Dystopia: O Megadeth do futuro na visão de Dave Mustaine

Resenha - Dystopia - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Lucas Dantas Loureiro
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Não adianta. Toda vez que nos vemos diante de um lançamento do Megadeth, as comparações com o Rust in Peace surgem. Muitas vezes, por conta da própria banda, que alimenta as ilusões com "volta ao passado", "raízes do thrash", blá blá blá... E a imprensa, e os fãs, vão na onda. Aí quando o CD sai, vê-se que não era nada disso.

643 acessosKiko Loureiro: vídeo completo de workshop online do guitarrista5000 acessosRock in Rio: Os cachês e exigências dos artistas na edição de 1991

Porém, com Dystopia o cenário foi um pouco diferente. A banda sempre ressaltou o peso e a força das músicas, mas a volta ao passado ficou mais pela esperança de fãs e a falta de assunto da imprensa. Com (mais uma) nova formação, Dystopia aponta mais para o futuro do que o passado do Megadeth. E essa é a melhor notícia a respeito deste disco.

Solos insanos, bases complicadas, letras poderosas, melodias que juntam voz e guitarra, os gnaarrll do Mustaine... tá tudo ali fazendo jus ao selo Megadeth de qualidade. Mas ao invés de se imitar para agradar fãs, ou tentar algo que ninguém entendeu com o Super Collider, o ruivão pensou na frente e reinventou o som com ótimas ideias e uma grande ajuda de seus contratados da vez.

Chris Adler preencheu a cozinha com uma bateria muito mais criativa que o antecessor Shawn Drover. É claro que a decisão final do som é de Mustaine, mas Adler deve ter dado boas sugestões, pois as viradas são mais inspiradas, o uso do bumbo duplo é mais variado, o som é mais encorpado que o mecânico Drover produzia.

E Kiko é um alien. Guitarrista bom nunca foi problema no Megadeth e Kiko mantém a tradição. Se não fez nenhum solo daqueles que você assovia andando na rua (sim, to falando de Tornado of Souls), Kiko sentou os dedos na guitarra e criou frases que combinam com cada momento das músicas. Quando precisa ser rápido ele é e quando precisa pisar no freio, pisa. Não é só técnica. É técnica com uso certo, digno de um grande guitarrista que ele é.

Um ponto negativo - se é que se pode dizer isso - é que Dave Ellefson ficou em quarto plano neste cd. As músicas, os novos músicos, a volta, tudo isso colocou o baixista de lado e confesso que não lembro de linhas marcantes dele nas composições. Bom, paciência.

Falando em música: não considero Dystopia melhor que o Endgame, para ficar na lista dos grandes trabalhos do Megadeth. Na empolgação da primeira audição, as pessoas vão logo colocando o cd num altar dos imortais e depois ficam pensando em como tirar. Dystopia começa muito bem. "The Threat Is Real" é uma porrada considerável, mas, me perdoem, segue um pouco a linha de Kingmaker, de Super Collider. Linha de voz, palhetada da guitarra, refrão, ritmo da bateria... É mais completa que King, mas segue bem na linha.

A faixa-título e Fatal Illusion são ótimas sequências do cd, que mantém o ouvinte interessado. Dystopia, aliás, tem uma linha melódica muito bonita no vocal, um dos raros momentos que Mustaine canta neste álbum. Como se sabe, Dave Mustaine não tem mais voz e há três discos, pelo menos, que não canta, apenas fala nas músicas. Em Dystopia ele volta a conversar com a guitarra como só o Megadeth sabe fazer e o resultado é ótimo. Não é mais voz sobre guitarra pesada de fundo. Tomara que tenhamos outros momentos assim.

A porradaria segue com "Death From Within" e "Bullet to the Brain", que mostram bem o que chamo de "futuro". Peso, riffs e refrões que saem do normal que a banda sempre fez. É um som novo. Você reconhece o Megadeth ali, mas sente uma novidade na música.

E a linha segue desta forma nas quatro músicas seguintes, que se encaixariam perfeitamente no United Abominations, com refrões gritados, uma levada "pula-pula" em show, letras inteligentes e solos distribuídos na medida certa, sem soarem chatos ou repetitivos.

Mas nem tudo são flores. "The Emperor" é, desculpem, horrível. Um rock-pop pegajoso e sem sentido como "Have cool...will travel", "Forget to remember" e "Moto Psycho". Você até se anima no riff inicial, mas aí a música se repete, se repete e acaba sendo aquela coisa que podia ter ficado fora que ninguém ia sentir falta. Tal qual "Foreing Policy" - que vai roubar lugar de música da banda que poderia ser tocada em setlist ao vivo - e ""Melt The Ice Away" que fecha o cd que já deveria ter acabado bem antes.

Dystopia tem seus defeitos, mas tem muito mais méritos. Méritos que se não colocam o cd entre os cinco melhores da banda (fecha os olhos, pensa nos discos e analisa friamente), avisam ao mundo que o Megadeth ainda tem muita lenha para queimar. E lenha nova, nada de requentar e repetir o passado. É um Megadeth olhando para frente.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Dystopia - Megadeth

3154 acessosMegadeth: Dystopia está entre melhores álbuns lançados este ano4356 acessosMegadeth: O início de um novo período na carreira da banda5000 acessosMegadeth: "Que bom que a formação clássica não se reuniu"3939 acessosMegadeth: Candidato fortíssimo a estar entre os melhores do ano5000 acessosMegadeth: Mustaine conseguiu; temos o melhor disco em muito tempo5000 acessosMegadeth: Um digno sucessor de Super Collider5000 acessosMegadeth: Resenha faixa a faixa do novo disco Dystopia (vídeo)5000 acessosMegadeth: com peso e técnica, banda se supera em Dystopia

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Dave Mustaine presta homenagem a brasileiro

643 acessosKiko Loureiro: vídeo completo de workshop online do guitarrista93 acessosBlend Guitar: em vídeo, Dimebag Darrell Vs Marty Friedman1063 acessosNick Menza: veja falecido baterista tocar "She-Wolf", do Megadeth0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

MegadethMegadeth
Curioso com saracoteio de Axl, Dave louva Mötley Crüe

MegadethMegadeth
Era hora de sair, diz Ellefson sobre Drover e Broderick

MustaineMustaine
Uma nota de Gilmour vale mais que muitos solos incríveis

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"0 acessosTodas as matérias sobre "Kiko Loureiro"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"0 acessosTodas as matérias sobre "Lamb Of God"

Rock in RioRock in Rio
Os cachês e exigências dos artistas na edição de 1991

Frases de bandasFrases de bandas
O que eles realmente querem dizer?

King DiamondKing Diamond
Ele é satanista, e não meramente marqueteiro

5000 acessosKeith Richards: colocando Justin Bieber em seu devido lugar5000 acessosNirvana: Polícia de Seattle libera novas fotos do corpo de Cobain5000 acessosPearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste5000 acessosRoger Moreira: resposta bem humorada a "crítica" no Agora é Tarde5000 acessosJason Newsted: o vício em analgésicos quase o matou5000 acessosGuns N' Roses: Sebastian Bach ficou surpreso com reunião

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 03 de fevereiro de 2016

Sobre Lucas Dantas Loureiro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online