Extreme e Richie Kotzen: Noite única no Opinião de Porto Alegre

Resenha - Extreme e Richie Kotzen (Opinião, Porto Alegre, 16/06/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Karen Waleria
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
O EXTREME retornou ao Brasil, no corrente mês, para quatro apresentações, após um hiato de 23 anos. A última vez que a banda tocou em solo brasileiro foi no início da década de 90, mais precisamente em 1992, no saudoso Festival Holywood Rock.

A banda originária de Boston encerrou a perna brasileira da tour "Pornograffitti Live - 25th Anniversary" em Porto Alegre, na última terça-feira, dia 16 de junho. Tour em comemoração aos 25 anos do lançamento do segundo álbum da banda norte-americana, "Extreme II Pornograffitti" de 1990. Álbum este que tornou a banda conhecida mundialmente, que colocou o EXTREME no hall da fama e que contém dois dos seus maiores sucessos - "More Than Words" e "Hole Hearted".

E para tornar a noite única, o show contou com um convidado muito especial - o guitarrista, compositor e vocalista Richie Kotzen.
Os privilegiados que compareceram no Bar Opinião, casa noturna tradicional da capital gaúcha, assistiram dois shows memoráveis. Já que seria, na minha opinião, uma heresia considerar o show do trio formado por Kotzen, pelo baixista Dylan Wilson e pelo baterista Mike Bennett, um show de abertura.

Pontualmente às 20h30, Richie Kotzen, considerado um dos melhores guitarristas do mundo, que além de sua exitosa carreira solo, é conhecido também pelo seu trabalho junto ao POISON, MR.BIG e WINERY DOGS, iniciou sua apresentação.

Durante a performance que durou aproximadamente uma hora, o guitarrista, que tem um vocal ímpar, apresentou um setlist mais focado na sua carreira solo. Mesmo com um repertório curto e sem muita interação verbal com o público, o show de Richie Kotzen foi perfeito e envolvente. Interação verbal, quero frisar bem esse aspecto, por que a interação criada através da sua música contagiou, e envolveu todos os presentes. A boa música tem essa característica e fala por si só, criando uma total simbiose entre músicos e público.

A voz poderosa de Kotzen nem de longe lembra o músico que teve sérios problemas com a voz anos atrás, para alegria dos fãs que foram ao Opinião lhe prestigiar e para os novos fãs, que a performance digna de um "Bravo" com certeza criou.

Sua técnica, velocidade e precisão deixaram meio que boquiabertos os presentes que ficavam atentos a cada solo, a cada riff do músico que tem um estílo único que mescla rock, jazz fusion, soul e até R&B.

Outro ponto positivo da apresentação era o visível entrosamento entre os músicos. Dava para sentir o prazer que eles possuem em tocar juntos, e isso se refletia na sua música e o público presente agradecia... O Bar Opinião transformou-se numa grande festa. Os músicos terminam seu show e são ovacionados.

O público nesse momento já lotava o andar inferior do Bar Opinião.
Rapidamente é montado o palco para a atração principal da noite.

Finalmente os gaúchos iriam assistir ao vivo o quarteto formado por Gary Cherone (voz), Nuno Bettencourt (guitarra, teclado), Pat Badger (baixo) e Kevin Figueiredo (bateria). A banda inicia sua performance com a agitada faixa "Decadence Dance", primeira faixa do aclamado álbum lançado em 1990, que é executado integralmente. Inclusive a ordem das músicas do disco foi observada.

A primeira hora do show é voltada à execução das 13 faixas do disco.
Vendo a banda em ação percebe-se que a energia dos integrantes não diminuiu com o passar dos anos. Música boa é atemporal.

Um dos destaques do show é a performance do carismático Cherone. O músico que parece ter bebido da fonte da juventude, corre de um lado para outro do palco durante todo o show com uma vitalidade invejável. Fazendo malabarismos com o pedestal, poses no maior estilo pop star, mas principalmente, cantando muito bem. Mostrando-se um vocalista completo e eclético, assim como a banda que capitaneia juntamente com Nuno.

