Tannahill Weavers: Entrevista exclusiva com o flautista Phillip Smillie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar Correções  


Por Tiago Lucas Garcia

Boatos no rock: auto-felação, satanismo, sexo bizarro?

Capas de álbuns: 30 das piores artes da história

Expoentes da musica celta escocesa a mais de trinta anos, se consolidaram como um dos grandes nomes do estilo. Não que vendam milhões de cópias como um Clannad, mas mantém seu séqüito de fãs com a fidelidade ao estilo que propõe (qualquer semelhança com Running Wild ou AC/DC é mera coincidência).

A língua em que a banda canta é outro atrativo. É só dar uma olhada nós títulos das músicas de seu ultimo álbum, Arnish Light, como "Ower The Hills And Faur Awa"e "Cam Ye By Athol", para perceber que se trata de Inglês... mas não exatamente.

Foi uma grande honra entrevistar o flautista Phillip Smillie da minha banda favorita de musica celta , The Tannahill Weavers.

Whiplash! - Phil, primeiramente conte-nos um pouco sobre a historia do Tannahill Weavers. Que parte o ultimo álbum "Arnish Light" tem nesta historia?

Phil / "The Tannahill Weavers" começou no fim da década de 60 quando uns caras que gostavam de tocar juntos em "sessions" (em Paisley, perto de Glasgow) decidiram formar uma banda. Não restou nenhum integrante daquela época – na época que a banda se tornou profissional, por volta de 1974, o "line-up" era Roy Gullane e eu, junto com Hudson Swan e Dougie MacLean. Nosso primeiro álbum ("Are Ye Sleeping Maggie") foi lançado em 1976.

Phil / Depois de mais ou menos um ano, nós decidimos adicionar uma gaita-de-foles "highlander" no grupo – daí veio Alan MacLeod. Ele era um musico em avanço no ramo da gaita-de-foles, e seu estilo completou o som do Tannahill, que não obteve mudanças bruscas mesmo 25 mais tarde.

Phil / Desde lá, a banda gravou 13 álbuns de estúdio, se incluir as coletâneas nós lançamos o total de 16 álbuns. O ultimo "Arnish Light" mantêm com veemência o som a que sempre fomos fieis (com o único desvio do álbum "Passage" de 1983 que é mais contemporâneo na parte instrumental).

Whiplash! - O Tannahill Weavers desde o começo é uma banda acústica, vocês nunca pensaram em tocar algo elétrico?

Phil / Muitas vezes nós pensamos na possibilidade de sermos totalmente imprevisíveis e rumarmos para as rotas elétricas. No álbum "Passage" eu devo admitir que nós experimentamos a idéia sem muita convicção. Algo disso ficou ok, no entanto algo que o álbum nós ensinou foi nunca fazer algo sem convicção. O álbum nunca foi um grande hit, então nós perdemos a confiança no conceito e deixamos de lado. nós voltamos ao jeito acústico no álbum seguinte, "Land of Light", e depois de recebermos ótimos "reviews" para ele, resolvemos estabelecer a fórmula.

Phil / Pessoalmente, eu adoraria fazer um álbum "Tannahill Weavers Plugged". Desta vez isto seria diferente, sem inibições – talvez com um numero de músicos conhecidos do mundo do rock. Eu acredito que nós poderíamos lançá-lo (fiquem de olho no site oficial do Tannahill!).

Whiplash! - Os três últimos albuns do Tannahill são compostos por 12 faixas, divididas quase que igualitariamente entre baladas, "sets instrumentais" e canções mais rápidas. Vocês pensam sobre isso quando estão escolhendo músicas para o álbum, ou isto acontece naturalmente?

Phil / A primeira coisa que nós atrai em uma peça é seu conteúdo melódico, então é claro, um estudo da letra caso seja uma canção. Se ambas passarem pelo teste de democracia da banda, então ela vai para uma lista para ser observada mais tarde. Este processo normalmente leva muitas noites de deliberações (em um "pub" é claro).

Phil / Roy e Lês escrevem suas próprias músicas, no entanto as músicas de Les tendem a ser mais contemporâneas e não encaixam muito bem no som do Tannahill. Roy compõe nós dois estilos e nós tentamos sempre colocar uma de suas canções tradicionais em cada álbum. Eu, John e Colin também compomos música que também gostamos de incluir no álbum quando elas se encaixam.

Phil / A média entre canções e instrumentais é algo que nós prestamos atenção. Nós tentamos não deixar um lado dominar o outro, embora no futuro eu não veja razão para que talvez nós pudéssemos ter um álbum só de baladas ou só de faixas instrumentais.

