RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemJimmy Page diz não haver gênio no rock - mas um gênio fez ele se contradizer

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemO show do Engenheiros do Hawaii sem Humberto, que eles achavam que havia sido sequestrado

imagemO ponto fraco de Yngwie Malmsteen segundo Ronnie James Dio, em 1985

imagemAs 20 melhores músicas do Nightwish, em lista da Metal Hammer

imagemA reação de King Diamond ao ouvir Metallica tocando músicas do Mercyful Fate

imagemRússia pede para que Roger Waters fale com a ONU sobre a situação da Ucrânia

imagemPor que Herbert Vianna gosta muito do riff de “Eu Quero Ver o Oco” do Raimundos?

imagemBruce Dickinson explica como cuida de sua voz

imagemRoger Waters ataca a Ucrânia e é ofendido por esposa de David Gilmour


Stamp

Red Rose Speedway: teria Paul McCartney ainda que provar algo?

Resenha - Red Rose Speedway - Wings

Por André Luiz Paiz
Fonte: 80 minutos
Postado em 20 de outubro de 2017

Se tratando de negócios, sim! Após o lançamento do criticado "Wild Life", McCartney estava determinado a dar a volta por cima. Converteu os Wings em um grupo de cinco, adicionando o guitarrista Henry McCullough como apoio a Denny Laine e propôs à gravadora, um álbum duplo. Nada feito! A intenção da gravadora era reduzir custos e lançar um álbum mais direto e comercial. Além disso, McCartney foi "convidado" a lançar o novo trabalho em nome de "Paul McCartney And Wings", buscando maior visibilidade. O produtor Glyn Johns foi convidado a produzir as sessões de gravação do álbum, mas acabou desistindo logo em seguida. Primeiro por algumas desavenças com Paul e segundo por não ter se impressionado como esperava com o material entregue.

Na minha opinião, "Red Rose Speedway" mostra um Paul McCartney de volta aos trilhos, buscando uma nova identidade dentro de sua nova banda, em que tentava a todo instante mostrar aos ouvintes que realmente se tratava de um grupo e não um projeto solo. Há grandes momentos e é possível notar uma grande expansão das influências de Paul como compositor. Além das faixas lançadas no álbum e resenhadas mais abaixo, destas sessões também saíram grandes músicas, como a espetacular 007 "Live And Let Die", a censurada "Hi, Hi, Hi", a divertida "C Moon" e a country "Country Dreamer".

Começando com "Big Barn Bed", é possível notar nesta faixa a intenção de Paul em realmente projetar os Wings como um conjunto. Grandes vocais em uma faixa que não é espetacular, mas é interessante.
Em seguida, o primeiro grande "hit" dos Wings, "My Love". Belíssima balada, que inclusive fez o álbum atingir o topo e poderia estar tranquilamente em qualquer álbum dos Beatles. Particularmente acho a versão ao vivo do álbum "Paul Is Live" a melhor delas. Fantástica. Além disso, a faixa eternizou o guitarrista Henry McCullough, autor de um dos solos de guitarra mais belos da história do Rock.

Curiosamente acho "Get on the Right Thing" uma das melhores faixas. Não sei, tem algo nela que me encanta. Uma faixa diferente, inovadora e com grande execução por parte dos músicos, principalmente de Paul.
"One More Kiss" é engraçadinha. Explora o que disse anteriormente, sobre Paul ter expandido seu leque em termos de composição. Uma bela e animada balada.

Outro grande momento do álbum é "Little Lamb Dragonfly". De melodia belíssima e com performance emocionante de Paul, é uma balada quase que progressiva e de muito bom gosto.

Com pitacos de "Martha My Dear", "Single Pigeon" poderia figurar entre as faixas de Paul para o álbum branco dos Beatles. Uma bela balada conduzida pelo piano característico de Paul.

"When the Night" é mais um destaque. Adoro estas faixas diferentes de Paul, com belas melodias, fugindo um pouco do tradicional e daquelas manjadas sequências de acordes do pop/rock.

A próxima faixa, "Loup (1st Indian on the Moon)", não gosto. Desnecessária, sendo que nada acrescenta. Inclusive, esta faixa consta em um artigo do site da Rolling Stone internacional chamado: As doze canções mais esquisitas de Paul McCartney. Sem mais...

Finalizando o álbum, a última faixa é um medley com as canções "Hold Me Tight", "Lazy Dynamite", "Hands of Love" e "Power Cut". É até interessante e gosto principalmente das duas baladas "Hold Me Tight" e "Lazy Dynamite". É impossível não perguntar a si mesmo se Sir Paul McCartney tentou aqui repetir o sucesso do fantástico medley do álbum Abbey Road do Beatles. O motivo foi o mesmo, muitas faixas inacabadas que acabam virando um apanhado. Segundo Paul e Denny Laine, estas faixas teriam outro formato se o álbum tivesse sido lançado como duplo. Claro que o medley do já citado álbum dos Beatles é imbatível.

Gosto de "Red Rose Speedway". Acho que realmente colocou Paul nos trilhos. Além disso, sem ele não teríamos "Band On The Run", o primeiro clássico de Paul na era pós-Beatles. Antes disso, infelizmente o grupo sofreria uma enorme debandada, forçando Paul a produzir mais e melhor. Há males que vem para o bem.

Tracklist:

Big Barn Bed 3:48
My Love 4:06
Get On The Right Thing 4:15
One More Kiss 2:27
Little Lamb Dragonfly 6:18
Single Pigeon 1:52
When The Night 3:36
Loup (First Indian On The Moon) 4:21
Medley (11:14)
- Hold Me Tight
- Lazy Dynamite
- Hands Of Love
- Power Cut

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre André Luiz Paiz

André Luiz Paiz é formado em computação, funcionário público do estado de São Paulo e fanático por música. Criou o site colaborativo 80 Minutos para que os usuários se cadastrem e avaliem seus álbuns favoritos.
Mais matérias de André Luiz Paiz.