Cradle of Filth: uma noite sombria no Carioca Club

Resenha - Cradle of Filth (Carioca Club, São Paulo, 20/04/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Uma noite sombria no Carioca Club: foi o que todos os fãs receberam logo após o final do último show da turnê do Cradle of Filth na América Latina. Em uma apresentação completa, digna de exemplo na escolha a dedo das músicas, a banda conseguiu agradar dos fãs mais jovens aos mais velhos, do amante dos sons mais crus do metal extremo até as grandes orquestrações.

Cradle Of Filth: clássico Cruelty And The Beast será relançado em novembroLista: as dez melhores músicas para se ouvir na estrada

O show estava marcado para as 19h30min, bem no início da noite - horário já bastante comum a todos os que estão acostumados a ver os shows de metal no Carioca Club. A banda foi de pontualidade britânica e poucos minutos depois deste horário as cortinas abriram e a plateia ouviu a longa introdução Tiffauges. Dani Filth animou a plateia enquanto o som da introdução para pegar o microfone e com um grito abrir o show com "Tragic Kingdom".

A plateia não estava lotada e muito espaço podia ser visto. Mas o público na pista se aglomerou na frente do palco. Pouca gente estava nos camarotes nas laterais, um público pequeno para o que normalmente costuma lotar os shows no clube.

Apesar disto, a plateia mostrou grande empolgação - a seu modo. O público se animou bastante com as músicas seguintes: "Funeral in Carpathia" e "For Your Vulgar Delectation". O público estava extremamente excitado por estar em companhia de seus grandes ídolos, e mostraram isto com chifres e gritos.

Outros destaques do show foram "Lilith Immaculate" e "Nymphetamine (Fix)", duas das mais esperadas músicas que trouxeram aos fãs da banda as já conhecidas orquestrações.

A iluminação foi um grande destaque durante todo o espetáculo. A banda escureceu e removeu a iluminação durante parte do show, criando um clima sombrio transformando o Carioca Club em um verdadeiro clube de metal extremo. Em outro lado, souberam trabalhar muito bem as luzes nas músicas mais orquestradas, criando um clima de exaltação do público.

A plateia, inclusive, captou isto muito bem, e deixou-se envolver pelo clima criado pelo conjunto da obra o Cradle of Filth. Dani Filth mostrou novamente porque é um dos maiores frontman do metal extremo e comandou a plateia com maestria: fazia-os cantar na hora de cantar - pelo menos os que tinham coragem de ensaiar um acompanhamento dos vocais de Filth - e gritar na hora de gritar.

O repertório como um todo ainda ajudou a trazer este clima: foram tocadas músicas de diversos álbuns e elas foram misturadas durante todo o show em uma sequencia que pareceu bastante harmônica com o objetivo da banda. É até uma surpresa a apresentação neste estilo, dado o fato de que as bandas comumente tem o costume de divulgar exacerbadamente seu novo disco, deixando muitos dos fãs dos clássicos órfãos dos grandes hits das antigas.

O Cradle fechou o show com dois grandes hits: "Honey and Sulphur" e "The Forest Whispers My Name", em uma performance fantástica da banda como um todo, animando o público e arrancando gritos da plateia. Então as sombras do palco sem luzes se uniram ao silencio da plateia, que apenas voltou a se animar com o som da intro "The Unveiling of O", do último álbum da banda, "Manticore and Other Horrors".

A banda voltou rapidamente e arrasou tocando "Cruelty Brought Thee Orchids". A música foi seguida por "Her Ghost in the Fog", onde a plateia cantou e gritou junto com Dani Filth. Antes de terminar o show, Dani Filth ainda teve tempo para agradecer o público que esteve no show e também a toda a equipe que fez esta turnê na América Latina possível. Finalizaram o show com "From the Cradle to Enslave", em mais uma tremenda performance.

No final, o balanço do show foi mais que positivo para todos os presentes: em uma casa de tamanho razoável, onde havia bastante espaço para todos os fãs, puderam todos ter o prazer de ver de perto mais uma vez o Cradle of Filth no Brasil, tocando seus sucessos e trazendo novamente consigo o mesmo interesse e carinho para com os fãs.

Setlist:
1. Tiffauges
2. Tragic Kingdom
3. Funeral in Carpathia
4. For Your Vulgar Delectation
5. A Dream of Wolves in the Snow
6. Summer Dying Fast
7. Lilith Immaculate
8. Nymphetamine (Fix)
9. Manticore
10. Born in a Burial Gown
11. Honey and Sulphur
12. The Forest Whispers My Name

Bis:
13. The Unveiling of O
14. Cruelty Brought Thee Orchids
15. Her Ghost in the Fog
16. From the Cradle to Enslave


Outras resenhas de Cradle of Filth (Carioca Club, São Paulo, 20/04/2013)

Cradle of Filth: show memorável no Carioca Club




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Cradle Of Filth"


Cradle Of Filth: clássico Cruelty And The Beast será relançado em novembro

Cradle Of Filth: Dani Filth explica seu conceito de religiãoCradle Of Filth
Dani Filth explica seu conceito de religião

Gigwise: as capas mais polêmicas dos anos 2000Gigwise
As capas mais polêmicas dos anos 2000

Cradle of Filth: vídeo de Dani apanhando de segurançasCradle of Filth
Vídeo de Dani apanhando de seguranças


Lista: as dez melhores músicas para se ouvir na estradaLista
As dez melhores músicas para se ouvir na estrada

MTV: experts indicam as maiores bandas de Heavy MetalMTV
Experts indicam as maiores bandas de Heavy Metal

Memoráveis como a música: os 25 melhores logos de bandasMemoráveis como a música
Os 25 melhores logos de bandas

Alfabeto do Rock: as 15 melhores músicas de MetalChurch of Satan: "A maioria dos músicos de Black Metal são cristãos"Nirvana: Dave Grohl explica por que não contribuía nas composiçõesIron Maiden: Steve Harris e sua paixão intensa pelo Prog Rock

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336