E alguém pode estar se perguntando... E o público? E eu respondo -Totalmente extasiado cantando junto as músicas, pulando, aplaudindo exaustivamente cada música executada.

Os músicos agradeceram inúmeras vezes, durante o show, o carinho recebido dos fãs.

Eis que Nuno pega um violão e se senta próximo a Cherone. É chegado o momento de tocar a quinta faixa do "Pornograffitti". Ouvem-se os primeiros acordes da tão esperada “More Than Words”, e o público fica totalmente ensandecido. Todos vibram e cantam junto com a dupla o maior hit da banda. Os presentes cantaram toda a música em uníssono e não somente o refrão, deixando visivelmente os músicos surpresos.

O talentosíssimo músico português, Nuno Bettencourt, deu um show a parte com sua técnica apuradíssima, velocidade e potência. Inúmeras vezes interagiu com o público misturando inglês e português, de Portugal. O músico também mostrou seus dotes ao teclado. Em tempo, o guitarrista, tecladista e também compositor da banda também parece não envelhecer, assim como Cherone.

Depois de tocar o aclamado álbum a banda dá uma parada, voltando na sequência para o bis, incluindo no repertório faixas como "Take us Alive" e "Rest in Peace" entre outras.

Com mais de duas horas de duração, infelizmente o show termina.
A banda mostrou, para os que não ainda não sabiam, que não é uma banda de uma música só e por que vendeu mais de 10 milhões de álbuns ao redor do mundo.

O EXTREME é uma banda coesa que conta com exímios músicos. Além de Cherone e Nuno tem o grave sólido produzido por Pat Badger e a batida firme, marcante de Kevin Figueiredo.

O estilo da banda tão discutido na época de sua formação vagueia entre o rock clássico, música alternativa, hard rock... Sei lá como categorizar exatamente o som que a banda produz, e precisa?

A banda assim como a platéia parecem não querer que a noite termine.

Esperamos que a banda não demore mais 23 anos para voltar ao Brasil. Assim prometeram antes de despedirem-se. Os dois shows da noite totalizaram mais de três horas e poucas são as pessoas que fazem menção de ir embora. Poucas vezes ví uma plateia assim.

Obrigada Richie Kotzen e banda, obrigada EXTREME!

A Abstratti, produtora responsável pelo evento na capital gaúcha, está de parabéns pela organização.

Veja todas as fotos do show, neste link.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Extreme
A surpreendente apresentação no show-tributo a Freddie Mercury

Todas as matérias e notícias sobre "Extreme"

Extreme
Éramos muito chatos, diz Gary Cherone

Nuno Bettencourt
Rihanna canta muito, mas ele não quer mais tocar com ela

O amor
10 músicas para roqueiros apaixonados

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 20 de junho de 2015

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Extreme"Todas as matérias sobre "Richie Kotzen"

Em 05/01/1974
Pink Floyd tenta fazer um álbum sem instrumentos

Thrash Metal
Dicas de dez ótimas bandas underground

Black Sabbath
Rob Halford conta como foi substituir Ozzy

Linkin Park: um exemplo mostra que é a banda mais foda do mundoFotos clássicas: Axl Rose e seu 'tijolão' celularEm 16/08/1938: Morre Robert Johnson, cantor e guitarrista de bluesMetallica: Lars queria ser Dave Lombardo, mas se contentou em ser Phil RuddMetallica: nove fotos de Lars Ulrich beijando colegas de bandaEleição nos EUA: as primeiras reações da comunidade musical à vitória de Trump

Sobre Karen Waleria

Blogueira gaúcha. Estudou letras. Ecleticidade musical é seu ponto forte; com uma tendência ao Rock e Metal. Já foi colaboradora em grandes sites de Rock e Heavy Metal, trabalha com divulgação de bandas e eventos. Responsável pelo blog www.karenwaleria.blogspot.com.br. Siga no Twitter @Rocksblog.

Mais informações sobre Karen Waleria

Mais matérias de Karen Waleria no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online