Vince Neil: mesmo com 894 fãs, show reviveu década do glam

Resenha - Vince Neil (Carioca Club, São Paulo, 27/02/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Adriana Farias, Fonte: PlayTV
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Mesmo apostando num set list só com clássicos do MÖTLEY CRÜE e com um time de peso composto por Dana Strum (baixo/SLAUGHTER), Jeff Blando (guitarra/ex-SLAUGHTER) e Zoltan Chaney (bateria), Vince Neil mostrou na noite de ontem, 27, no Carioca Clube, em São Paulo, que sozinho não é o MÖTLEY CRÜE. Mas isso não foi problema!

3501 acessosMötley Crüe: Nikki Sixx anuncia aposentadoria5000 acessosOzzy Osbourne: Ele já foi expulso de escola da filha Kelly

Com capacidade para 1.500 pessoas, a apresentação solo de Vince Neil reuniu 894 fãs e durou apenas uma hora com um set list de 12 músicas, sendo 3 covers. O argumento para um show tão rápido era que o Carioca Clube – tradicional casa de eventos de axé-music e forró – traria, após o show de Vince Neil, uma apresentação do grupo de pagode Katinguelê. Mas, como se podia prever, um show curto já estava na agenda do músico. A última apresentação no Chile (24), em Santiago, no Teatro Caupolicán, também durou uma hora com um set list semelhante de 12 faixas com 3 covers.

Apesar da curta duração do show, Vince Neil, com uns quilinhos a mais e uma barriga avantajada, estava ávido para cantar todos os ícones do MÖTLEY CRÜE. Para aquecer o público, clássicos do hard rock oitentista – ALICE COOPER, WHITESNAKE, GUNS N’ ROSES – era tocado em alto som. Foi no finalzinho de “For Those About To Rock (We Salute You)” do AC/DC que Vince Neil & companhia entraram no palco detonando com “Live Wire”, do estreante “Too Fast For Love” (1981).

No auge da carreira e do glam rock, o MÖTLEY CRÜE reunia públicos de 50 a 300 mil fãs, contava com uma mega produção e palcos gigantescos. Mas isso não parecia, nem de longe, inibir o vocalista, que cantava num palco simples para 894 presentes.

Mas foi com a delirante “Dr. Feelgood” que o público conseguiu se sentir num show do MÖTLEY CRÜE tamanha a habilidade de palco e de voz de Vince Neil, que agradecia pela primeira passagem no Brasil.

Após “Piece Of Your Action”, “Looks That Kill” do arrebatador “Shout At The Devil” (1983) entra em cena com o público fervendo no refrão “She's got the looks that kill! That Kill”. Os fãs podem ter sentido falta de Nikk Sixx, principal compositor da banda, mas o baixista Dana Strum, às vezes, parecia chamar mais atenção do que o próprio Vince Neil tamanha era a empolgação em palco.

Para acalmar os ânimos, o vocalista recebe do roadie um violão elétrico e emenda a balada calibrada “Don’t Go Away Mad (Just Go Away)” para, em seguida, despejar o hit “Same Ol' Situation (S.O.S.)”, ambas escritas por Nikk Sixx.

Na seqüência, Vince Neil sai do palco para o guitarrista Jeff Blando assumir os vocais nos covers de “Whole Lotta Love” (LED ZEPPELIN) e Heaven and Hell (BLACK SABBATH). Vince volta ao palco para cantar “Rock and Roll”, também do LED ZEPELLIN, e emendar outro hit de ouro “Kickstart My Heart”, composto por Nikk Sixx inspirado nos seus momentos com as drogas.

O single tão aguardado da noite estava a caminho. “Coloquem as mãos para o alto. Fechem o punho. Agora acelerem!” Essa era a instrução de Vince Neil para dar início a explosiva “Girls, Girls, Girls”, que é introduzida pelo ronco do motor de uma moto. Esse hit sintetiza não só o auge do MÖTLEY CRÜE, como também toda a geração do hard/glam rock – com maquiagem pesada, roupa extravagante, botas altas, muita bebida, além de stripers e groupies com quem até fugiam. Muitos fãs presentes no show ostentavam essa cara glam dos anos 80.

Para fechar a noite a escolhida foi “Wild Side”, outro hit de Nikk Sixx. Os comentários em volta eram unanimes, não só para o vocalista, mas para o baterista-malabarista Zoltan Chaney, que fazia rodopios e equilibrava a baqueta com uma das mãos.

