Avantasia: causando ira em uns, e admiração em outros

Resenha - Angel Of Babylon - Avantasia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Júlio André Gutheil
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Pois bem, agora temos o “Angel of Babylon”, a derradeira parte da “The Wicked Trilogy”. Como já tinha dito na outra resenha, admiro demais a coragem e a ousadia de Sammet, que fez um trabalho belíssimo sem se prender ao seu passado, causando ira em uns, e admiração em outros.
Vocalistas: dez deles que soam iguais a lendas do rock e metalChinese Democracy: Talaricagem, galinheiros e megalomania

Esse disco me confirmou algo que já observara: Tobias é um sujeito hiper-ativo e com a cabeça fervilhante de idéias. Nos seus últimos trabalhos, tanto Edguy quanto o próprio Avantasia, ele ampliou enormemente sua gama de influências, dando um sopro novo para suas composições, deixando mais de lado aquilo que o consagrou (Isso não é uma crítica, já que qualquer um acabaria enjoado de fazer o mesmo álbum sem parar). E por sair da mesmice, por desbravar novos campos, que ele é crucificado a cada novo lançamento.

‘Stargazers’ é uma peça de 9 minutos que nos proporciona embates épicos entre simplesmente Jorn Lande, Michael Kiske, Russel Allen e Oliver Hartmann. A música em si pode te soar um tanto confusa, mas esse cast de vocalistas compensa qualquer coisa, em uma das interpretações coletivas mais incríveis que já ouvi. A faixa-título tem um refrão do selo qualidade Sammet, que na primeira ouvida já te obriga a cantarolá-lo por horas a fio, uma faixa muito bacana e que se houver mesmo uma nova tour, deve funcionar muito bem ao vivo.

‘Your Love Is Evil’ é de fato meio estranha, com o Tobias numa interpretação talvez meio exagerada, mas que no todo não deixa de ser uma boa música. A faixa seguinte é uma pequena obra-prima, que não haveria ninguém mais competente para dar voz a ela que Jon Oliva, lendário vocalista do Savatage. Esta ‘Death Is Just A Feeling’ soa como um pesadelo teatral, onde um fantasma chama no meio da noite e apavora quem já está com medo. Sem sombra de dúvida uma das coisas mais criativas que Tobias já compôs.

Teria certo potencial radiofônico esta interessante ‘Rat Race’, bem agitada, de refrão ressoante e de instrumental muito bem trabalhado. ‘Down In The Dark’ é também uma faixa muito interessante, com outra participação brilhante de Jorn Lande e um clima envolvente. Pessoalmente não consegui gostar de ‘Blowing Out The Flame’, uma balada que parece não encaixar no disco, soando um tanto aleatória.

‘Symphony Of Life’ é uma música delicada. A única música que não é de Sammet, sendo assinada unicamente por Sascha Paeth. Cloudy Yang decididamente não é nenhuma vocalista espetacular, mas executa a canção com muita competência. A música tem uma veia pop latente (que deve ter feito muito fã xiita arrancar cabelos de ódio), mas que não soa vazia. Foi surpreendente ouvi-la, e foi uma surpresa positiva.

Já ‘Alone I Remember’ é sensacional. Um hardão com ares setentista que dá uma vontade incrível de sair cantando por aí. Jorn Lande solta sua veia hard rock e manda mais uma atuação irrepreensível, que o confirma como o maior e mais importante membro dessa nova fase do projeto. ‘Promissed Land’ já era conhecida, mas a versão que entrou no disco tem uma sutil (mais importante) mudança: Onde havia Michael Kiske, agora temos Jorn Lande. O resultado ficou bom, Jorn dá uma entonação mais forte para a passagem que era de Kiske, o que deixou a música levemente mais áspera.

O desfecho é triunfal. ‘Journey To Arcadia’ representa a redenção do personagem principal, que deu muitas voltas e teve muitos medos e dúvidas, onde ele se encontra e ruma para casa. É épica, grandiosa, com um feeling impressionante. Um final apoteótico e comovente, para uma história que mescla fantasia com alguma realidade escondida, que de alguma maneira a maioria dos ouvintes deve ter se auto-reconhecido acompanhando as letras.

Foi uma história mais humana, mais metafórica, e que exigiu muito mais dos fãs para que houvesse alguma interpretação. Ao que parece, as histórias de capa e espada deixaram o repertório de Tobias Sammet.

Sinceramente, achei este “Angel of Babylon” levemente inferior ao “The Wicked Symphony”. Mas nota é a mesma, e pra isso me uso do mesmo argumento de antes: é um disco muito bom, trabalhado com muito esmero, com grandes artistas, de belas composições e que merece muito a nota que levou.

Com certeza serei criticado ferrenhamente por essas opiniões, sendo alcunhado de puxa-saco, fã cego, sem personalidade de ir contra ou que quer que seja. Mas me defendo dizendo o seguinte: muito antes de simplesmente opinar sobre metal, opino sobre música, e só sendo muito cego e alienado para querer negar que os dois discos lançados pelo projeto Avantasia sejam música ruim.

Enfim, é um trabalho soberbo, maduro e que nos mostra que Tobias Sammet está muito ciente do que quer e aonde pode chegar.

01. Stargazers – 09:32
02. Angel of Babylon – 05:28
03. Your Love Is Evil – 03:52
04. Death Is Just A Feeling – 05:23
05. Rat Race – 04:10
06. Down In The Dark – 04:23
07. Blowing Out The Flame – 04:53
08. Symphony Of Life – 04:30
09. Alone I Remember – 04:48
10. Promissed Land – 4:46
11. Journey To Arcadia – 07:17

Site: www.tobiassammet.com

My Space: www.myspace.com/tobiassammet

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Angel Of Babylon - Avantasia

Avantasia: talento que avançou além do Power Melódico

Vocalistas: dez deles que soam iguais a lendas do rock e metalTodas as matérias e notícias sobre "Avantasia"

Álbuns Conceituais
Blog elege o top 10 do Metal

Avantasia
10 músicas essenciais da Metal Opera

Top 10
Álbuns conceituais

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Avantasia"

Guns N' Roses
Talaricagem, galinheiros e megalomania

Metallica
Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explica

Tempo implacável
Os rockstars também envelhecem parte 1

Chinese Democracy: Talaricagem, galinheiros e megalomaniaMetallica: Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explicaTempo implacável: os rockstars também envelhecem parte 1Slash conta qual foi o disco que mudou sua vidaMike Portnoy: "Bateria não é trabalho para fracotes"Kerrang: os melhores singles já lançados

Sobre Júlio André Gutheil

Nascido em Feliz, interior do Rio Grande do Sul, de origem alemã e com 20 anos de idade. Grande fã de Blind Guardian, Paradise Lost e Opeth, além de outras várias bandas de diversos estilos distintos. Pretende cursar jornalismo e também se dedicar o máximo possível à crônica do mundo Heavy Metal. Escreve no blog www.metalmeltdowndiscos.blogspot.com. Twitter: @jagutheil.

Mais matérias de Júlio André Gutheil no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online