Fanzine Episódio Cultural: Lennon ou McCartney?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Carlos Roberto de Souza
Enviar correções  |  Comentários  | 

Por Alysson Almeida*

Como qualquer beatlemaníaco que se preze, que chama os quatro rapazes de Liverpool pelo primeiro nome, e que defende com unhas e dentes até os piores momentos (se é que existem!) do “Fab Four”, escolher um dos quatro como o beatle favorito se torna uma tarefa hercúlea.

Assalto em Niteroi: A inacreditável manchete do Meia-HoraMichael J. Fox: A volta triunfal de Marty McFly em um show do Coldplay

Descrever a personalidade de cada um dentro do grupo se tornou estereotipada pela crítica através dos anos sendo John, o lirismo, Paul, a musicalidade, George, a espiritualidade e Ringo, o cara mais sortudo do mundo. Apesar de que, na minha humilde opinião, sempre achei que Ringo era o amor, que tornava coesa a química entre os quatro.

Fica fácil notar a polarização das atenções que sempre foram atribuídas à Lennon e McCartney, como forças criativas maiores dentro do grupo. Inicialmente parceiros, os dois foram se distanciando com o passar do tempo, mas nunca deixando a assinatura Lennon & McCartney se perder com este distanciamento.

Quando John Lennon se tornou mais introspectivo, amargo e até polêmico, talvez pela influência assumida de Bob Dylan, Paul McCartney demonstrava claros sinais de evolução no conhecimento musical, tanto teórico quanto prático, tornando os arranjos das músicas cada vez mais ricos e elaborados.

A concepção das canções a partir do álbum “Rubber Soul” (1965) indicava claramente que ambos compunham sozinhos, e assinavam em dupla, vide a balada quase renascentista “Michelle”, de Paul, e as letras ácidas em “Think for Yourself” e “The World”, de John.

“Revolver” (1966), “Sgt. Pepper” (1967) e “Magical Mystery Tour” (1967) intensificaram ainda mais esta individualidade, talvez pelo amadurecimento individual pelo qual estivessem passando, talvez pelo experimentalismo guiado pelas drogas, ou ainda, pelo cenário musical da época, que influenciava diretamente na exploração de outras paisagens sonoras, que convenhamos, deviam ser bem difíceis de ser compartilhadas em dupla, durante as “viagens”.

“The Beatles” (1968), conhecido como o “Álbum Branco”, selou definitivamente esta individualidade, apresentando-se como pequenas pílulas de meditação interna, de cada um, transformadas em música, transparecendo a mínima influência de um no trabalho do outro.

Os próprios Beatles sentiram este distanciamento e tentaram voltar a ser uma “banda” com o projeto inicialmente intitulado “Get Back”, que mais tarde seria lançado como “Let it Be”, em 1970, como o “canto dos cisnes” do quarteto. O que deveria ser um resgate de volta às raízes do grupo, tornou-se uma via crucis de frente às câmeras, que mostraram as rusgas e os nervos à flor da pele pela introdução de um novo personagem, totalmente alheio ao “modus operand”i dos Beatles: Yoko Ono. Com a produção convulsiva de Phil Spector o projeto quase acabou de vez com a banda.

George Martin, eterno produtor dos Beatles, cita na Antologia do quarteto, que os quatro o procuram lhe pedindo se ele não produziria mais um disco pra eles. Martin aceitou e produziu a obra prima “Abbey Road” que em suas palavras “foi feito com um lado pra agradar John e o outro para agradar Paul”.

Depois do término dos Beatles todos os quatro iniciaram carreiras solo interessantes, sendo que Paul sempre foi o mais prolífico dos quatro, e John o mais combativo. Todo mundo diz que John era mais rocker e Paul mais “meloso”. Contudo a música que definiu a carreira de John Lennon foi “Imagine”, uma balada romântica sobre paz e amor, enquanto que Paul, com seu disco mais famoso, “Bando n the Run” (1973), brindou o mundo com um dos melhores discos de Rock and Roll de todos os tempos.

Em suma, se alguém perguntar John ou Paul? Eu fico com ambos, porque afinal de contas em um tempo em que tudo o que se precisava era o amor, os dois escreveram e compuseram sobre o tema como ninguém.

*Funcionário público e Beatlemaníaco.
Contato: alyssonalmeida2000@hotmail.com

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Beatles
A ocasião em que Ringo Starr saiu da banda

Assalto em Niteroi: A inacreditável manchete do Meia-HoraFloyd, Beatles, Dylan: não gostariam de começar a carreira hojePaul McCartney: K7 exclusivo será lançada na Record Store DayBeatles: a história do integrante temporário vai virar filmeBeatles: "Sgt Peppers" ganha edição de 50 anos com faixas extrasTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Phil Collins
Paul McCartney foi tirar satisfação com o ex-Genesis

The Beatles
Banda lidera lista de artistas mais pirateados do mundo

Capas clássicas
Os locais onde foram feitas nos dias de hoje

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Beatles"Todas as matérias sobre "Paul McCartney"Todas as matérias sobre "John Lennon"

Michael J. Fox
A volta triunfal de Marty McFly em um show do Coldplay

Massacration
Luiz Fernando Guimarães ou Língua de Trapo?

Rock Nacional
Os 15 melhores riffs de guitarra

Guitar World: os 20 melhores álbuns de Hair Metal dos anos 80Classic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 80Kurt e Courtney: a primeira vez que os dois dormiram juntosIron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversasDazed & Confused: Um despretensioso filme alçado a status de cultYes: baixista Chris Squire morre aos 67 anos, de câncer

Sobre Carlos Roberto de Souza

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online