Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemHelloween divulga vídeo de "Best Time", com participação de Alissa White-Gluz

imagemIron Maiden: Bruce fala sobre groupies; "parei de transar com elas quando me apaixonei"

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemTobias Forge, do Ghost, diz que ABBA deveria receber um Prêmio Nobel


Stamp

Deep Purple: Se tornando uma espécie de Ray Conniff do rock?

Resenha - Deep Purple (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 22/02/2008)

Por Rafael Carnovale
Em 28/02/08

Estaria o Deep Purple tornando-se uma espécie de Ray Conniff do rock? Porque cá entre nós, a freqüência com a qual somos visitados pela banda para uma turnê brasileira é impressionante. Foram exatos três shows nos últimos três anos! E sem contar que a banda não lançou nenhum CD de estúdio desde "Rapture Of The Deep" (2005). Mas, ao invés de continuar reclamando deste fato, me juntarei aos fãs que celebram a alegria de poderem ver o bom show de Ian Gillan, Roger Glover, Ian Paice, Steve Morse e Don Airey várias vezes, afinal, a banda está chegando a seu quadragésimo aniversário, e para nós é uma honra e felicidade ser visitados por um dos grupos mais influentes do rock setentista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Fotos: Rodrigo Scelza

Esta turnê inicialmente foi divulgada como a "We All Come Down To Montreaux Tour", em alusão ao lançamento do recente CD/DVD que cobriu a aparição do Purple no renomado festival de mesmo nome (que originou a música "Smoke On The Water).
Esta informação seria negada dias mais tarde pelo próprio baixista Roger Glover, que alegou que esta turnê seria apenas uma comemoração dos 40 anos da banda, e que simplesmente eles não entravam em estúdio porque para a banda "gravar não é algo que dê retorno no momento". Com tantos downloads ilegais por aí, não chega a ser bobeira sua convicção, mas se por um lado os downloads prejudicam a venda de CD´s, por outro os shows são sempre uma boa oportunidade de reunir vários fãs, e foi o que aconteceu, num Citibank Hall sem mesas e cadeiras (ALELUIA!), que se não estava lotado, ficou longe de parecer vazio.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O show estava marcado para começar às 22hs, mas dois fatores foram determinantes para um atraso de quase duas horas: na fila do show fomos informados que a banda Inquisição tocaria um "set" de 30 minutos como banda de abertura (fato que não constava) da programação original, e problemas com o equipamento da banda. Tal fez com que, no horário previsto para o começo do show, nem a banda de abertura tinha se apresentado. Os mesmos só subiram ao palco às 22:30 (aproximadamente) e detonaram um "set" de 5 músicas, com uma sonoridade altamente influenciada por Black Sabbath e uma boa recepção por parte do público. Não conhecia a banda, mas a coragem de encarar uma platéia sedenta por Gillan e Cia. por si só já lhes valia muitos aplausos. Uma boa versão de "Mob Rules" encerrou o "set" de uma banda que estava nervosa, mas segurou a onda com garra.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Passavam das 23h quando fomos informados sobre o problema com o equipamento da banda (a produção foi obrigada a alugar boa parte do mesmo, inclusive o kit de bateria de Ian Paice, em cima da hora), enquanto músicos e "roadies" tentavam acertar o som. Perto da meia noite as luzes se apagam e "Jump" (Van Halen), numa versão "bluegrass" soa no Citibank Hall. Era a deixa para Ian subir na bateria e a banda entrar com tudo ao som de "Pictures Of Home" e "Things I Never Said" ("bonus track" japonesa de "Rapture Of The Deep"). Sem perder muito tempo, e com certo nervosismo, emendam "Into The Fire" e a excelente "Strange Kind Of Woman". De cara Ian Gillan mostrou estar bem melhor do que em 2005 (não compareci ao show do Riocentro), quando tocaram na mesma casa, e Roger Glover parecia o vovô garotão que corre, agita e transborda empolgação

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Neste momento do show a banda já demonstrava estar mais relaxada (o som estava muito bom, considerando os problemas ocorridos) e Ian Gillan era carisma puro, mesmo sofrendo com a idade (talvez de todos os integrantes seja ele quem demonstre que os anos fizeram seu serviço). Mas o Deep Purple não para e "Rapture Of The Deep" e a surpresa "Mary Long" (de "Who Tho We Think We Are" de 1973) funcionam muito bem, assim como a "nova" "Kiss Tomorrow Goodbye". Neste ponto era hora de Steve Morse fazer seu já tradicional solo ("Well Dressed Guitar" – curiosamente a banda permaneceu no palco, inclusive Ian Gillan em boa parte do mesmo), no qual ele brinca com "riffs" e frases de bandas famosas. Aí está o ponto polêmico do show. Eu entendo perfeitamente que Steve quer brincar com a platéia, e de fato isso funciona muito bem, e que o mesmo é um grande guitarrista, mas para uma banda com 40 anos de serviços prestados ao rock, e com um espectro musical amplo e mágico como o Purple, porque ele não puxa solos ou frases da própria banda? Eu preferiria muito mais ouvir o "riff" de "Burn" do que o de "Sweet Child O´Mine". Nessas horas tenho que dar ouvidos aos que dizem: "Blackmore faz falta..."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Terminado o solo de Morse a banda toca "The Battle Rages On", a grande surpresa, e que é bem recebida por todos (do último CD com Ritchie, de 1993), assim como "Lazy", que é seguida por um solo contido de Don Airey (achei meio forçado... um tanto quanto desleixado) abrindo espaço para o urro fenomenal ouvido na casa ao soarem os primeiros momentos de "Perfect Strangers", seguida pelas não menos matadoras "Space Trucking", "Highway Star" (a famosa "intro" crescente que a banda faz há anos"), e o hino mais que obrigatório "Smoke On The Water". Uma sequência que não deixa pedra sobre pedra. A banda se despede e ecos de "Black Night" são ouvidos da platéia.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como a voz do povo é a voz de Deus a banda retorna executando "Black Night", deixando "Hush" de fora (esta sequência já era do conhecimento do público e constava no "set" oficial), encerrando com bastante emoção 90 minutos de puro rock.

Podem reclamar que poucas mudanças foram feitas na seleção de músicas, que existem milhões de canções do Purple que merecem ser ouvidas, e que Gillan não tem mais a mesma voz, mas a bateria precisa de Paice (um monstro) e a performance mais que convincente da banda evidenciam que o Purple ainda tem muito o que mostrar para aqueles que querem (e precisam) aprender o que é rock and roll. E tenho dito!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Deep Purple (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 22/02/2008)

Resenha - Deep Purple (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 22/02/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Glenn Hughes: Burn do Deep Purple foi um momento glorioso para ele e Coverdale

Deep Purple: "amo estar numa banda", diz Glover



Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.