Resenha: Como foi o show do Iron Maiden em Buenos Aires

Resenha - Iron Maiden (Buenos Aires, 15/03/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marino de Abreu
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Venho compartilhar com vocês um pouco do que foi a experiência de, mais uma vez, ver o Iron Maiden. Antes de adentrarmos aos shows propriamente ditos, quero fazer alguns comentários sobre o "pré" e o "pós" do espetáculo. Pois bem, comprei o ingresso no dia, sem grandes problemas, pouquíssimas pessoas ainda compravam. Confesso que isso me deixou um pouco receoso sobre o público, receio que seria totalmente dissipado na hora do show. Pois bem, comprei plateia alta, arquibancada à direita do palco (de quem via o show). Cheguei por volta das 16h00min. Os portões abriram umas 17h15min, tirando o sol escaldante que iluminava Buenos Aires, foi supertranquilo.

Kerrang!: álbuns fantásticos com capas constrangedorasFotos de Infância: Kurt Cobain, do Nirvana

Fui a Buenos Aires com minha, agora, noiva e, "coincidentemente", a data do show estava inclusa em nossa estada na terra "hermana". Então tinha, novamente, outro receio, pois os argentinos, fomos e viemos, possuem fama de serem um tanto quanto agitados. Mas, repetindo, foi muito tranquilo.

Uma das coisas boas, diferente dos shows que já fui no Brasil, é que famílias inteiras foram ao show. Se via adultos com mais de 50 anos, bem como crianças a partir de 08 ou 9 anos, o que deixou o clima pré-show bem tranquilo.

Achei a organização satisfatória, não teve empurra-empurra nem para entrar e nem para sair, para meu alívio, tanto a entrada como a saída foi bem sossegada.

Um aviso a quem for ver shows na capital argentina. Conforme um taxista, seus colegas tem medo desses eventos, pois é show de heavy metal e nos vestimos de preto (???? - Sim, o cara disse isso). Então os que vão, desligam os taxímetros e cobram valores muito superiores ao que daria uma corrida normal. Exemplo, um táxi do estádio do Velez (local do show) até nosso hotel (ao lado do Obelisco) daria algo em torno de $200,00 pesos argetinos. O cara cobrou $500,00!!! Tivemos que dividir com um argentino e mais um casal de uruguaios. Sim, fomos de cinco no táxi. Então se forem ver um show lá, levem uns trocos a mais para o táxi da volta, até porque o metrô já estará fechado.

Pois bem, comentários e avisos dados, adentremos agora aos concertos das bandas.

The Raven Age, banda do filho do Mr. Harris, primeira a tocar, é uma banda muito competente, confesso que o som dos caras (Evanescence + Chad Kroeger do Nickelback) não é muito minha praia, mas os caras têm um excelente baterista, o próprio George Harris toca muito bem. Enfim, uma boa banda que pode manter o velho rock por mais uns anos.

Anthrax. Não há muito que dizer, apesar de não conhecer muito o som dos caras (SIIIIM PODEM ME VAIAR) os caras mataram a pau. Show enérgico. Todavia, confesso à vocês que o Slayer em 2013, abrindo para o Iron Maiden, foi mais matador. Porém, Ian, Belladona (que tirou uma foto comigo no aeroporto MEGA ENTUSIASMADO....) e cia. mandaram ver e aqueceram os headbangers presentes no estádio.

Falando neles, 40 ou 50 mil alucinados presentes no estádio fizeram bonito. Foi um clima muito legal entre os Hermanos, nesse quesito ele estão de parabéns.

E enfim, quase que pontualmente, por volta das 21h15min, o Maiden subiu ao palco. Pessoal, Steve Harris tem razão, um show do Iron Maiden é incomparável. "If eternity should fail" e "Speed of Light" fazem uma dobradinha empolgante no início do show, com fogos e luzes acompanhando.

O setlist foi o mesmo já apresentado até agora, porém me chamou atenção que, diferentemente do que li nos sites brasileiros, os argentinos não se importaram com os clássicos escolhidos pelo Maiden para essa tour. Muito se reclamou, em nossas terras, do conservadorismo da banda na escolha do set, mas lá, pelo menos na hora do "vamos ver", a cada clássico tocado, o estádio vinha abaixo. Ou seja, para eles não importava qual música, mas sim que o Iron Maiden estava ali. A única canção que para os argentinos e pra mim poderia ter sido trocada foi "Death or Glory", do novo álbum, pouco entusiasmou. Nesta hora um belo clássico viria à calhar.

Esta resenha merece uma atenção para Bruce Dickinson, em especial. No último show que fui, Curitiba em 2013, Bruce teve um resfriado e algumas músicas que exigiam um alcance vocal maior, ele mandava pra galera. Nesta terça-feira não. O cara cantou muito. Alguns vídeos que vi de apresentações anteriores há da capital porteña, Bruce cantou algumas músicas sem alcançar notas muito altas, por exemplo, a title track do novo álbum, "Book of Souls". Mas neste show ele foi ao "infinito e além". Se em Porto Alegre em 2008, a galera cantou tão alto quanto Bruce, num escaldante Gigantinho, em Curitiba ele teve problemas de voz, em Buenos Aires pude presenciar toda sua capacidade técnica-vocal. Simplesmente fantástico.

