RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Megadeth: Dystopia está entre melhores álbuns lançados este ano

Resenha - Dystopia - Megadeth

Por Daniel Junior
Postado em 07 de março de 2016

Nota: 9 starstarstarstarstarstarstarstarstar

Se a gente falar de metal e não incluir o nome do Megadeth entre os grandes de todos os tempos, certamente estamos ignorando a banda de um grande compositor, guitarrista e uma das figuras mais emblemáticas do rock. Passados 30 anos da estreia discográfica da banda americana, seria mais do que natural, que uma vez conquistada uma legião de fãs ao redor do mundo, o Megadeth, através do seu líder Dave Mustaine, tirasse o pé do acelerador e resolvesse lançar discos para cumprir contrato, faturando em cima das turnês mundiais e vez por outra se envolvendo em uma polêmica para não deixar de aparecer na mídia. Afinal este é o triunvirato assumido por muita banda que desistiu de dizer alguma coisa aos seus fãs ou mesmo conquistar novos.

Megadeth - Mais Novidades

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

"Dystopia" certamente está entre os melhores álbuns lançados este ano, a despeito dos atrativos não-musicais que o álbum traz. É a estreia bem sucedida do músico brasileiro Kiko Loureiro, que juntamente com o baterista Chris Adler, formam o novo gig da banda, que traz o co-fundador Dave Ellefson completando a atual formação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Com ótimas melodias, "Dystopia" tem o frescor dos últimos discos da banda. Com ótima produção e um som que conquista na primeira audição, o novo álbum dedura de cara o bom trabalho de Kiko e seu "patrão". Trazendo a voz característica de Mustaine, quase vomitando todos os versos, como acontece em "Fatal Illusion", com aquele riff veloz old school, se importando em emoldurar o discurso voraz, sem se esquecer de fazer da música um ótimo cartão de visitas para frases como: "Trying to break the mold,Of a broken family,Fight against your failure/And living on his knees/Guilty of a crime of non-conformity/A hanging judge and jury/Handed down the penalty".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

O trabalho de Chris Adler ficou entre razoável e bom, fazendo o dever de casa com eficiência. O músico, que também integra a banda Lamb of God, deve ter seguido apenas as ordens do chefe, nada que comprometesse seu trabalho. Há excelentes momentos durante o álbum, seu talento deve ficar mais evidente ao vivo, uma vez que o Megadeth já começou a excursionar com o disco novo.

Total destaque para estreia do guitarrista brasileiro. Certamente um dos músicos mais talentosos e competentes do mundo quando o assunto são as seis cordas. Com trabalhos que vão além da sua participação no Angra, Kiko hoje integra e rejuvenesce o som de uma banda que saiu do "mimimi" com o Metallica (tava mais do que na hora), para presentear a todos nós com discos excelentes, ignorando seu tempo de história e mostrando que eles ainda tem muita lenha para queimar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

A faixa de abertura, "The Threat Is Real", já é uma porrada; um cartão de visitas de Loureiro dizendo ao mundo que pode figurar entre os melhores que já integraram à banda californiana. Mustaine absolutamente raivoso. A música que dá título ao disco, "Dystopia", tem uma introdução que não lembram canções do Megadeth. Diga-se de passagem, a banda já havia experimentado outros modelos estéticos musicais no disco "Super Collider" (2013), álbum com melodias mais acessíveis ao modelo "megadeth de fazer música". A própria faixa-título do álbum é uma ótima canção, com um clipe bem legal mostrando Mustaine como um pai conservador e careta. Não fosse a voz indefectível de Dave Mustaine, a faixa passaria por qualquer outra banda, menos Megadeth: refrão chiclete e melodia acessível, por assim dizer. Em "Dystopia", só a introdução "engana". Belíssima canção do início ao fim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5

Com um riff de baixo, gordo e lindão, "The Fatal Illusion" (faixa comentada no texto), tem até aquele encadeamento harmônico, que uma mudança de campo harmônico, faz toda a diferença. Aqui Chris Adler usa e abusa do pedal e confere peso à canção, que já está com uma tonelada, uma das melhores músicas do álbum. "Death From Within" mantem a pegada do álbum, mas é a introdução de violão de "Bullet To The Brain" que chama a atenção para dar lugar a outro riff lindo, emoldurado por uma guitarra aguda, lembrando harmônicos; são apenas escolhas para deixar mais bonita a faixa. Temos um solo que serve de ponte para um outro momento da canção, um dueto veloz e bonito, daquele jeito que a banda sabe fazer. "Bullet To The Brain" é uma overdose de bom gosto para quem sabe que canções como esta não se encontram em qualquer banda. Repetindo: o grupo está aliando ótimas melodias com peso, provando que é possível fazer discos "assobiáveis" com ótimos arranjos de uma banda de metal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 6

"Post American World" mantem a porrada no alto do acelerômetro. Solos muito bons. Os caras resolveram abusar da capacidade de se utilizarem de ótimos riffs para construção da canção. Nada está gratuito. Ótima faixa. Em "Poisonous Shadows", mais uma faixa de ótima introdução, até temos uma inclusão de strings (cordas emuladas no teclado) e um lindo apanhado de notas que precedem versos como "There is no sunshine, just endless nights.
Nobody’s there, nobody cares when you cry", pessimista confissão de uma canção muito forte, como quase todas do álbum, terminando com uma bela inserção de piano, emprestando um ar erudito à canção.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em "Conquer or Die" um violão quase flamenco enobrece a introdução de uma canção que lembra as palhetadas em pizzicato de "The Killing Road", uma das belíssimas faixas de "Youthanasia" (1994). Uma pena que seja apenas instrumental. Merecia mais uma letra do bom compositor. Felizmente não dá tempo de lamentar porque em seguida "Lying State" chega quebrando tudo. Pensa que acabou? "The Emperor" tem um riff que lembram algumas bandas de hardcore (como Bad Religion e Biohazard) americano e isso não pode soar como ofensa. Quando a música é boa, porque se importar com o rótulo? Um ótimo solo com Kiko não apenas veloz: demonstração de técnica associada a uma ótima escolha de timbres.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | Alex Juarez Muller | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Geraldo Fonseca | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |

Fechando o álbum "Foreign Policy", velocíssima e cheia de rancor: "Eliminate the incompetents!Differences don’t exist in harmony! Survival is superiority. We don’t need no hands across the sea!", embora conservando o peso do álbum, para mim é a faixa mais "fraca" fechando o grande disco lançado pela banda este ano.

Sabe quando não há motivos para ter medo? Mergulhe fundo em "Dystopia" e descubra (ou certifique-se) de que eles ainda podem dizer muito para várias gerações como um dia disseram pra gente.

Siga-me no twitter/instagram: @diariodopierrot
e confira outros textos e reviews em
http://www.diariodopierrot.com.br

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | Alex Juarez Muller | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Geraldo Fonseca | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Daniel Junior

Daniel Junior era blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colaborava com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Daniel faleceu em 2017 e definitivamente fará falta.
Mais matérias de Daniel Junior.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS