Guitarras do Kiss: Parte 1 - As guitarras de Paul Stanley

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marco Pala
Enviar correções  |  Ver Acessos

Frequentemente, é de se observar que há muita gente interessada em matérias envolvendo instrumentos usados por músicos icônicos; este é um assunto que sempre desperta interesse, seja por parte de músicos, aspirantes ou simples admiradores. Eu, como fã do KISS e muito interessado em equipamento (principalmente guitarras), resolvi catalogar não exatamente todos os instrumentos usados pelo KISS ao longo de sua longeva carreira, mas listar os principais usados publicamente pelos seus integrantes (enquanto estiveram na banda), como aparições públicas, vídeos, turnês, etc. E nada melhor que começar com o frontman do grupo, o que não é tarefa fácil, pelo fato de ele nunca ter se prendido a um modelo específico por muito tempo.

Poeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parteMegadeth: os melhores álbuns da banda segundo o About.com

PAUL STANLEY (1972-presente)

PRIMEIROS SHOWS (1973)

Nas primeiras fotos que se tem do KISS, ainda em sua fase embrionária, quando eram um trio (sem Ace Frehley), vemos Paul com uma guitarra custom feita por um luthier chamado Charlie LoBue, dono de uma loja chamada Lab Guitar. Esta guitarra, inspirada em uma Les Paul DC (duplo corte), tinha pickups DiMarzio (Larry DiMarzio e Bill Lawrence forneciam captadores para LoBue) e foi roubada durante as gravações do primeiro álbum do KISS. Neste período, Paul usou uma Gibson Les Paul Custom preta, feita provavelmente em 1955 (por conta dos pickups single coil, lembrando que na época a Gibson ainda não fabricava reedições), que foi usada nas gravações do primeiro disco.

KISS (1974)

A principal guitarra desta fase é outra Charlie LoBue, feita com base numa Flying V (com a parte superior do corpo menor que a inferior), a pedido do próprio Paul. Ele gostou muito da guitarra, a ponto de deixar sua Les Paul Custom preta na reserva (ela seria vendida logo depois). Uma terceira guitarra que podemos ver neste período é uma réplica da Gibson Flying V (branca e com estrelas nas marcações da escala). Não há um consenso sobre a marca desta guitarra (que não é Gibson é certeza), provavelmente uma cópia japonesa. Para o azar de Paul, a LoBue V foi roubada em Los Angeles, durante as gravações de Hotter Than Hell.

HOTTER THAN HELL (1974/1975)

A fase Hotter Than Hell marca o início da "fase Gibson". A principal guitarra deste período foi uma Gibson Firebird I 1965 sunburst (a mesma que apareceria depois na capa do disco Alive, pintada de preto). Como segunda guitarra, eventualmente foi usada uma Ampeg / Dan Armstrong Lucy (de acrílico), provavelmente vendida depois deste período. No final da turnê, Paul ganhou a primeira guitarra pela parceria da Gibson com o KISS: uma L6S Midnight Special branca.

DRESSED TO KILL (1975)

A principal desta fase continua sendo a Firebird '65 (que foi pintada de preto), mas a L6S Midnight Special passou a ser usada com muita freqüência, principalmente porque Paul fazia propaganda do modelo.

ALIVE! (1975/1976)

Para os vídeos promocionais ("C'mon And Love Me" e "Rock N Roll All Nite"), a Firebird '65 foi usada, mas para a turnê, a principal guitarra passou a ser uma Gibson Flying V preta (que, depois de alguns shows, ganhou um pickup DiMarzio na ponte, e teve o pickup do braço retirado). Eventualmente, Paul usou uma Gibson Les Paul Custom preta (feita especialmente para ele, com um pickup DiMarzio creme na posição da ponte), uma Epiphone Coronet branca (também usada por Ace), uma segunda Firebird I preta, com pickup DiMarzio, esta feita sob encomenda pela Gibson (depois que a primeira Firebird quebrou), além de uma Ibanez Destroyer 1976 feita em madeira korina (cópia da Gibson Explorer 1958), que depois ele acabou dando de presente para Ace Frehley. Nesta turnê, Paul começou com o ritual de quebrar guitarras no fim dos shows, e para isso passou a destruir um arsenal de guitarras baratas entregues pela Gibson (Marauder ou S1), todas com braço aparafusado ("bolt-on"). Para a turnê pela Europa, em 1976, a Flying V preta ganhou um escudo espelhado, visual que ficaria eternizado pela fase seguinte.