Vince Neil agradeceu o público pela noite e se despediu rapidamente junto com Dana Strum, Jeff Blando e Zoltan Chaney. Passado dez minutos do término do show, os fãs permaneciam em frente ao palco na expectativa do bis com “Shout At The Devil”, “Smokin’ In The Boys Room”, “Home Sweet Home” ou “She Goes Down”. Dois fãs, um deles bem bêbado, tentaram, em vão, invadir o palco e outros arremessaram garrafas e copos plásticos.

Mesmo sem esses hits, Vince Neil provou que esta com fôlego total para continuar na estrada, ganhando mulheres, muito dinheiro e vivendo como um rock star. Mas as ocupações do músico não se reduzem a isso, ele ainda é dono de uma marca de tequila, dois bares, duas lojas de tatuagem, uma empresa de aviação com quatro aviões e tem diversas casas espalhadas pelos Estados Unidos. Essas foram as conquistas de um MÖTLEY CRÜE que já vendeu mais de 50 milhões de discos!

Confira o set list:

- “Live Wire” (Too Fast For Love / 1981)
- “Dr. Feelgood” (Dr. Feelgood / 1989)
- “Piece Of Your Action” (Too Fast For Love / 1981)
- “Looks That Kill” (Shout At The Devil / 1983)
- “Don’t Go Away Mad (Just Go Away)” (Dr. Feelgood / 1989)
- “Same Ol' Situation (S.O.S.)” (Dr. Feelgood / 1989)
- “Whole Lotta Love” (LED ZEPPELIN)
- “Heaven and Hell” (BLACK SABBATH)
- “Rock n' Roll” (LED ZEPPELIN)
- “Kickstart My Heart” (Dr. Feelgood / 1989)
- “Girls, Girls, Girls” (Girls, Girls Girls / 1987)
- “Wild Side” (Girls, Girls Girls / 1987)

Para mais informações acessem o site da emissora PlayTV (www.playtv.com.br)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Vince Neil (Carioca Club, São Paulo, 27/02/2010)

3201 acessosVince Neil: um sonho realizado, ainda que parcialmente1867 acessosVince Neil: alimentando a esperança de ver o Crüe no Brasil1225 acessosVince Neil: uma verdadeira viagem no tempo em SP

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mötley CrüeMötley Crüe
Nikki Sixx anuncia aposentadoria

1965 acessosMötley Crüe: John Corabi explica fiasco comercial do disco de 1994755 acessosMötley Crüe: edição de 30 anos de Girls Girls Girls560 acessosMötley Crüe: "Girls, Girls, Girls" será relançado0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motley Crue"

Mötley CrüeMötley Crüe
Mick Mars admite que banda usa fitas ao vivo

NoisecreepNoisecreep
As dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80s

Motley CrueMotley Crue
O motivo pelo qual eles não fazem mais bis

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Motley Crue"0 acessosTodas as matérias sobre "Vince Neil"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Expulso de reunião de pais por peidar e dormir

EpicaEpica
Foto original de Simone Simons nua em capa é revelada?

Em 10/08/1993Em 10/08/1993
Euronymous é assassinado por Varg Vikernes

5000 acessosSasha Grey: sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinil5000 acessosNickelback: 11 razões para respeitar - muito - a Chad Kroeger5000 acessosMarcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden5000 acessosRita Lee: lambo o Serguei de graça!5000 acessosThe Voice: candidato faz power metal cantado em português5000 acessosSeparados no nascimento: Ian Hill e Stênio Garcia

Sobre Adriana Farias

Nascida em São Paulo, Adriana Farias é jornalista pela PUC-SP e autora do livro-reportagem ¨London Calling - histórias de brasileiros em Londres¨. A jornalista já foi produtora na RedeTV! e repórter da emissora PlayTV na área cultural, locais em que coleciona entrevistas importantes com grandes nomes do heavy/rock nacional e internacional, como Joey DeMaio (Manowar), David Bryan (Bon Jovi), Crashdïet, Kings of Leon, The Dickies, Kid Vinil, Angra, Sepultura entre outros. Com apenas 16 anos a autora deu início a sua colaboração ao Whiplash!, entre suas reportagens mais importantes constam os textos analisando a grande imprensa no quesito heavy/rock e a cobertura de mega shows no Brasil e na Europa. Atualmente, a jornalista tem uma dupla jornada como editora de texto na TV Cultura e repórter na Folha de S.Paulo. Entre em contato com a jornalista no blog meonthestreet.

Mais matérias de Adriana Farias no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online