Beatles: 45 anos de "Sgt. Peppers Lonely Hears Club Band"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Eduardo Schereder
Enviar correções  |  Comentários  | 


843 acessosBeatles: a pior versão de "Don't Let Me Down" que você vai ouvir5000 acessosDonald Trump: os roqueiros que apoiam o presidente eleito

Quarenta e cinco anos atrás. Talvez, nem seus pais eram nascidos nessa época, o que não faz diferença. Em 1967, a modernidade transbordava em forma de música em “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, oitavo álbum de estúdio dos BEATLES.

O que era para ser um álbum conceitual acabou virando um amálgama de sons e experimentações que ultrapassam qualquer narrativa linear. Se em “Revolver”, os rapazes de Liverpool haviam mostrado ao mundo que a psicodelia havia vindo para ficar, em “Pepper” eles redefiniam sua própria cria. É impossível não pensar nas inúmeras bandas que seguiram seus passos na experimentação, de Hendrix a Os Mutantes.

No disco, os efeitos servem à boa música, não o contrário. O engenheiro de som Geoff Emerick testou diversas modalidades de captação de som, George Martin alinhou os arranjos perfeitos, tornando a figura do produtor essencial em um bom disco de rock a partir de então. Além da abertura fora do comum, com Billy Shears nos sendo apresentado, temos em “Lucy in the Sky with Diamonds” a sonorização dos efeitos lisérgicos, em plena era do LSD (se era apenas um desenho de Julian Lennon, a mística permanece intacta). Em “Getting Better”, uma narrativa em tom irônico, em “She’s Leaving Home”, a beleza harmônica tão conhecida dos Beatles, em “Mr. Kite”, Lennon mostra todo o seu experimentalismo e, em “A Day in the Life”, a atmosfera surrealista que engloba o disco vem ainda mais à tona, trazendo diversas sensações (lembram do “lisérgico” mencionado?). Isso sem esquecer de George Harrison e sua transcendental "Within You Without You".

Falar em Beatles é chover no molhado. Que eles são geniais, isso todo o mundo sabe. Mas, reconhecidamente, foi aqui que eles fizeram jus à fama. “Sgt. Peppers” pode ser considerado o melhor disco de rock, mas não o melhor dos Beatles, para muitos. Uma contradição das melhores no mundo da música, mas perfeitamente explicável: é um álbum que representa muito mais a situação cultural de uma época, do que a música propriamente dita. E é isso que o diferencia de seu nobre concorrente (e, segundo McCartney, também inspirador), “Pet Sounds”, dos BEACH BOYS.

Se você não conhece ainda o “Sgt. Peppers”, não se faça de rogado. Vá atrás (principalmente da versão em mono, que vale a pena), escute e escute novamente. O resultado é o vício imediato, mas também certa frustração: dificilmente teremos algo assim nos próximos quarenta e cinco anos.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

John LennonJohn Lennon
"Ele não foi um bom pai", diz filho

843 acessosBeatles: a pior versão de "Don't Let Me Down" que você vai ouvir605 acessosBeatles: ouça versão alternativa da música "Sgt. Pepper's"2065 acessosPaul McCartney: "Sgt. Peppers foi um risco e sabíamos disso."694 acessosBeatles: Sgt. Peppers vai ganhar versão mega especial de 50 anos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Paul McCartneyPaul McCartney
Os Rolling Stones copiaram os Beatles?

Black SabbathBlack Sabbath
Butler comenta importância dos Beatles em sua vida

Q MagazineQ Magazine
As canções que mudaram o mundo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 03 de junho de 2012

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"

Donald TrumpDonald Trump
Os roqueiros que apoiam o presidente eleito

HuntressHuntress
Foto pelada após um caso brutal de infecção alimentar

ShamanShaman
Thiago Bianchi quebra taça de cristal com a voz

5000 acessosZodíaco True: Os perfis de cada signo em versão Headbanger5000 acessosDave Mustaine: Ellefson é o baixista, Kiko é o meu braço direito5000 acessosA História da Tatuagem: Forma de expressão artística há mais de 3.500 anos5000 acessosLed Zeppelin: Jimmy Page diz que é irritante ouvir MP3 da banda2412 acessosAngra: veja Rafael Bittencourt "ensinando" Bruno Valverde a tocar bateria5000 acessosHeavy Metal: as 10 capas mais "de macho" de todos os tempos

Sobre Eduardo Schereder

Eduardo Schereder, 23 anos, cursa o último ano de Publicidade e Propaganda, e é profissional da área de marketing. Apreciador da boa música, independente da época, crê que um dia os BEATLES lançarão um novo álbum, embora reconheça que é difícil. Também é fã de BEACH BOYS, METALLICA e outras bandas tão díspares quanto.

Mais matérias de Eduardo Schereder no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online