Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemApós viralizar com anúncio, Harppia revela identidade do novo baixista

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemJimmy Page dá opinião sobre streaming e enaltece desconhecido herói dos músicos

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemChad Smith chama matéria sobre Taylor Hawkins de "sensacionalista e enganosa"


PRB

Van Canto: Heavy Metal sem guitarras é Heavy Metal?

Resenha - A Storm To Come - Van Canto

Por Ben Ami Scopinho
Em 13/11/07

Nota: 8

Putz, é cada coisa que aparece... O Van Canto se formou na Alemanha em 2006, e vem sendo alvo de muitos comentários entre o público e crítica pelo simples fato de ser um conjunto que não faz uso de guitarras, contrabaixo ou teclados. É somente uma bateria e cinco vocalistas, que se encarregam, com o complicado trabalho de suas vozes, de passarem ao ouvinte toda a instrumentação inerente de uma banda de Heavy Metal. E até já batizaram isso como "metal a capella", o que, convenhamos, é uma denominação que procede.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

E como esta ousadia toda acaba soando? Afinal, Heavy Metal sem eletricidade não é Heavy Metal. Ou é? Bom, neste ambiente de incertezas o Van Canto consegue ser criativo, muito intenso e, principalmente, pesado. Se fôssemos transferir a sonoridade de seu primeiro álbum, "A Storm To Come", para o Heavy Metal propriamente dito, ele se enquadraria tranqüilamente no Power Metal Melódico e Épico, com direito a todos os arranjos manjados que fizeram – e ainda fazem – história.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Mas, como tudo é construído em função das harmonias vocais, a coisa toda acaba se tornando imprevisível. Algo que é naturalmente curioso e que dá gosto de se observar é a maneira com que seus músicos resolvem alguns problemas ‘técnicos’ com uma habilidade notável. Os caras até inventaram (sim, inventaram!) o termo 'Rakkatakka', que é o som vocal que reproduz os riffs das guitarras, que se escuta no decorrer de praticamente todas as canções e das mais variadas formas.

Assim sendo, o Van Canto estreou com um disco muito interessante, com destaque para a pegajosa "The Mission"; ou os ótimos duetos entre a voz de Dennis e Inga em "Starlight" e "She´s Alive", esta última até mesmo com simulação de solos de guitarras. E para sanar as eventuais dúvidas de que são capazes de reproduzir o Heavy Metal com suas vozes, os alemães reformularam "Battery", do álbum "Master Of Puppets" (86), clássico de ninguém menos que o Metallica, com resultado bastante satisfatório. A versão nacional traz um clipe para "The Mission", que satisfaz a curiosidade em saber como funciona todo este aglomerado de vozes.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Entre o cômico e o curioso, e independente dos preconceitos e equívocos que possam surgir daí, "A Storm To Come" é uma tentativa bem sucedida de sair da mesmice ao fazer uso do instrumento mais primitivo e natural possível: a voz. Com certeza merece ser mais do que um mero item curioso que toda coleção geralmente possui.

... Sem falar nas possibilidades que este tal de 'Metal a Capella' pode proporcionar no futuro! Já pensaram o Therion ou o Haggard fazendo uso deste recurso em algumas de suas composições?!?

Formação:
Dennis Schunke - voz principal
Inga Scharf - voz principal
Stefan Schmidt - vocais baixos ‘rakkatakka’ e solos vocais de guitarra
Ross Thompson - vocais altos ‘rakkatakka’
Ingo Sterzinger - vocais ‘dandan’ baixos nos refrões
Dennis Strillinger - bateria

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Van Canto – A Storm To Come
(2006 / General Schallplatten - 2007 / Laser Company - nacional)

01. Stora Rövardansen
02. King
03. The Mission
04. Lifetime
05. Rain
06. She´s Alive
07. I Stand Alone
08. Starlight
09. Battery

Homepage: www.vancanto.de


Outras resenhas de A Storm To Come - Van Canto

Resenha - A Storm to Come - Van Canto

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Originalidade: 10 Bandas ou Projetos Inusitados

Angra: como fica "Carry On" nas vozes do Van Canto



Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.