DESTROYER (1976)

Nesta fase, as Gibson Flying V reinaram absolutas. Além de sua #1 preta (escudo espelhado), Paul recebeu da Gibson outras duas Flying V idênticas, que ficaram na reserva. Paul também já havia começado sua coleção de instrumentos vintage e usou uma Gibson EDS-1275 1965 sunburst (doubleneck) sunburst no especial de Halloween de Paul Lynde. Para quebrar no fim dos shows, Gibson Marauder ou S1.

Paul com sua Flying V Rhynestone
Paul com sua Flying V Rhynestone

ROCK AND ROLL OVER (1976/1977)

A sua Flying V #1 continua como principal instrumento, ganhando um novo acabamento (chamado de "rhinestone", ou seja, pequenas pedrinhas de cristal coladas ao corpo). As duas outras Flying V pretas ficaram na retaguarda. De novidade, uma Gibson Explorer branca (que ele comprou numa loja Manny's, em New York), que foi muito usada na turnê e nos vídeos tirados do programa de TV de Don Kirshner, que acabaram virando "clipes" da banda ("I Want You" e "Love Em Live Em" - em "Hard Luck Woman", Paul e Ace dividem a Gibson Doubleneck vintage de Paul). Em algumas apresentações, Paul usou uma segunda Gibson EDS-1275 Doubleneck (preta), de linha (geralmente para ser usada com capotraste no braço superior, que, apesar das 12 tarraxas, ficava com somente 6 cordas). Para quebrar, Gibson Marauder ou Gibson S1. Nos shows feitos no Japão em 1977, Paul usou guitarras Greco: uma Flying V branca (que depois foi lançada no Japão com o nome de PS-800) e uma Greco MR-1000, além de sua Gibson V #1 (rhynestone), que depois foi roubada.

LOVE GUN / ALIVE II (1977/1978)

A partir da turnê de Love Gun, Paul passou a usar seu primeiro modelo exclusivo, e talvez a sua guitarra mais icônica: a Ibanez PS-10 (Paul não criou o shape da guitarra; usou como base um modelo chamado Ibanez Artist 2667, conhecido nos EUA como Iceman, então fora de catálogo). Os modelos usados em 1977 (sempre pretos) eram protótipos (o modelo de linha, também usado por Paul, passou a ser feito em 1978, quando a banda já divulgava Alive II). Além das Ibanez, Paul ainda usou uma das Gibson Flying V reservas da fase Destroyer e a Gibson EDS-1275 preta. Para quebrar, Gibson Marauder ou Gibson S1.

DYNASTY (1979)

Paul continuou com suas Ibanez PS-10 pretas, mas a principal guitarra foi uma PS-10 de 1978, que o criador do modelo Iceman, Jeff Hasselberg, customizou pessoalmente, colando um espelho quebrado sobre o corpo da guitarra (acabamento chamado de "cracked mirror", que viria a se tornar uma marca registrada de Paul Stanley). Em alguns shows, Paul usou uma rara Gibson Explorer E/2 1979, com tampo espelhado. Nos últimos shows da turnê (aproveitando o fim do contrato com a Ibanez), Paul passou a usar uma Hamer Standard Custom preta (tipo Explorer) feita sob suas especificações. Para quebrar, Gibson Marauder ou S1.