Whiplash! - Outra coisa interessante sobre o Tannahill Weavers é a linguagem em que vocês cantam. O tipo de inglês que vocês cantam é realmente falado na Escócia de hoje, ou é baseada na época dos poetas Robert Burns e Tannahill? Vocês já tentaram cantar algo em gaélico escocês?

Phil / Existem muitos dialetos falados na Escócia, mesmo hoje em dia. Para mim o mais difícil de entender é o sotaque de Aberdeen. Você viaja de Glasgow até Edimburgo, 36 milhas, e o sotaque e algo da linguagem muda completamente.

Phil / A maioria das músicas escocesas que nós cantamos são das terras-baixas da Escócia – da costa oeste, principalmente Ayrshire e Glasgow embora não exclusivamente. A maioria de nossas canções datam da época de Robert Burns e Tannahill (final do século 18 começo do 19) – infelizmente, ninguém fala desse jeito hoje em dia. Nós cantamos uma música em gaélico no álbum "Cullen Bay", mas como nenhum de nós tem o gaélico como língua nativa, nós achamos melhor deixar isto para os "experts" das muitas bandas gaélicas que estão sempre surgindo.

Whiplash! - Quase todos os grupos tradicionais escoceses são formados por homens (como o Battlefield Band, Silly Wizards, Old Blind Dogs) mas quase todas as bandas irlandesas têm pelo menos uma mulher no lineup (como o Dervish, Clannad e o Altan). Por que isto ocorre? A musica escocesa não serve para mulheres? Os músicos escoceses não gostam de mulher? (risos)

Phil / Eu não acho que exista uma conspiração contra mulheres na música escocesa. Alguma de nossa melhor musica é cantada e tocada pelo abundante e emergente talento feminino da Escócia. Karen Matheson do Capercaillie tem sido uma influencia não somente na Escócia, mas no mundo todo.

Phil / Para ser honesto não existem muitas bandas escocesas que fazem turnês mundiais no momento. Entretanto existem muitas mulheres tocando música tradicional na Escócia, que você pode não ter ouvido ainda.

Phil / Sem dizer que o Battlefield Band, o Tannahill, e até mesmo o Silly Wizards tiveram uma vocalista em alguma de suas formações. O Battlefiald Band no ano passado tiveram uma vocalista/violonista. Infelizmente ela gravou apenas um álbum com eles. No começo de carreira uma ótima vocalista (Silvia Barns?) gravou dois álbuns com eles.

Phil / Em 1975 o Tannahill recrutou uma maravilhosa vocalista de Newcastle (norte da Inglaterra) que ouvimos muitas vezes cantar enquanto fazíamos turnê pelo país. Estritamente falando eu acredito que nós tivemos uma mulher como vocalista antes mesmo do Dervish ou do Altan. Seja como for, quando nós sugerimos para a vocalista que seria talvez uma boa idéia ela usar um vestido no palco, ela nós mandou um "fuck off" de uma maneira bem natural. É claro, no mundo de hoje esta seria a resposta natural! De qualquer forma continuamos insistindo com ela sobre isto, e ela de forma relutante acabou concordando. Quando fomos chamados para ir ao palco, saindo do camarim nós deparamos com aquela amável mulher usando um vestido que chegava entre os pés e o joelho, porém em uma inspeção mais minuciosa ela estava ainda vestindo seu jeans por baixo do vestido. Esta foi a ultima vez que vimos ela de vestido, e nenhuma palavra sobre isto foi mencionada.

Whiplash! - Quando nós ouvimos a palavra "celta" muitas coisas diferentes vêm a mente. Muitos pensam nós celtas como o povo mitológico do mundo antigo, mas o Tannahill Weavers parece mais próximo do cenário dos highlanders do século XVIII. Qual é o cenário que nós traz a musica do Tannahill, o antigo, o século XVIII ou os dias de hoje?

Phil / Sempre foi nosso objetivo trazer a musica celta dos últimos séculos para dentro do mundo moderno. É importante para nós fazer a musica apresentável para as gerações mais novas. Eu penso que nós conseguimos isto, usando música antiga com arranjos modernos.

Whiplash! - Eu ouvi uma vez que os irlandeses despejam cerveja Guinness dentro da flauta. Você sabe porque eles fazem isso? Os escoceses despejam whisky dentro das flautas? (risos)

Phil / Eu nunca ouvi falar dos irlandeses despejando Guinness na flauta. Entretanto, depois de beber alguma delas isto é inteiramente possível. Os escoceses preferem despejar whisky dentro de outro tubo (suas gargantas).

Whiplash! - Phil, você sabe algo sobre a música brasileira? Você tem conhecimento que existe uma banda chamada "MacUmba" que toca musica escocesa com percussões afro-brasileiras?

