The Cramps e Johnny Cash: cadeias, hospícios e palcos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Ao filósofo ERASMO de ROTERDA (1466-1536) se atribui a máxima: "A pior das loucuras é, sem dúvida, pretender ser sensato num mundo de doidos". Nesse sentido, procurar coerência e causalidade em meio ao caos parece ser mesmo um exercício de esterilidade nesse mundo. Assim, a situação não poderia ser diferente no microcosmo do rock n'roll, a quintessência da doideira geral dos últimos cinqüenta anos.

Lágrimas nos olhos: 25 músicas para chorarPreços: quanto custa para contratar a sua banda favorita

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por mais diferentes que possam ser as biografias de um dos genitores do rockabilly, JOHNNY CASH, e dos mentalmente enfermos californianos do THE CRAMPS, uma coisa pode-se dizer: no critério "levar o som às massas", eles erigiram a literalidade da frase às últimas conseqüências. Se alguém acha que o máximo de inventividade em shows ao vivo foi tocar em um vulcão extinto ou em cima de um telhado, é porque ainda não conhece o "lado escuro" do backstage.

Em 1968, CASH, então já aclamado e reconhecido mundialmente, bateu o pé na gravadora Columbia e avisou - ao modo cowboy cascudo de ser - que iria gravar uma apresentação para um seleto grupo de fãs do qual recebia cartas diariamente: os detentos da prisão Folsom, cuja identificação com o cantor nasceu da composição de "Folsom Prison Blues" e de sua fama de ex-presidiário - exagerada ao extremo, uma vez que CASH só ficara preso por um dia, anos antes.

O homem de preto (que já havia tocado lá havia dois anos), quebrou, claro, todos os protocolos, meteu o pau no sistema carcerário, levou a mulher JUNE CARTER para cantar com ele na frente de homens em celibato forçado e, para fechar com chave de ouro, tocou "Greystone Chapel" de GLEN SHERLEY - adivinhe- preso por assalto a mão armada e morador permanente daquele local. Não satisfeito, intercedeu junto ao governador, liberou o sujeito e realizou o sonho do mesmo se tornar cantor! (SHERLEY morreria em 1978).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dez anos depois, uma desconhecida banda, cheia de gente esquisita, capitaneados por um sujeito de aspecto "franksnsteineano" que atendia pelo nome de LUX INTERIOR e sua esposa, a guitarrista POISON IVY, fazia um de seus primeiros shows, ainda sem nenhum disco gravado. Nada de boteco ou ginásio: o local escolhido foi o Hospital Psiquiátrico Estadual de Napa na Califórnia. O set, curto, teve vinte minutos, foi toscamente filmado e, ao que parece o público foi bem receptivo. Ou talvez, não tenham entendido nada mesmo.

Folsom Prison Blues (documentario):




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Cramps"Todas as matérias sobre "Johnny Cash"


Iron Maiden: o que Johnny Cash e Paul McCartney disseram ao conhecer a bandaIron Maiden
O que Johnny Cash e Paul McCartney disseram ao conhecer a banda

Johnny Cash: 10 músicas de rock que ele regravouJohnny Cash
10 músicas de rock que ele regravou


Lágrimas nos olhos: 25 músicas para chorarLágrimas nos olhos
25 músicas para chorar

Preços: quanto custa para contratar a sua banda favoritaPreços
Quanto custa para contratar a sua banda favorita


Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: [email protected]

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280