam na sonoridade dos anos 80, especialmente no som produzido por bandas como Joy Division e Bauhaus. O resultado disso é um CD carregado de climas sonoros lentos, depressivos e mórbidos - mas sem jamais ser chato.

publicidade

"Flores Do Mundo" abre o EP com a guitarra de Diego Embarach servindo de cama pro vocal de Elias Hoffmann, pra bateria de Cristofer Andreoti, pro baixo de Anderson Aguzzoli e pro suave teclado de Andrius Wagner: "Tudo o que sabemos é que estamos aqui, que não há nenhum sentido e só temos um ao outro ao cair". Na sequência temos "Tiresia", com seu ritmo mais regular, seu vocal abusando dos campos dissonantes e sua letra intrincada: "Como uma criatura que beija a si mesmo na escuridão da noite, tocando seu corpo". Outro destaque é a faixa que dá nome ao EP - com uma melodia que dá a impressão de não casar com a voz, gerando uma estranha sensação de que está tudo desafinado. A mim pareceu a obra de uma mente em estado alterado de consciência.

publicidade

Pra amarrar tudo isso, a banda trabalha o conceito de que o vazio de nossa essência só pode ser preenchido pela música - elemento este que estaria intrinsecamente ligado a nossa existência. De fato, um interessante ponto de vista sobre o papel da arte no mundo.

O Ministério da Saúde Musical adverte: procure conhecer essa banda!

Para saber mais:
http://www.myspace.com/algidabanda

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesLars Ulrich
Jucando no camarim do Guns N' Roses

Hard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gêneroHard Rock
As 25 melhores músicas acústicas do gênero


Sobre Giorgio Moraes

Giorgio Moraes, 33 anos, é formado em Letras. Natural do Rio de Janeiro, ele reside a 20 anos em São Luis do Maranhão. Tem em seu currículo shows como Raimundos, Detonautas, Skank, e a histórica apresentação dos Stones em Copacabana, no ano de 2006. Escritor, atualmente divulga seu 1º Ebook de poesia.

Mais informações sobre Giorgio Moraes

Mais matérias de Giorgio Moraes no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin