Resenha - Dark Ages - Soulfly

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Dehò
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Max Cavalera sempre foi “O” cara. Pelo menos até o sacrilégio de deixar o Sepultura, após o excelente “Roots”. Não que ele tenha deixado de ser o tal do “O” cara, mas é possível dizer que só no fim de 2005, com seu quinto álbum do Soulfly, “Dark Ages”, é que ele voltou a achar o ponto exato para fazer aquele som que todos os seus fãs esperam ouvir.
782 acessosMax&Igor contra Sepultura: vídeo compara performances ao vivo5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Do início, nos contestados “Soulfly” e “Back to the Primitive”, a banda começou realmente a evoluir depois de “3” e, principalmente com “The Prophecy” (2004), quase uma prévia deste recente lançamento.

A comparação entre os dois últimos discos se faz necessária. “Dark Ages” tem muito do seu antecessor, mas de forma melhorada, bem mais direta, trabalhada e, claro, com a agressividade de Max e sua turma lá em cima. Por falar nos companheiros, o vocalista/guitarrista/líder tem no trio talentoso – Marc Rizzo (guitarra), Bobby Burns (baixo) e Joe Nunez (bateria) - um dos pilares que fez o Soulfly chegar aonde está hoje (mais precisamente no estúdio, gravando seu sexto álbum!).

O novo álbum mostra uma sucessão de faixas em que a peteca nunca cai. Tem de tudo: faixas à la Sepultura, como a bombástica “Babylon”, que já abre o álbum quebrando tudo. Baseada num riff simples, mas pesado e eficiente, e com uma guitarrinha sempre “brincando”, a faixa apresenta Max em grande forma quanto aos seus vocais (quem não reconhece quando ele abre a boca?). É como se o mineiro não sentisse os 38 anos que carrega sobre os ombros.

Falar de destaques em um álbum de 17 faixas e 74 minutos seria quase absurdo, até pela qualidade dos sons. Mas algumas se sobressaem, como “I and I”, um Thrashão nervoso, o bom trabalho de guitarras em “Arise Again” – não, nada a ver com a que deu nome ao álbum do Sepultura! – e as linhas de guitarra quase Death de “Corrosion Creeps”.

Claro que o brasileiro não deixa de soltar seus cachorros, como nos palavrões em português de “Molotov”, o que parece quase obrigatório em um CD de Max, apesar de já não ter nada de original. Diferente, desta vez, foram as participações de Paul Fillipenko e Billy Milano na faixa, ambos no vocal, dando um ar ainda mais hardcore.

Outra participação, especialíssima, mas que já veio do quarto álbum é a do ex-Megadeth David Ellefson na modernosa “Riotstarter” (e dá-lhe “Zumbi é o senhor das guerras”, de novo!)

Já “Frontlines” tem um riff rápido e mais, digamos, elaborado, perfeitos para bater cabeça, e muitas mudanças de tempo. Uma dos melhores do CD. Se alguns tinham estranhado o reggae de “Moses”, no “The Prophecy”, ele resolveu chamar o vocalista Nemanja "Coyote" Kojíc (da banda sérvia Eyesburn) para “Innerspirit” e não exagerou na dose, numa música que acabou tendo um clima muito legal, pesada, mas com um bom efeito dos instrumentos de sopro.

Por falar nos sérvios, o leste europeu foi uma grande influência de Max para “Dark Ages”, como se vê naquela tradicional faixa world music, para encerrar o disco. Simplesmente intitulada “Soulfly V”, tem mais de 10 minutos com aquilo que os fãs até devem ter se acostumado nos álbuns do primogênito Cavalera - violões, elementos eletrônicos e etc. Claro que os climas estão em muitas das faixas, mas desta vez Max dosou bem melhor suas viagens, que (sinceramente!) passam até despercebidas.

Vale destacar ainda a capa, grande trabalho assinado por Michael Whelan, que passa um pouco deste lado sombrio, da “Era Sombria”, e tem uma imagem bem agressiva.

Enfim, vale a pena ouvir o CD todo, realmente, para ver que o cara acertou a mão. E para sentir ainda um pouco da energia do Soulfly no palco (uma vez que o Sr. Cavalera insiste em não aparecer pelo Brasil) há duas bônus ao vivo: “The Prophecy”, do último álbum, e “Seek N’ Strike”, do “3”.

Por falar em música boa, se o Soulfly pegou no tranco, imagine o que vai sair da reunião com o irmão I(g)gor no Cavalera’s Conspiracy...

Formação:
Max Cavalera - Guitarra e vocal
Marc Rizzo - Guitarra
Joel Nunez - Bateria
Bobby Burns - Baixo

Track List:
"The Dark Ages" – 0:48
"Babylon" – 3:53
"I and I" – 3:15
"Carved Inside" – 3:35
"Arise Again" – 4:10
"Molotov" – 1:57
"Frontlines" – 4:34
"Innerspirit" – 5:15
"Corrosion Creeps" – 4:26
"Riotstarter" – 5:00
"Bleak" – 4:56
"(The) March" – 1:18
"Fuel the Hate" – 4:12
"Staystrong" – 8:13
"Soulfly V" – 10:50
Bônus
"Prophecy" (Live) – 3:27
"Seek 'n' Strike" (Live) – 4:14

Lançamento nacional - Rock Brigade/Laser Company

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Dark Ages - Soulfly

2130 acessosSoulfly: O bom e velho Thrash Metal de primeira5000 acessosResenha - Dark Ages - Soulfly

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Max&Igor contra SepulturaMax&Igor contra Sepultura
Vídeo compara performances ao vivo

2470 acessosSepultura: Jean Dolabella comenta sobre documentário da banda0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Sepultura"

SepulturaSepultura
Banda assiste ao tetra do Brasil em 1994

Andreas KisserAndreas Kisser
Não tenho por que não ouvir as bandas do Max

SepulturaSepultura
Andreas Kisser explica dificuldades para uma reunião

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Soulfly"0 acessosTodas as matérias sobre "Sepultura"

SlayerSlayer
Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Rock In RioRock In Rio
Por que ladrões agem menos no dia do Metal?

Thrash MetalThrash Metal
As 10 melhores baladas de bandas do gênero

5000 acessosGuns N' Roses: álcool, drogas e intrigas nos primórdios da banda5000 acessosDream Theater: os segredos do álbum Octavarium5000 acessosLemmy: sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazista4079 acessosGuitarras: As mais caras da história do rock5000 acessosQuietos: os membros calmos de grandes bandas de rock2317 acessosLed Zeppelin: Ouça a voz de Robert Plant isolada em clássico

Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online