Bruto: Nome totalmente condizente à proposta musical

Resenha - Mundo Destruído - Bruto

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Opa, barulheira da boa! Em 2004, o pessoal de Gama (DF) teve as manhas em batizar sua banda com um nome totalmente condizente à proposta musical. O Bruto já tinha liberado em 2006 a “Fita Demo” e começou a marcar presença em festivais como Tattoo Rock Fest 2011 (GO), Bananada (GO), Porão Do Rock 2006/2011 (DF), ForCaos 2007/2010 (CE), entre vários outros, e tocando ao lado de nomes como Krisiun, Torture Squade, Matanza e Ratos de Porão.
Bon Jovi: freira italiana arrebenta em "Livin' On A Prayer"Capas: confira 10 das mais belas do Rock/Metal Nacional

O tempo passou e agora o Bruto está estreando com o independente “Mundo Destruído”. E, sim, os brasilienses adotaram a língua portuguesa, e com tal agressividade que persiste alguma dificuldade para sua devida compreensão em meio a tanto inconformismo. Mas isso não é problema, principalmente se levarmos em conta que esta característica é comum no Heavy Metal extremo, aqui mesclando o Death, Thrash e Hardcore, com características lá do final dos anos 1980 e da década seguinte.

O resultado é espetacular, com variações de ritmos – os grooves estão matadores! – e melodias bem encaixadas, tudo recheado de arranjos simples, mas que primam por uma energia primitiva que tem tudo para conquistar o headbanger que aprecia o estilo. Ainda que a própria faixa que batize o disco seja o grande destaque, o repertório se saiu bem linear ao longo dos cerca de 30 minutos de audição, e, mesmo com a bateria meio abafada e com um timbre que poderia ser mais bem escolhido, o resultado convence.

O álbum traz como bônus um vídeo para a própria “Mundo Destruído” (a presença dos jornais impressos ao chão foi uma boa sacada para ilustrar tanta desgraceira!), e também merece destaque a imagem que ilustra a capa do CD, cujo personagem está propenso a se tornar a mascote da banda. O Bruto está de parabéns pelo trabalho e merece uma cuidadosa conferida, pois funciona muito bem!

Contato: www.myspace.com/brutodf

Formação:
Kbça - voz
Rodrigo - guitarra
Leo - guitarra
Henrique - baixo
Sávio Américo - bateria

Bruto – Mundo Destruído
(2011 / independente – nacional)

01. Intro
02. Mundo Destruído
03. Igrejas
04. Paraíso Quitado
05. Vai se Fuder
06. Obscuro
07. Porrada
08. Ilustração
09. Cidade Adormecida
10. PQP Que Porra é Essa!
11. Brutality (faixa bônus)

+ Mundo Destruído (vídeo oficial)

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Mundo Destruído - Bruto

Bruto: Som da banda faz jus a seu nomeBruto: Thrash com veia Rock And Roll cantado em português

Todas as matérias e notícias sobre "Bruto"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bruto"

Bon Jovi
Freira italiana arrebenta em "Livin' On A Prayer"

Capas
Confira 10 das mais belas do Rock/Metal Nacional

Raimundos
Uma indireta de Rodolfo a Digão e Canisso?

Iron Maiden: o verdadeiro poder da música da donzelaMetallica: o insistente uso do "Yeah!" por James HetfieldJames Hetfield: "fico deprimido quando não pego a guitarra"Inovação: conheça primeira guitarra feita inteiramente de titânioSerguei: "não conheci Axl Rose porque eu estava cansado"Heavy Metal: 10 ótimas novas bandas para atualizar o ouvido

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online