No conjunto da obra, a banda dispensa comentários, um show enérgico com todos os membros interagindo, inclusive Smith que é mais recatado, demonstrou certa "leveza" no palco. Eddie em sua nova roupagem também merece atenção, tanto aquele que entra no palco, quanto aquele que fica atrás da bateria. Ambos são fenomenais, muito legais. (É entusiasmante, ainda que clichê, ver Bruce arrancando o coração de Eddie).

O que as cidades brasileiras, afortunadas, poderão esperar? Um baita show. Foi o primeiro show de turnê de álbum que fui e lhes confesso que pode ter sido o melhor de todos!

Um ponto negativo: Michael Kenney, roadie do Steve Harris. Ele não é um cara legal! Fui, de forma muito educada, em inglês, lhe pedir para tirar uma foto. ELE NEGOU! Disse-me que não entendia porque gostavam tanto de tirar foto. Na hora só lhe respondi que era para recordação, mas depois me deu vontade de lhe dizer umas verdades. Enfim, não disse. Porém, sua atitude me deixou receoso de requerer fotos com Ashley Groom (contra-regra), Sean Brady (roadie Adrian Smith) e Colin Price (roadie Dave Murray), todos estavam no aeroporto aguardando e acabei não tirando as fotos. Mas não pensei que foi ruim, pois na mesma hora meu time do coração, Grêmio, estava em peso na mesma sala de espera, em Buenos Aires e pude conversar e fotografar com alguns heróis do jogo contra o San Lorenzo....

E ainda, durante a estada, fiz um merchandise pro Whiplash na cidade portenã...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Iron Maiden"


Kerrang!: álbuns fantásticos com capas constrangedorasKerrang!
álbuns fantásticos com capas constrangedoras

Rock in Rio 2019: qual headliner é o mais popular no Brasil, segundo o GoogleRock in Rio 2019
Qual headliner é o mais popular no Brasil, segundo o Google

Iron Maiden: veja Flight Of Icarus e Run To The Hills tocadas em Los AngelesIron Maiden
Veja "Flight Of Icarus" e "Run To The Hills" tocadas em Los Angeles

Incubus: eles querem emprestar o cenário do Iron Maiden, incluindo Eddie

Grandes covers: cinco versões para The Number Of The BeastGrandes covers
Cinco versões para "The Number Of The Beast"

Iron Maiden em Campinas: O dia em que o Brinco de Ouro virou campo de guerraIron Maiden em Campinas
O dia em que o Brinco de Ouro virou campo de guerra

Rock in Rio 2019: apenas 2 dias do festival estão com ingressos esgotadosRock in Rio 2019
Apenas 2 dias do festival estão com ingressos esgotados

Bruce Dickinson: em vídeo, um review da autobiografia

Iron Maiden: Nicko McBrain não usa pedal duplo pois já acha um difícil o bastanteIron Maiden
Nicko McBrain não usa pedal duplo pois já acha um difícil o bastante

Iron Maiden: cinco versões do clássico Hallowed Be Thy NameIron Maiden
Cinco versões do clássico "Hallowed Be Thy Name"

Iron Maiden: Nicko McBrain toca bateria em banda tributo em Nashville; assistaIron Maiden
Nicko McBrain toca bateria em banda tributo em Nashville; assista

Bruce Dickinson: review da autobiografia Pra Que Serve Esse Botão?

Iron Maiden: o brilhante e conceitual Seventh Son of a Seventh Son (vídeo)Iron Maiden
O brilhante e conceitual Seventh Son of a Seventh Son (vídeo)

Vlog Rock: A saga de Charlotte, a prostituta do Iron MaidenVlog Rock
A saga de Charlotte, a prostituta do Iron Maiden

Collectors Room: a controversa volta às raízes do Iron Maiden (vídeo)

Iron Maiden: Steve Harris relembra acusações de satanismo nos EUA em 1982Iron Maiden
Steve Harris relembra acusações de satanismo nos EUA em 1982

Iron Maiden: no início, só queríamos tocar som pesado com muita melodiaIron Maiden
"no início, só queríamos tocar som pesado com muita melodia"

Bruce Dickinson: Ele lamenta não ter dado um soco em Axl RoseBruce Dickinson
Ele lamenta não ter dado um soco em Axl Rose


Fotos de Infância: Kurt Cobain, do NirvanaFotos de Infância
Kurt Cobain, do Nirvana

Slipknot: Ozzy quis entrar pra banda segundo Corey TaylorSlipknot
Ozzy quis entrar pra banda segundo Corey Taylor

Sepultura: Andreas Kisser explica por que nunca rolará reuniãoSepultura
Andreas Kisser explica por que nunca rolará reunião

Ninguém é perfeito: os filhos bastardos de pais famososNinguém é perfeito
Os filhos "bastardos" de pais famosos

Andre Matos: confira o incrível alcance do vocalistaAndre Matos
Confira o incrível alcance do vocalista

Heavy Metal do Brasil: algumas bandas esquecidas dos anos 1980Heavy Metal do Brasil
Algumas bandas esquecidas dos anos 1980

Pearl Jam: pôster de show feito por baixista traz cadáver de TrumpPearl Jam
Pôster de show feito por baixista traz cadáver de Trump


Sobre Marino de Abreu

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336