Resenha - Angra (Lapa Multishow, Belo Horizonte, 21/12/2001)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Angra tinha agendado seu show em Belo Horizonte para o início de Dezembro. O grupo até chegou à capital mineira naquele período, mas teve que voltar, devido a interdição do Lapa Multshow, pela Prefeitura de Belo Horizonte.
1122 acessosAngra: discografia de volta ao Spotify5000 acessosSemelhança: vocalistas de rock com vozes quase iguais

Mais um ledo engano de nossos governantes, que claramente queriam fazer média com o povo após o desastre no Canecão Mineiro. A casa tem segurança, é agradável, e não há muito o que se modificar ali. Até a qualidade do som surpreende. Não chega a ser uma maravilha, mas fica bem acima da média do que temos no Brasil. Em quase nada prejudica as composições, mesmo de bandas com arranjos tão ricos, como foi o caso.

Atitudes a serem tomadas no Lapa se restringem ao mandato de prisão a alguns seguranças, despreparados e desqualificados, que prejudicam quem vai a trabalho e também aqueles que compram ingresso e querem apenas curtir o espetáculo.

Problemas e embromações a parte, os fãs compareceram em peso para acompanhar o novo Angra, com Edu Falaschi, Aquiles Priester e Felipe Andreoli. Desde cedo, várias pessoas, de diversos cantos das Minas Gerais, se aglomeravam na porta, à procura de uma posição mais próxima de seus ídolos. A fila só aumentava, e o resultado superou as mais positivas expectativas. Com certeza um dos recordes de público na história do Lapa, com cerca de mil e quinhentas pessoas presentes.

O Thespian, que já havia aberto para o Stratovarius, estava lá mais uma vez, para segurar a ânsia dos ‘Angra maníacos’. Não fez feio. Set list bem equilibrado, covers escolhidas a dedo, e músicos competentes. O vocalista força demais as vezes, tentando ir além de sua capacidade, mas não chega a ser prejudicial. Vale a pena checar o trabalho dos caras, e pelo menos como banda de abertura, eles se garantem tranqüilamente.

O intervalo entre a apresentação de uma banda e outra foi consideravelmente grande. Rolaram pelo menos seis ou sete músicas do Nevermore e em seguida começou a seção clássica, que parecia não ter fim. A introdutória “In Excelsis” não surgia e esse joguinho foi exaltando os ânimos, até a explosão total com “Nova Era”.


“Acid Rain” veio em seqüência, e deixou bem claro o entrosamento já existente entre antigos e novos integrantes. A reação da platéia impressionou, mesmo com o Angra carregando a bagagem de cinqüenta mil cópias vendidas de “Rebirth”, só no nosso país. O lançamento é razoavelmente recente e o pessoal já delira com as novas músicas, como se fossem clássicos antigos.

A atuação de Edu Falaschi foi esplêndida. Nas canções do novo álbum, perfeito, não há o que falar. Nas interpretações das composições da fase Matos, impressionante. Falaschi pode até não chegar aos agudos do ex-vocalista da banda, mas supera isso com tranqüilidade e firmeza, mantendo uma regularidade assustadora. Aconteceram alguns mínimos vacilos em “Nothing To Say” e “Time”, mas nada de absurdo, apenas escorregões naturais mesmo.

O set list contou ainda com, entre outras, “Millennium Sun”, “Heroes Of Sand”, “Unholy Wars”, “Running Alone”, “Angels Cry”, “Carry On”, “Make Believe” e “Metal Icarus”. O triste mesmo é o final. O Angra, com toda a moral que tem e depois de tanto apoio e sucesso, ainda se mostra uma banda de mente pequena, com apelos banais e populistas, fechando o show com “The Number Of The Beast” do Iron Maiden. Empolga o público, é verdade, mas o grupo já tem capacidade de finalizar uma apresentação e incendiar os presentes, com suas próprias músicas, que estão marcando época e influenciando tanta gente. Todo mundo já percebeu isso, só Kiko Loureiro, Rafael Bittencourt & cia que não, e insistem nessa bobagem, que soa tão falsa e apelativa quanto aquelas frases do tipo: “Políticos do Brasil, vão se f*der”. Enfim, é uma encheção de lingüiça danada, uma palhaçada desnecessária.

Independente das apelações, o Angra foi monstruoso no palco. Um dos melhores shows de metal na atualidade, realizado por um conjunto de sucesso merecido e que tem tudo para crescer inacreditavelmente mais.

Angra – http://www.angra.net
Cogumelo Records – http://www.cogumelo.com

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

AngraAngra
Veja Rafael "ensinando" Valverde a tocar bateria

1122 acessosAngra: discografia de volta ao Spotify1289 acessosAngra e Hangar: Fábio Laguna conta como entrou nas bandas2419 acessosAngra: "reunião" durante aniversário de Paulo Baron, veja vídeo639 acessosBruno Sa: comenta a morte de Paul O'Neill e relembra audição1075 acessosAquiles Priester: No lugar onde montou a sua primeira bateria0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Metal NacionalMetal Nacional
As 10 melhores músicas de 2015

AngraAngra
Veja Rafael "ensinando" Valverde a tocar bateria

Ricardo ConfessoriRicardo Confessori
"Iron Maiden, aposenta logo!"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

SemelhançaSemelhança
Alguns vocalistas de rock com vozes quase iguais

LombardoLombardo
"Chocado" por atitude do Slayer no memorial de Jeff

Dave MustaineDave Mustaine
"Atirador do Dawson College não merecia ser fã do Megadeth!"

5000 acessosGuns N' Roses: Adler se mata ou mata alguém se reunião rolar sem ele5000 acessosBarack Obama: "não sou o vocalista do Korn", diz o "fantoche illuminati"5000 acessosBurzum: Vikernes diz que não se arrepende de nada5000 acessosAxl Rose: escritor fala sobre ansiedade e paranoia que ele sofre5000 acessosOzzy: Sharon se sentiu terrível após levar lição de moral do U25000 acessosLado feminino: astros do rock que se vestiram de mulher

Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online