UNMASKED (1980)

No primeiro show, Paul ainda usou uma Ibanez PS-10 preta, mas suas principais guitarras foram feitas pela Hamer (com captadores EMG, que passam a substituir em todas as suas guitarras de show os DiMarzio usados até então). A Hamer Standard Custom usada no ano anterior fica como guitarra reserva, e outra Standard Custom (com escudo espelhado) passou a ser a titular. Em algumas músicas, era usada uma Hamer Vector Custom vinho (tipo Flying V). Paul também usou uma Hamer Doubleneck Custom (nada mais que uma versão da Hamer Special com dois braços), além das Gibson Marauder ou S1 para quebrar. Nas aparições em programas de TV, Paul usou uma guitarra em formato de estrela, feita pelo luthier Steve Carr (que era o responsável pela manutenção das guitarras do KISS, e que também fez instrumentos para Gene e Ace).

MUSIC FROM THE ELDER (1981)

Nesta fase, não houve turnê, apenas apresentações em programas de TV. As principais guitarras deste período foram modelos Steve Carr: uma novíssima Flying V branca e a "Star Shape" (estrela). Na única apresentação ao vivo desse período, feita no programa "Friday's", da ABC, Paul usou a Hamer Standard Custom #2.

CREATURES OF THE NIGHT (1982/1983)

A principal guitarra dessa fase foi a lendária B. C. Rich Eagle 1982, com pintura imitando pele de leopardo (apelidada de "leopard"). Ela também aparece no primeiro vídeo feito pelo KISS para a MTV ("I Love It Loud"). Na turnê, Paul se dividiu entre 3 guitarras principais: a Leopard, a Hamer Standard Custom #1 (agora com pintura imitando pele de tigre), e a Steve Carr Flying V (pintada de zebra). Em alguns shows, Paul usou uma B. C. Rich Mockingbird de sua coleção (que Vinnie Vincent também usou) e a Hamer Doubleneck. Para quebrar, além das Gibson Marauder e S1, Paul também passou a usar outros instrumentos baratos (bolt-on) entregues pela Gibson lançados na época, como Invader, Challenger e Sonex 180.

LICK IT UP (1983/1984)

O setup da fase Lick It Up continuou basicamente o mesmo da turnê anterior: B. C. Rich leopard, Hamer tiger e Steve Carr zebra. Eventualmente, Paul usou outras guitarras da B. C. Rich (uma Warlock com pintura de zebra, a Mockingbird preta e uma Ironbird vermelha), além da Hamer Doubleneck. E para quebrar, as mesmas Gibson baratas de sempre: Marauder, S1, Invader, Challenger ou Sonex.

ANIMALIZE (1984/1985)

Nesta fase, a B. C. Rich Eagle leopard foi a titular, mas Paul ganhou também uma segunda Eagle leopard, usada com capotraste. Para a música "Heavens On Fire" (afinada em G aberto), Paul usava uma Hamer Scarab Custom (também usada no clip). Em alguns shows (incluindo o de Detroit, lançado em VHS como "Animalize Uncensored"), Paul usou uma B. C. Rich Warlock cracked mirror, feita sob encomenda, usada em seu número solo. Para quebrar, Paul passou a usar guitarras com braço aparafusado entregues pela B. C. Rich.

ASYLUM (1985/1986)

Paul se torna endorser da B. C. Rich, e sua Eagle leopard #1 ganha novo acabamento (pintada de preto com listras coloridas), continuando como titular. Na turnê, aparece também outra Eagle com acabamento idêntico, mas com braço aparafusado ao corpo. Paul eventualmente também usou a Warlock cracked mirror, a Mockingbird preta, a Ironbird vermelha, além de instrumentos bolt-on da B. C. Rich para quebrar no fim do show.

CRAZY NIGHTS (1987/1988)

As principais guitarras dessa fase são B. C. Rich ST-III (ou Gunslinger), tipo Strato: uma com a bandeira dos EUA estampada no corpo ("flame"), uma cinza/esverdeada, com um adesivo "137" no corpo, e outras duas (uma vermelha e outra multicolorida). Paul as deixava apenas com um pickup EMG 81 na ponte, retirando os demais. A Eagle leopard #2 voltou a ser usada (agora com apenas um pickup e com headstock pintado com a logomarca moderna da B. C. Rich, substituindo o tradicional "R"). Em alguns shows, Paul usou uma B. C. Rich Doubleneck Custom. Para quebrar, B. C. Richs bolt-on de linha. Nos festivais pela Europa (com sets reduzidos), Paul usou somente duas (contestáveis) guitarras Steinberger GL.

