Matérias Mais Lidas

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemTravis Barker, do Blink-182, está com pancreatite, diz TMZ

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais

imagemAvenged Sevenfold e o álbum do Guns N' Roses que deveria ser mais valorizado

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemMike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

imagemCuecão de couro: Rob Halford posa com suas "great balls of fire" em camarim

imagemNergal diz que Behemoth é mais que anti-religião e emociona-se com LGBTQ e aborto

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemMick Jagger diz que sente muito a falta do baterista Charlie Watts

imagemCinco nomes do heavy metal que já gravaram músicas do ABBA


Stamp

Vince Neil: mesmo com 894 fãs, show reviveu década do glam

Resenha - Vince Neil (Carioca Club, São Paulo, 27/02/2010)

Por Adriana Farias
Fonte: PlayTV
Em 01/03/10

Mesmo apostando num set list só com clássicos do MÖTLEY CRÜE e com um time de peso composto por Dana Strum (baixo/SLAUGHTER), Jeff Blando (guitarra/ex-SLAUGHTER) e Zoltan Chaney (bateria), Vince Neil mostrou na noite de ontem, 27, no Carioca Clube, em São Paulo, que sozinho não é o MÖTLEY CRÜE. Mas isso não foi problema!

Com capacidade para 1.500 pessoas, a apresentação solo de Vince Neil reuniu 894 fãs e durou apenas uma hora com um set list de 12 músicas, sendo 3 covers. O argumento para um show tão rápido era que o Carioca Clube – tradicional casa de eventos de axé-music e forró – traria, após o show de Vince Neil, uma apresentação do grupo de pagode Katinguelê. Mas, como se podia prever, um show curto já estava na agenda do músico. A última apresentação no Chile (24), em Santiago, no Teatro Caupolicán, também durou uma hora com um set list semelhante de 12 faixas com 3 covers.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Apesar da curta duração do show, Vince Neil, com uns quilinhos a mais e uma barriga avantajada, estava ávido para cantar todos os ícones do MÖTLEY CRÜE. Para aquecer o público, clássicos do hard rock oitentista – ALICE COOPER, WHITESNAKE, GUNS N’ ROSES – era tocado em alto som. Foi no finalzinho de "For Those About To Rock (We Salute You)" do AC/DC que Vince Neil & companhia entraram no palco detonando com "Live Wire", do estreante "Too Fast For Love" (1981).

No auge da carreira e do glam rock, o MÖTLEY CRÜE reunia públicos de 50 a 300 mil fãs, contava com uma mega produção e palcos gigantescos. Mas isso não parecia, nem de longe, inibir o vocalista, que cantava num palco simples para 894 presentes.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Mas foi com a delirante "Dr. Feelgood" que o público conseguiu se sentir num show do MÖTLEY CRÜE tamanha a habilidade de palco e de voz de Vince Neil, que agradecia pela primeira passagem no Brasil.

Após "Piece Of Your Action", "Looks That Kill" do arrebatador "Shout At The Devil" (1983) entra em cena com o público fervendo no refrão "She's got the looks that kill! That Kill". Os fãs podem ter sentido falta de Nikk Sixx, principal compositor da banda, mas o baixista Dana Strum, às vezes, parecia chamar mais atenção do que o próprio Vince Neil tamanha era a empolgação em palco.

Para acalmar os ânimos, o vocalista recebe do roadie um violão elétrico e emenda a balada calibrada "Don’t Go Away Mad (Just Go Away)" para, em seguida, despejar o hit "Same Ol' Situation (S.O.S.)", ambas escritas por Nikk Sixx.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Na seqüência, Vince Neil sai do palco para o guitarrista Jeff Blando assumir os vocais nos covers de "Whole Lotta Love" (LED ZEPPELIN) e Heaven and Hell (BLACK SABBATH). Vince volta ao palco para cantar "Rock and Roll", também do LED ZEPELLIN, e emendar outro hit de ouro "Kickstart My Heart", composto por Nikk Sixx inspirado nos seus momentos com as drogas.

