Bruto: Thrash com veia Rock And Roll cantado em português

Resenha - Mundo Destruído - Bruto

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A banda distrital Bruto, oriunda de Gama/DF, é formada por Kbça (vocal), Savio (bateria), Rodrigo Silva e Leo Silva (guitarras) e Henrique (baixo). A banda surgiu em 2004 e lançou uma demo intitulada “Fita” em 2006 e em janeiro de 2011 colocou na roda seu primeiro álbum, este “Mundo Destruído”.
5000 acessosHeaven & Hell: mistérios e autocensura na capa de álbum5000 acessosMetal: Gibson.com enumera 50 melhores músicas do gênero

O estilo proposto é o Thrash Metal cantado em português. A banda não vive na cola de grupos retro e alia certo teor de modernidade em seu som, além de possuir uma veia Rock And Roll em suas composições.

As letras possuem temas comum no estilo, ou seja, sociais, políticos e anti religião, que sempre são bem vindos, principalmente quando a sonoridade que os acompanha destila ódio e violência (no bom sentido, é claro). Ouça a faixa título e já tenha um prévia do que virá no restante do trabalho.

Igrejas é meu primeiro destaque, pois possui um belo instrumental, com início quebrado e cadenciado para depois descambar para uma bela rifferama e um refrão ‘desabafador’. O solo também ficou muito interessante e bem encaixado. Vai Se Fuder é brutal, com peso extra e mais uma vez mostra desenvoltura nas guitarras, além de uma cozinha rápida e coesa.

Enfim, são 10 faixas mais dois bônus onde a banda equilibra bem a qualidade de suas composições, mostrando que entendem do assunto. Um dos bônus é um vídeo clipe para a faixa título, que ficou simples, mas muito bem elaborado e produzido, ponto pros caras! A capa do trabalho (a cargo de Diego Mascardini), onde mostra um homem um tanto quanto canastrão pilotando um trator destruidor também ficou bem interessante.

A ressalva fica por conta da produção que soa muito abafada para um álbum oficial e oscila algumas vezes, dando ar de que estamos ouvindo uma demo. Porém não é nada que não permita uma boa audição e não possa ser consertada num próximo trabalho.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Mundo Destruído - Bruto

348 acessosBruto: Som da banda faz jus a seu nome557 acessosBruto: Nome totalmente condizente à proposta musical

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Bruto"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Bruto"

Heaven & HellHeaven & Hell
Mistérios e autocensura na capa de álbum

MetalMetal
Gibson.com enumera 50 melhores músicas do gênero

Rock StarsRock Stars
Como se pareceriam alguns se não tivessem morrido

5000 acessosRatos de Porão x Iron Maiden: resposta de Jão à entrevista de Bruce Dickinson5000 acessosPaixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicos5000 acessosHeavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregos5000 acessosKiss: o Brasil acreditava que a banda matava pintinhos nos shows5000 acessosStryper: Tom Araya fala sobre demônio, sai do palco e vai rezar5000 acessosSepultura: as dez canções mais subestimadas da banda

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online