HOT IN THE SHADE (1990)

Para essa nova fase, Paul passou a mesclar instrumentos vintage com modernos, já que o conceito, tanto do álbum quanto da turnê, seria revisitar o passado. Nos vídeos de "I Hide Your Heart" e "Rise To It", ele aparece com guitarras "artchtop" Gretsch Tennessean, e no vídeo de "Forever", com um violão Guild. Na turnê, Paul usou pelo menos duas Gibson Les Paul baseadas em modelos dos anos 50 (Standard 1959 e Goldtop 1957). Para tocar "Forever", ele recorria a alguns violões Gibson Chet Atkins (de 12 ou 6 cordas). Mesmo assim, as B. C. Rich Gunslinger ("flame" e "137") continuaram no setup, além da B. C. Rich Doubleneck. Para quebrar, Paul usou instrumentos bolt-on da B. C. Rich.

REVENGE (1992/1995)

Em 1992, Paul renovou seu contrato com a Ibanez, voltando a usar suas lendárias Ibanez PS-10. Paul usou várias peças pretas (algumas de linha da 1ª safra - de 1978/79 - outras da nova edição, além da PS-10 LTD, uma série lançada em 1992). A PS-10 "cracked mirror" original de 1979 também voltou a ser usada. Em "Forever", continuou a usar os violões Gibson Chet Atkins. Nos primeiros shows da turnê, a B. C. Rich Eagle leopard #2 também voltou em cena, agora pintada de preto e com apenas 1 pickup. No vídeo de "Domino", Paul usou um modelo custom da Ibanez, inspirado numa Les Paul sunburst, mas com contornos diferentes. Essa guitarra foi usada em apenas um show, realizado no Concrete Fundations Forum, em 1993. Para quebrar, modelos bolt-on Ibanez Iceman (IC-200 ou IC-300) ou do tipo Strato (RG).

REUNION TOUR (1996/1997)

Na volta do velho KISS maquiado, Paul usou exclusivamente as Ibanez PS-10. O contrato com a empresa foi renovado em 1996, e Paul usou como guitarra principal uma PS-10 "rhinestone" (nova), além de várias peças pretas de diferentes fases (78, 79 e 92), modelos novos de 1996, e as PS-10 LTD (1992) e PS-10 LTD-II (lançada em 1996). Em alguns shows, a "cracked mirror" de 1979 foi usada. Em de 1997, Paul passou a usar também (como na música "Strutter") uma Gibson Flying V Custom Shop, réplica de sua V #1 da fase Destroyer. Para quebrar, modelos Ibanez IC-200 e 300.

PSYCHO CIRCUS-FAREWELL (1998/2002)

Para estas fases, Paul passou a usar exclusivamente instrumentos da Washburn, lançando um bem sucedido modelo exclusivo (projetado por ele), a PS-2000, que vinha com pickups Seymour Duncan (JB na ponte e 59 no braço). Paul usou diversos modelos pretos, além de sunburst, cracked mirror e rhinestone. Para quebrar, as Washburn PS-100 (mais simples, bolt-on).

SYMPHONY-ROCK THE NATION (2003-2005)

Terminado o contrato com a Washburn, Paul passou a ser endorser com a Silvertone, criando dois modelos: Sovereign e Apocalypse. Durante as turnês desse período, foram várias peças dos dois modelos, todas pretas, rhinestone ou cracked mirror. Em algumas ocasiões, usou uma Sovereign com ponte Floyd Rose e outra Doubleneck. Modelos bolt-on mais simples (Sovereign e Apocalypse) foram usados para quebrar no fim do show.

HIT N' RUN / ALIVE 35 TOURS (2006-2008)

Em 2006, Paul voltou para a Washburn, estreando um novo modelo exclusivo: a PS-800 (com os acabamentos de sempre). Este modelo foi o principal, mesmo com Paul usando algumas PS-2000 (sua guitarra favorita por muito tempo). Para quebrar, Paul usou versões mais simples e bolt-on da PS-800 (PS-80 e PS-400).

