Dystopia: O Megadeth do futuro na visão de Dave Mustaine

Resenha - Dystopia - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Lucas Dantas Loureiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Não adianta. Toda vez que nos vemos diante de um lançamento do Megadeth, as comparações com o Rust in Peace surgem. Muitas vezes, por conta da própria banda, que alimenta as ilusões com "volta ao passado", "raízes do thrash", blá blá blá... E a imprensa, e os fãs, vão na onda. Aí quando o CD sai, vê-se que não era nada disso.

Dave Mustaine: Auto biografia é motivadora e humoradaGuns N' Roses: a verdadeira história de "Rocket Queen"

Porém, com Dystopia o cenário foi um pouco diferente. A banda sempre ressaltou o peso e a força das músicas, mas a volta ao passado ficou mais pela esperança de fãs e a falta de assunto da imprensa. Com (mais uma) nova formação, Dystopia aponta mais para o futuro do que o passado do Megadeth. E essa é a melhor notícia a respeito deste disco.

Solos insanos, bases complicadas, letras poderosas, melodias que juntam voz e guitarra, os gnaarrll do Mustaine... tá tudo ali fazendo jus ao selo Megadeth de qualidade. Mas ao invés de se imitar para agradar fãs, ou tentar algo que ninguém entendeu com o Super Collider, o ruivão pensou na frente e reinventou o som com ótimas ideias e uma grande ajuda de seus contratados da vez.

Chris Adler preencheu a cozinha com uma bateria muito mais criativa que o antecessor Shawn Drover. É claro que a decisão final do som é de Mustaine, mas Adler deve ter dado boas sugestões, pois as viradas são mais inspiradas, o uso do bumbo duplo é mais variado, o som é mais encorpado que o mecânico Drover produzia.

E Kiko é um alien. Guitarrista bom nunca foi problema no Megadeth e Kiko mantém a tradição. Se não fez nenhum solo daqueles que você assovia andando na rua (sim, to falando de Tornado of Souls), Kiko sentou os dedos na guitarra e criou frases que combinam com cada momento das músicas. Quando precisa ser rápido ele é e quando precisa pisar no freio, pisa. Não é só técnica. É técnica com uso certo, digno de um grande guitarrista que ele é.

Um ponto negativo - se é que se pode dizer isso - é que Dave Ellefson ficou em quarto plano neste cd. As músicas, os novos músicos, a volta, tudo isso colocou o baixista de lado e confesso que não lembro de linhas marcantes dele nas composições. Bom, paciência.

Falando em música: não considero Dystopia melhor que o Endgame, para ficar na lista dos grandes trabalhos do Megadeth. Na empolgação da primeira audição, as pessoas vão logo colocando o cd num altar dos imortais e depois ficam pensando em como tirar. Dystopia começa muito bem. "The Threat Is Real" é uma porrada considerável, mas, me perdoem, segue um pouco a linha de Kingmaker, de Super Collider. Linha de voz, palhetada da guitarra, refrão, ritmo da bateria... É mais completa que King, mas segue bem na linha.

A faixa-título e Fatal Illusion são ótimas sequências do cd, que mantém o ouvinte interessado. Dystopia, aliás, tem uma linha melódica muito bonita no vocal, um dos raros momentos que Mustaine canta neste álbum. Como se sabe, Dave Mustaine não tem mais voz e há três discos, pelo menos, que não canta, apenas fala nas músicas. Em Dystopia ele volta a conversar com a guitarra como só o Megadeth sabe fazer e o resultado é ótimo. Não é mais voz sobre guitarra pesada de fundo. Tomara que tenhamos outros momentos assim.

A porradaria segue com "Death From Within" e "Bullet to the Brain", que mostram bem o que chamo de "futuro". Peso, riffs e refrões que saem do normal que a banda sempre fez. É um som novo. Você reconhece o Megadeth ali, mas sente uma novidade na música.

E a linha segue desta forma nas quatro músicas seguintes, que se encaixariam perfeitamente no United Abominations, com refrões gritados, uma levada "pula-pula" em show, letras inteligentes e solos distribuídos na medida certa, sem soarem chatos ou repetitivos.

Mas nem tudo são flores. "The Emperor" é, desculpem, horrível. Um rock-pop pegajoso e sem sentido como "Have cool...will travel", "Forget to remember" e "Moto Psycho". Você até se anima no riff inicial, mas aí a música se repete, se repete e acaba sendo aquela coisa que podia ter ficado fora que ninguém ia sentir falta. Tal qual "Foreing Policy" - que vai roubar lugar de música da banda que poderia ser tocada em setlist ao vivo - e ""Melt The Ice Away" que fecha o cd que já deveria ter acabado bem antes.

Dystopia tem seus defeitos, mas tem muito mais méritos. Méritos que se não colocam o cd entre os cinco melhores da banda (fecha os olhos, pensa nos discos e analisa friamente), avisam ao mundo que o Megadeth ainda tem muita lenha para queimar. E lenha nova, nada de requentar e repetir o passado. É um Megadeth olhando para frente.


Outras resenhas de Dystopia - Megadeth

Megadeth: Dystopia está entre melhores álbuns lançados este anoMegadeth: O início de um novo período na carreira da bandaMegadeth: "Que bom que a formação clássica não se reuniu"Megadeth: Candidato fortíssimo a estar entre os melhores do anoMegadeth: Mustaine conseguiu; temos o melhor disco em muito tempoMegadeth: Um digno sucessor de Super ColliderMegadeth: Resenha faixa a faixa do novo disco Dystopia (vídeo)Megadeth: com peso e técnica, banda se supera em Dystopia




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Megadeth"Todas as matérias sobre "Kiko Loureiro"Todas as matérias sobre "Angra"Todas as matérias sobre "Lamb Of God"Todas as matérias sobre "Dave Mustaine"


Dave MustaineDave Mustaine
Auto biografia é motivadora e humorada

MegadethMegadeth
Um disco ao vivo de verdade, sem remendos

Ídolos imortaisÍdolos imortais
Nick Menza, técnico e carismático

MegadethMegadeth
Banda volta aos palcos em 2020 - abrindo pro FFDP?

Megadeth: mais uma cerveja com a marca da banda é lançada; Saison 13Megadeth: David Ellefson e Chuck Behler tocam juntos após 30 anos

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Trabalhando em novo disco solo

Drowned: versão de "Tornado of Souls", do MegadethMegadeth: Ellefson conta como a intro de "Peace Sells" foi escrita

Kiko LoureiroKiko Loureiro
História das Antigas #5 Macumba na Cachoeira

Rodz Online: Dave Mustaine vs Metallica (vídeo)Os anos do Heavy Metal: A decadência e a renovação do estilo

MegadethMegadeth
Algumas faixas do Super Collider não funcionam ao vivo

VocaisVocais
Quinze "vozes feias" que se tornaram marcantes no Rock

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Histórias das Antigas #4 Metal na Amazônia

MegadethMegadeth
Com quantas baquetas se faz um álbum de estúdio?

E Se...E Se...
Sua banda favorita mudasse de gênero musical?

Formações originaisFormações originais
E se tivessem sido mantidas?


Guns N' RosesGuns N' Roses
A verdadeira história de "Rocket Queen"

Marilyn MansonMarilyn Manson
"Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"

NirvanaNirvana
Vinte coisas que você não sabia sobre "Nevermind"

Europe: toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl RoseA História Impopular dos Rolling Stones - Livro 2 - Mick TaylorVan Halen: as 10 melhores faixas da banda segundo o Watchmojo.comKiss: orgulho por estar na categoria de bandas clássicas

Sobre Lucas Dantas Loureiro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336