O single tão aguardado da noite estava a caminho. "Coloquem as mãos para o alto. Fechem o punho. Agora acelerem!" Essa era a instrução de Vince Neil para dar início a explosiva "Girls, Girls, Girls", que é introduzida pelo ronco do motor de uma moto. Esse hit sintetiza não só o auge do MÖTLEY CRÜE, como também toda a geração do hard/glam rock – com maquiagem pesada, roupa extravagante, botas altas, muita bebida, além de stripers e groupies com quem até fugiam. Muitos fãs presentes no show ostentavam essa cara glam dos anos 80.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Para fechar a noite a escolhida foi "Wild Side", outro hit de Nikk Sixx. Os comentários em volta eram unanimes, não só para o vocalista, mas para o baterista-malabarista Zoltan Chaney, que fazia rodopios e equilibrava a baqueta com uma das mãos.

Vince Neil agradeceu o público pela noite e se despediu rapidamente junto com Dana Strum, Jeff Blando e Zoltan Chaney. Passado dez minutos do término do show, os fãs permaneciam em frente ao palco na expectativa do bis com "Shout At The Devil", "Smokin’ In The Boys Room", "Home Sweet Home" ou "She Goes Down". Dois fãs, um deles bem bêbado, tentaram, em vão, invadir o palco e outros arremessaram garrafas e copos plásticos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mesmo sem esses hits, Vince Neil provou que esta com fôlego total para continuar na estrada, ganhando mulheres, muito dinheiro e vivendo como um rock star. Mas as ocupações do músico não se reduzem a isso, ele ainda é dono de uma marca de tequila, dois bares, duas lojas de tatuagem, uma empresa de aviação com quatro aviões e tem diversas casas espalhadas pelos Estados Unidos. Essas foram as conquistas de um MÖTLEY CRÜE que já vendeu mais de 50 milhões de discos!

Confira o set list:

- "Live Wire" (Too Fast For Love / 1981)
- "Dr. Feelgood" (Dr. Feelgood / 1989)
- "Piece Of Your Action" (Too Fast For Love / 1981)
- "Looks That Kill" (Shout At The Devil / 1983)
- "Don’t Go Away Mad (Just Go Away)" (Dr. Feelgood / 1989)
- "Same Ol' Situation (S.O.S.)" (Dr. Feelgood / 1989)
- "Whole Lotta Love" (LED ZEPPELIN)
- "Heaven and Hell" (BLACK SABBATH)
- "Rock n' Roll" (LED ZEPPELIN)
- "Kickstart My Heart" (Dr. Feelgood / 1989)
- "Girls, Girls, Girls" (Girls, Girls Girls / 1987)
- "Wild Side" (Girls, Girls Girls / 1987)

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Para mais informações acessem o site da emissora PlayTV (www.playtv.com.br)


Outras resenhas de Vince Neil (Carioca Club, São Paulo, 27/02/2010)

Resenha - Vince Neil (Carioca Club, São Paulo, 27/02/2010)

Resenha - Vince Neil (Carioca Club, São Paulo, 27/02/2010)

Resenha - Vince Neil (Carioca Club, São Paulo, 27/02/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ranking Crew: edição #2 do programa de álbuns ranqueados da Roadie Crew está no ar

Rodz Online: Pam & Tommy - Verdades e Mentiras (vídeo)


Nikki Sixx: exibindo sua Harley Davidson com Jenna Jameson

Mötley Crüe: Nikki Sixx conta como a primeira namorada descobriu que ele estava na banda



Sobre Adriana Farias

Nascida em São Paulo, Adriana Farias é jornalista pela PUC-SP e autora do livro-reportagem ¨London Calling - histórias de brasileiros em Londres¨. A jornalista já foi produtora na RedeTV! e repórter da emissora PlayTV na área cultural, locais em que coleciona entrevistas importantes com grandes nomes do heavy/rock nacional e internacional, como Joey DeMaio (Manowar), David Bryan (Bon Jovi), Crashdïet, Kings of Leon, The Dickies, Kid Vinil, Angra, Sepultura entre outros. Com apenas 16 anos a autora deu início a sua colaboração ao Whiplash!, entre suas reportagens mais importantes constam os textos analisando a grande imprensa no quesito heavy/rock e a cobertura de mega shows no Brasil e na Europa. Atualmente, a jornalista tem uma dupla jornada como editora de texto na TV Cultura e repórter na Folha de S.Paulo. Entre em contato com a jornalista no blog meonthestreet.

Mais matérias de Adriana Farias.