Phil / Eu não sei muito sobre musica brasileira, de qualquer forma eu vou procurar pela banda "MacUmba" que você mencionou. Uma de nossas ambições é um dia descer para tocar ai no Brasil. Nós temos contato com fãs do Brasil ocasionalmente, e eu tenho convicção que seríamos bem recebidos.

Whiplash! - Quando escrevi um artigo sobre musica folclorica neste site, eu escrevi que o Tannahill Weavers são, sem nenhum instrumento elétrico, mais "rocker" (em termos de energia) do que muitas bandas pór aí. A propósito, o que você pensa da mistura folk & rock? Você sabe que existem bandas de folk metal (isto é, ainda mais pesadas que as bandas de folk rock)?

Phil / Infelizmente o termo "folk rock" está um pouco fora de moda agora, como talvez estivesse nós anos 70 e começo dos anos 80. Eu ainda gosto da idéia, embora o direcionamento tenha se modificado. Muitas bandas estão fazendo experimentos com ritmos africanos e é claro, influencias da América do Sul. Isto faz o "MacUmba" interessante para mim. Eu acho que as tendências vêm e vão, então é possível que o "folk rock" volte.

Whiplash! - Estando tantos anos na estrada você deve ter algumas histórias engraçadas para contar. Conte-nos a mais engraçada, por favor!

Phil / Trinta anos na estrada traz muitas historias. Nós cogitamos a possibilidade de escrever um livro sobre nossas experiências. É claro que isto depende do tempo disponível. Eu tenho que admitir que muitas das histórias que estão entre as mais engraçadas não são dignas de ser repetidas em público, se é que você me entende. Dos velhos tempos eu tenho uma história que não foi muito engraçada na época, entretanto nós podemos rir dela agora. Nós estávamos em turnê pela Alemanha e tínhamos acabado de tocar no festival de Frankfurt. Nosso próximo compromisso era cedo no dia seguinte, a 500km de distância, em Dortmund, então nós decidimos viajar através da noite. Nosso ônibus naquela época tinha uma cortina separando a banda, que dormia, e o motorista. De qualquer forma, depois de 100km nós paramos em um posto de gasolina. Enquanto o motorista abastecia, Dougie MacLean (nosso violinista na época) foi comprar alguma coisa. Depois de, mais ou menos dez minutos, nosso tanque estava cheio e nós voltamos para auto-estrada. A banda dormiu todo o caminho até a chegada em Dortmund. Quando nós desembarcamos no hotel ficamos totalmente confusos em perceber que Dougie tinha sumido. Claro, sabendo que nossa última parada tinha sido no posto de gasolina, nós percebemos que nosso motorista havia esquecido a "regra sagrada" de sempre checar se todos estavam no ônibus para sair! Ele não tinha percebido que alguém tinha acordado, muito menos que alguém teria saído do ônibus. Dougie tinha sido esquecido no posto às duas da manhã.

Phil / Ele nós contou mais tarde que tinha saído da loja do posto de gasolina apenas para ver nosso ônibus indo embora pela auto-estrada. Ele saiu atrás, mas o motorista não o viu, nem o ouviu. Para piorar a situação de Dougie ele estava no meio do inverno, sem um agasalho ou dinheiro e estava empacado sem lugar para ir. Depois de uma hora esperando que notássemos sua ausência e voltássemos, ele começou a pedir carona e foi pego pela polícia alemã. É ilegal pedir carona na auto-estrada, então levaram Dougie para a cadeia! Felizmente, Dougie conseguiu lembrar o nome do hotel a que estávamos nós dirigindo em Dortmund, a policia ligou então para o hotel e verificou que o nome dele estava agendado para aquela manhã. Isto convenceu os policiais de sua história, mas ficaram com o problema de como proceder com ele. Eles ocasionalmente levaram Dougie de volta para o posto de gasolina e pararam um caminhão que estava indo para Dortmund, pedindo para o motorista para levá-lo, que foi o que aconteceu. Tudo terminou o melhor possível quando Dougie chegou no hotel algumas horas mais tarde que nós. Desde aquele dia em 1976 nós sempre conferimos se todos estão juntos antes de partir! Eu não sei se Dougie vê humor nessa historia ainda, mas ao menos é uma historia com final feliz!

Confiram o site oficial: www. tannahillweavers. com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Boatos no rock: auto-felação, satanismo, sexo bizarro?Boatos no rock
Auto-felação, satanismo, sexo bizarro?

Capas de álbuns: 30 das piores artes da históriaCapas de álbuns
30 das piores artes da história


adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin