Max Cavalera: The Bigmouth Strikes Again

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Junior, Fonte: PipocaTV
Enviar correções  |  Ver Acessos

Max Cavalera saiu do Sepultura no final de 1996 após desentendimentos sobre como sua esposa, Gloria Cavalera, gerenciava a banda. Os outros integrantes, incluindo seu irmão, demitiram-na da função de empresária e Max saiu pela porta de trás.

Guitarristas: 15 músicos que provavelmente você não conheceHumor: Os impressionantes diários secretos de Roger Waters

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

São 20 anos e desde então cada um seguiu seu caminho musical. A banda mineira trouxe Derrick Green para substituir Max e o ex-vocalista fundou o Soulfly, banda com a qual fizera um relativo sucesso. O Soulfly já trazia uma mistura sonora interessante, hibridismo que o Sepultura mostrou em "Roots", no mesmo ano em que o vocalista deixou a banda.

A estreia de Derrick foi em 1998 no disco "Against", um desafio para banda que havia perdido seu front-man, o porta-voz, o cara responsável pelas ideias musicais e líricas da maior banda de metal surgida no país até então. O "Fumaça" (apelido de Derrick) não apenas se integrou à banda, como teve a difícil tarefa - de juntamente com o Sepultura - não deixar a marimba cair.

Por isso é de se lamentar, que a cada momento que tem oportunidade, Max não consiga valorizar todos os seus projetos no presente e fazer publicidade tão somente do seu trabalho, que não é ruim. Óbvio que a imprensa metal sabe que se "cutucar" o guitarrista, ele vai dizer o que pensa sobre seus antigos colegas, mas a obviedade se aplica também ao fato que ele não consegue dar o mesmo destaque ao que efetivamente ele faz em detrimento ao que um dia fez. Ninguém no Sepultura é maluco de ignorar o talento e a contribuição do criador da banda e se o músico fosse mais "carinhoso", certamente alguma colaboração musical já teria rolado entre eles. O problema é a língua do Max.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se seu irmão opta pela discrição, Max não apenas ofende como diminui o papel dos caras. Em uma ocasião, por exemplo, chegou a dizer que Paulo Jr não sabia tocar baixo, que ele, Max, era o responsável pelas linhas do instrumento, que na verdade, quase não aparece no produto final. Isso é um outro assunto.

Numa ladainha que lembra a novela (que graças a Deus acabou) "Mustaine / MetallicA", Max há quase 20 anos não consegue se desvencilhar do Sepultura, mesmo que a banda já tenha se desligado dele, moldando seu som, reconstruindo sua identidade e curando suas próprias feridas. Já disseram em várias ocasiões o quanto foi difícil retomar o trabalho.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pra mim, ao menos uma coisa ficou muito clara com essa história quase sem fim: tivesse conseguido o mesmo êxito em seus projetos que conquistara com sua antiga banda, Max seria menos falastrão. A "verdade" (ela está lá fora né?) é que o moço precisa lembrar ao mundo que seu maior sucesso foi justamente aquele que ele escolheu sair. Max opta - de maneira bem idiota - em não ser lembrado como o cara do Soulfly (que vai fazer 20 anos ano que vem), mas como o ex-vocalista do Sepultura. Uma dose de dignidade lhe cairia bem.

No mundo do rock existem inúmeros exemplos semelhantes. Não apenas de falastrices, mas de mudanças de rota. O início a cobrança é grande (quase ninguém pensa na pressão que o Derrick teve), mas as mudanças são quase sempre salutares. Paul Di'anno, Blaze Bayley, Ian Gillan e até o grande Dio, tiveram que fazer mudanças em suas vidas e com muito talento e profissionalismo, seguiram suas escolhas. Os exemplos que trago não apontam para os resultados comerciais, mas pela postura madura em conviver com tais alterações de rumo. "E o Portnoy?" Humm... Esse eu ainda tenho minhas dúvidas. Voltando...

Um exemplo disso é o supra citado Dave Mustaine. Depois de sair da sombra do MetallicA, o patrão de Kiko Loureiro, tem provado, disco a disco, que tem muita lenha pra queimar. Seu som tem DNA e fica difícil olhar para guitarrista como o ex-integrante do MetallicA, mas sim o fundador e mentor do Megadeth.

Temos histórias que são o avesso do avesso também. A carreira solo de Bruce Dickinson sempre teve ótimos predicados. O músico - por um tempo - desejou seguir seu caminho fazendo um som menos "steveharriano" para apostar num metal mais puro. Se não acertou em tudo (tenho minhas críticas para "Accident of Birth"), ao menos teve a coragem de ir em frente sem cuspir no prato que comeu.

Max tem bons trabalhos, não se equivalem em estilo e qualidade aos trabalhos do Sepultura (na minha opinião) mas são suficientes para mantê-lo tocando em festivais, sendo lembrado como uma ótima figura do rock e sustentando sua vida nos Estados Unidos.

Dá uma enorme vergonha alheia ver um cara experiente e talentoso sublimando sua própria postura artística para a cada depoimento apontar para o Sepultura como um vilão em Gotham City e definitivamente, Max, você não é o Batman.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "Sepultura"Todas as matérias sobre "Cavalera Conspiracy"Todas as matérias sobre "Soulfly"Todas as matérias sobre "Max Cavalera"


Andreas Kisser: como foi escolher um novo vocalista para o Sepultura?Andreas Kisser
Como foi escolher um novo vocalista para o Sepultura?

Cavalera Conspiracy: não vivemos do passado, diz IggorCavalera Conspiracy
"não vivemos do passado", diz Iggor


Guitarristas: 15 músicos que provavelmente você não conheceGuitarristas
15 músicos que provavelmente você não conhece

Humor: Os impressionantes diários secretos de Roger WatersHumor
Os impressionantes diários secretos de Roger Waters


Sobre Daniel Junior

Daniel Junior era blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colaborava com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Daniel faleceu em 2017 e definitivamente fará falta.

Mais matérias de Daniel Junior no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280