SONIC BOOM (2009-2011)

Nesta fase, Paul investiu em um novo modelo Washburn, baseados na Flying V da época de Destoyer (pretas, escudo espelhado), com apenas 1 pickup (Seymour Duncan JB), da série PSV-2000. Em 2010, a série foi ampliada com as PSV-2002 (pretas, rhinestone e cracked mirror), com ou sem escudo, e com 1 ou 2 pickups Seymour Duncan. Modelos idênticos, mas bolt-on, eram usados para quebrar.

MONSTER (2012-2014)

Para divulgação do álbum Monster, Paul criou novo modelo, dessa vez baseado na Gibson Firebird. As novas Washburn Starfire vinham com diversas cores e tipos de acabamento, com pickups Seymour Duncan Custom 5 (ponte) e 59 (braço), ou com Mini Humbuckers. Em 2013, além das Starfire de série, Paul passou a usar também uma versão "custom" chamada de Time Traveler, com acabamentos em cores pastel. Para quebrar, modelos bolt-on Starfire. Com o fim do contrato com a Washburn, em 2014, mas com a turnê ainda em andamento, Paul voltou a usar uma de suas Ibanez PS-10 pretas, da safra de 1996.

40TH ANNIVERSARY TOUR (2015-presente)

Para a sequência da turnê de Monster, mas agora comemorando (em atraso) as quatro décadas de existência do KISS, Paul assinou pela quarta vez um contrato com a Ibanez, reativando o modelo PS-10 e colocando mais três séries no mercado: PS-10CM (a "cracked mirror" em uma série própria), a PS-120 (com hardware mais simples) e a PS-40 (acabamento simples, captadores genéricos e braço aparafusado). Paul usou todas elas, com a PS-40 para quebrar. No KissKruise 2015 (cruzeiro marítimo onde a banda e outros convidados fazem diversos shows), além das Ibanez, Paul usou duas Gibson Flying V feitas especialmente para a ocasião, baseadas na sua antiga #1: uma lembrando a fase Alive (com escudo branco e 2 pickups) e outra a fase Destroyer (escudo espelhado e 1 pickup). Ambas foram vendidas em meet-greets pela pechincha de US$ 25 mil. Para o cruzeiro previsto para novembro de 2016, Paul usará também algumas réplicas de sua B. C. Rich Eagle leopard, que serão depois vendidas (as Eagles originais dos anos 80 foram leiloadas no ano 2000).


As Guitarras do Kiss

Guitarras do Kiss: Parte 2 - Os baixos de Gene Simmons

Guitarras do Kiss: Parte 3 - As guitarras de Ace Frehley

Guitarras do Kiss: Parte 4 - As guitarras de Vinnie Vincent e Mark St. John

Guitarras do Kiss: Parte 5 - As guitarras de Bruce KulickGuitarras do Kiss
Parte 5 - As guitarras de Bruce Kulick

Guitarras do Kiss: Parte 6 - As guitarras de Tommy Thayer

Todas as matérias sobre "As Guitarras do Kiss"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "As Guitarras do Kiss"Todas as matérias sobre "Kiss"Todas as matérias sobre "Paul Stanley"


Bobbie Brown: estrela descreve Paul Stanley como bizarroBobbie Brown
Estrela descreve Paul Stanley como "bizarro"

Faith No More: Achei que o rock estivesse morto desde 1981Faith No More
"Achei que o rock estivesse morto desde 1981"


Poeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer partePoeira
Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parte

Megadeth: os melhores álbuns da banda segundo o About.comMegadeth
Os melhores álbuns da banda segundo o About.com


Sobre Marco Pala

Marco Pala, nascido em 1975 na cidade de Monte Alto-SP, é advogado, guitarrista da banda Roy Corroy nas horas vagas e um apreciador do bom e velho rock and roll desde a mais tenra idade.

Mais matérias de Marco Pala no Whiplash.Net.

adGooILQ