Cortina de Ferro

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Revival Music, Fonte: Last.fm
Enviar correções  |  Comentários  | 

Se competência e criatividade musical influenciassem na longevidade da carreira de uma banda, o Brasil estaria infestiado de grandes nomes - ainda mais se tratando dos anos 80. E certamente a banda paulistana Cortina de Ferro estaria figurada entre elas. Mas devido a má infra-estrutura, quase nula divulgação na mídia e investimentos um tanto pobre - causaram que algumas bandas sentissem poucas vezes o sabor dos palcos durante o começo de carreira até terminarem as atividades. E é nesse sistema que a grande Cortina de Ferro se enquadra. Se enquadra também naquele tipo de banda que muda radicalmente seu estilo musical, assim como aconteceu com o Pantera, por exemplo.

5000 acessosGuitarras: algumas podem mudar a sua vida, outras não5000 acessosCourtney Love: ajudando a resolver os maiores mistérios do mundo

Formada no final dos anos 80 em São Paulo pelos irmãos Luiz Roberto (baixo e vocal) e Maria Lúcia Alves (teclados) que a vida da Cortina de Ferro começa. Posteriormente contando André Luiz (guitarra) e Marco Oshiro (bateria) o grupo consegue um contrato com a lendaria gravadora Baratos Afins e no ano de 1993 gravam seu primeiro e único álbum - o fabuloso “Temple of the Darkness”. Apesar de contar com uma produção precaria e pouca divulgação, o disco soa poderoso e eficiente até os dias de hoje. Sem falar da arte da capa, que chama a atenção logo de cara e talvez seja uma das mais bonitas capas de bandas nacionais em todos os tempos.

Em uma época em que o senario da música pesada do Brasil vivia do Thrash Metal e bandas como Sepultura dominava as mentes dos headbangers tupiniquins, a Cortina de Ferro corria contra as águas e apostava em um som influenciado pelo Heavy Metal tradicional com guitarras técnicas, melodias cativantes e teclados bem presente, que chegam até lembrar alguns trabalhos da banda solo do guitarrista suéco Yngwie Malmsteen. Som no qual se caracterizava o não tão comentado gênero Melodic Heavy Metal ou Power Metal aqui no Brasil na época.

“Temple of the Darkness” se fosse feito com todos os requintes e cuidados de um produtor renomado e lançado por uma gravadora com ampla visão do mercado internacional, talvez hoje não seria tachado como raro e provavelmente não faltaria na coleção de um fã de Metal Melódico.

O disco começa com a faixa “Into the Fire”, que tem uma introdução bem interessante e depois sai arrasando num Heavy Metal bem empolgante com uma melodia vocal emocionante mas sem deixar de ser agressivo. O álbum inteiro segue o mesmo pique e na faixa seis temos uma surpresa: um cover para “Breaking the Law”, originalmente gravada pela banda inglesa Judas Priest. Se não fosse pelos teclados, a versão seria um tanto fiel à original. O disco também dá espaço para o Hard Rock, como podemos conferir na faixa “The Mirrors Never Lies” e também encontramos essas nuances em outras músicas. Um disco de ótimo bom gosto!

Em 1994 a banda lança de forma independente o single “Agitated World” contando com apenas duas canções - a faixa titulo e uma nova versão para “Shadows” (música instrumental já estreada no Temple of the Darkness) que teve uma roupagem bem inesperada e um tanto revoltante. Pois foi aqui que a Corina de Ferro torceu o nariz dos fãs e começou a ter flertes com a música Eletrônica.

Após essa inusitada iniciativa, o grupo muda o nome para Cortina e agora de vez, cai de corpo e alma na música Eletrônica/Techno/Trance. Sob o nome Cortina e contando somente com os irmãos Luiz e Maria Alvez, a banda lança em 1996 o odiado “The Tribal Tech”.

Decididos na nova proposta, Cortina de Ferro e Cortina se tornam passado e os irmãos formam em 1998 o projeto X-Action, de mesma sonoridade do Cortina. A partir daí, é outra história.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Cortina de Ferro"

GuitarrasGuitarras
Algumas podem mudar a sua vida, outras não

Courtney LoveCourtney Love
Ajudando a resolver os maiores mistérios da humanidade

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1987

5000 acessosPlanet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarra5000 acessosDébil Metal: quando os fãs assustam os ídolos5000 acessosNirvana: Krist Novoselic comenta o suicídio de Cobain4245 acessosHeadbang: 10 formas de bater cabeça (para iniciantes)5000 acessosGaleria - Musas do rock/metal nacional (Blog Sutil Como Uma Granada)5000 acessosBeatles: como seriam as mensagens por celular entre eles?

Sobre Revival Music

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online