Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemAnitta é a maior roqueira que existe hoje no Brasil, diz integrante do Titãs

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemTommy Lee postou uma foto com o "Dr. Feelgood" de fora

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemLemmy, Filho e Espírito Santo: Gary Holt tem certeza que ele era três ao mesmo tempo

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemSe não fosse o Queen, Max Cavalera provavelmente não existiria

imagemLutador Wanderlei Silva curte noite curitibana com Angra e Sons of Apollo

imagemNergal diz que vocalista do Arch Enemy é mais corajosa do que muito metaleiro homem


Dream Theater 2022

O Que É Punk: Pérola da literatura musical brasileira

Por Mário Orestes Silva
Em 27/09/14

Há mais de três décadas atrás, a editora Brasiliense lançava o primeiro volume de uma coleção que viria a ser um grande sucesso de vendas. Primeiros Passos se tornou uma série de livros referencial para muitos leitores e principalmente para estudantes que na época, privados de internet, gozavam de uma escassez imensurável de informações. Logo, um livro em formato de bolso que se apresentava sucinto em cada assunto por edição, veio suprir esta demanda de dados. Dentre os vários assuntos abordados, evidente que a cultura pop estaria presente. Retratando muito bem as tendências do momento, o jornalista Antonio Bivar seria convidado a escrever uma pérola da literatura musical brasileira. O Que É Punk.

Com uma pegada totalmente didática, o autor começa o livro introduzindo o leitor no contexto histórico do mundo contemporâneo. A política, a economia, a serenidade que prevaleceu pós-segunda guerra mundial com a chamada guerra fria, a moda e a indústria cultural. No Brasil, a decadência de um regime militar autoritário que suprimia a classe média e a instabilidade monetária frente a uma inflação em ascensão. No cenário musical, o modismo ditado pela dance music e o tédio narcisista do rock progressivo. Tudo isso acumulado com o excesso de testosterona, fez o jovem regurgitar o que conhecemos como punk rock. Reconhecendo a criação do movimento nos Estados Unidos, mas aceitando seu desenvolvimento e popularidade mundial provindos na Inglaterra, Bivar traça um panorama plástico citando muitas bandas, músicas, fanzines, eventos marcantes e acontecimentos de bastidores que viriam ilustrar toda uma geração subversiva que assustou o mainstream vigente. Sex Pistols, Ramones, New York Dolls, Stooges, Damned, dentre outros grandes nomes, compõem a história verídica narrada. Nas terras da banana, Olho Seco, Inocentes, Restos de Nada, Condutores de Cadáver, Garotos Podres são algumas das citadas. Nomes pessoais como Fábio Sampaio, Clemente Nascimento e Kid Vinil, também protagonizam o texto com suas máximas e em seus pontos de encontro.

A cada dia que passa, percebe-se a necessidade de uma reedição atualizada da dissertação. A editora Brasiliense bem que poderia fechar este contrato com Antonio Bivar, enquanto este ainda é vivo. A mesma ainda publica a série, inclusive com títulos novos. A coleção, como um todo e em edições separadas, já foi disponibilizada para download gratuito, mas não é difícil de se encontrar seus volumes nos sebos e livrarias das cidades.

Não é um profundo estudo com análise psicológica comportamental e estudos de caso exemplificadores. Ao contrário, O Que É Punk, traz uma narrativa simplista e popular. Porém, deixando claro as peculiaridades marcantes deste movimento juvenil que moldou a história da música mundial.

Volume: 76; 182 páginas; medidas: 16cm x 11cm; primeira edição: 1982.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Marky Ramone comenta sobre o Dust, sua banda antes dos Ramones

Cinco bandas que lançaram discos por três (ou mais) anos consecutivos - Parte 1

Fã de Ramones, Lemmy Kilmister declarou: "Nunca tive saco para o The Clash"

Red Hot se junta ao grupo de bandas que lançaram dois discos no mesmo ano

Ramones: Stephen King desmente Marky Ramone sobre "Pet Sematary"

Dia Mundial do Rock: relembre 100 clássicos lançados na década de 90

Para Joey Ramone, Metallica e thrash metal derivaram dos Ramones

Marky Ramone sobre o CBGB: "Era como um lixão, mas era o nosso lixão"

Cinco músicas que são covers, mas você certamente acha que são as versões originais

Ramones: Como Londres inspirou Joey Ramone a compor "I Wanna Be Sedated"

Dez músicas dos Ramones para você ouvir com mozão no Dia dos Namorados

Lemmy Kilmister e Joey Ramone exaltaram as afinidades entre Motörhead e Ramones

Regis Tadeu escolhe os seus três discos preferidos dos Ramones

A música do Ramones que é mais longa que dez músicas gravadas pelo Dream Theater

A opinião dos Ramones sobre as outras bandas que tocavam no lendário CBGB

Memoráveis como a música: os 25 melhores logos de bandas

Ramones: as 10 melhores músicas da "fase Richie Ramone"

Ramones: relembre 15 grandes músicas lançadas pela banda nos anos 80

The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenho

Fotos de Infância: Red Hot Chili Peppers


Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva.