Resenha - Pulley, Dead Fish, Carbona, Ack (Ballroom, Rio de Janeiro, 20/07/2003)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Miurrause
Enviar correções  |  Ver Acessos







Num final de semana carregado de shows na cidade, com direito a Replicantes e Autoramas na véspera, o Rio de Janeiro recebeu os capixabas do Dead Fish e os americanos do Pulley que, acompanhados dos locais e já bem conhecidos ACK e Carbona, levaram um grande público ao Ballroom para uma noite do bom e velho punk rock.

Abrindo a festa, os veteranos do ACK apresentaram sua nova formação, com três, num show que empolgou a molecada presente. O garoto Guga, ex-Core Flakes, se juntou à Kindim e Sad nas guitarras da banda, numa formação inédita e que agradou a todos.

Levando músicas de seus dois primeiros discos, "Play" e "Granada Drive-In", além de músicas novas, a banda agitou o local por toda a apresentação. Músicas já consagradas e clássicas como "She Lost Control", "Happy Song" e "Você Não Gosta de Música" dividiram espaço com novos petardos como "Descontrole Emocional".

Aumentando ainda mais o clima de festa rock'n'roll, a participação de amigos por todo o show, como Bodão e Melvin, do Carbona, foi um adicional para o público. No final, a sempre pedida "Michael J. Fox" foi tocada, levando a casa abaixo.

Minutos depois, o pessoal do Carbona sobe ao palco com seu bubblegum, num show agitado e que mostra o quão entrosada a banda está, além do visível carisma do guitarrista Henrique. Depois de seis discos e mais de cinco anos de banda, com excelente retorno do público e com clip rodando na MTV, o Carbona ainda tem a energia mostrada no seu primeiro show e consegue levantar a todos com suas músicas de três acordes e refrões pegajosos.

Músicas do último disco, "Taito Não Engole Fichas", acompanhadas de sons antigos, como "Loly Pop", "Lemon Drops" e "Macarroni Girl" foram a tônica do show. Se, por um lado, a banda não decepcionou, correndo o tempo todo pelo palco e agitando, o público não deixou por menos, cantando e dando moshes que assustavam os seguranças presentes.

E, como aconteceu no primeiro show da noite, ACK e Carbona dividiram mais uma vez o palco, dessa vez cantando "All My Friends Are Falling In Love", música do trio bubblegum mas que foi regravado pelo ACK no seu último disco. Kindim, guitarrista do ACK assumiu o baixo, com PP, Guga e Fábio nos vocais, enquanto Henrique continuava a correr e levantar o Ballroom. Festança punk rock carioca de primeira.

Depois foi a vez dos capixabas do Dead Fish tocarem e mostrarem seu excelente repertório para os cariocas. E, para todos os presentes, foi essa a banda que realmente atraiu o pessoal que saiu de casa no domingo para o show. O número de seguranças não foi capaz de segurar o público, que subia e cantava no palco, sem, no entanto, representar perigo para os presentes. A agitação era total e tudo acontecia na maior tranqüilidade, sem brigas ou confusão. O povo queria mesmo era música. Prometendo voltar à cidade no ano que vem, o Dead Fish encerrou o show com um cover da banda Fugazzi, deixando a platéia esgotada, mas feliz.

Finalmente, os americanos do Pulley se preparam para tocar, com a responsabilidade de manter o nível mostrado pelas bandas nacionais. E, enfim, vindos de bandas de primeiro escalão como Strung Out, Face To Face e No Use For A Name, isso não parecia difícil. Pois é, mas foi.

Os gringos não conseguiram mostrar ao público tudo aquilo que era esperado deles. Começando o show com "Hooray For Me", "If" e "Cashed In", o Pulley não soube manter o povo presente no clima, talvez por cansaço ou por puro desinteresse mesmo. A verdade é que, diante de um show fraco, as pessoas iam esvaziando a casa. Talvez culpa fosse a concorrência desleal de uma nova apresentação de Wander Wildner, dessa vez sem os Replicantes, a poucos quarteirões do Ballroom.

O Pulley até que tentou manter a animação, mas, claramente decepcionados por um público cada vez menor e que recebeu bem as bandas locais, os americanos desanimaram e acabaram um show morno para pouco mais de 100 pessoas...



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Pulley"Todas as matérias sobre "Ack"Todas as matérias sobre "Carbona"Todas as matérias sobre "Dead Fish"


Dead Fish: Quem faz cover não está somando em nada nem pra si mesmoDead Fish
"Quem faz cover não está somando em nada nem pra si mesmo"

Porão do Rock: remarcado para outubro, festival anuncia novas atrações para 2019

Quadradinho de oito hardcore no show do Dead FishQuadradinho de oito hardcore no show do Dead Fish

Dead Fish: A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo FacebookDead Fish
A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo Facebook


Led Zeppelin: plágios, homenagens ou mera coincidência?Led Zeppelin
Plágios, homenagens ou mera coincidência?

Black Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill WardBlack Sabbath
Mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward

Para tocar: O que são tablaturas e como usá-las?Para tocar
O que são tablaturas e como usá-las?

Axl Rose: Sobe na porra do palco ou você vai morrer!Axl Rose
"Sobe na porra do palco ou você vai morrer!"

Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musicalBandas Iniciantes
17 maneiras de assassinar sua carreira musical

Vinnie Paul: causa da morte do baterista é revelada por médico-legistaVinnie Paul
Causa da morte do baterista é revelada por médico-legista

Slipknot: próximo disco será violento e desconfortávelSlipknot
Próximo disco será "violento" e "desconfortável"


Sobre Marcelo Miurrause

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.