Matérias Mais Lidas

Steve Vai: Eu não posso tocar como Yngwie Malmsteen; ninguém pode tocar como eleSteve Vai: "Eu não posso tocar como Yngwie Malmsteen; ninguém pode tocar como ele"

Bruce Dickinson, sem pensar duas vezes, revela pérola do Maiden que merece mais atençãoBruce Dickinson, sem pensar duas vezes, revela pérola do Maiden que merece mais atenção

Malas sem alça: dez vezes que astros do rock e do metal foram arrogantes em citaçõesMalas sem alça: dez vezes que astros do rock e do metal foram arrogantes em citações

A opinião de Dinho Ouro Preto sobre o rapper Mano BrownA opinião de Dinho Ouro Preto sobre o rapper Mano Brown

John Lennon: conheça a música que o uniu a Elton John e o reconciliou com YokoJohn Lennon: conheça a música que o uniu a Elton John e o reconciliou com Yoko

Vocalista do Saxon acha um pouco maluco Judas Priest tocar como um quartetoVocalista do Saxon acha "um pouco maluco" Judas Priest tocar como um quarteto

A opinião de Chester Bennington e Travis Barker sobre o MetallicaA opinião de Chester Bennington e Travis Barker sobre o Metallica

Capital Inicial: cinco músicas que foram escritas por Pit Passarell, do ViperCapital Inicial: cinco músicas que foram escritas por Pit Passarell, do Viper

Raul Seixas: a inusitada reação de Paulo Coelho ao saber da morte do compositorRaul Seixas: a inusitada reação de Paulo Coelho ao saber da morte do compositor

O sentimento de Pete Best, primeiro baterista dos Beatles, após ter sido demitidoO sentimento de Pete Best, primeiro baterista dos Beatles, após ter sido demitido

Homem rouba guitarra de R$ 43 mil enfiando-a nas calças; veja vídeoHomem rouba guitarra de R$ 43 mil enfiando-a nas calças; veja vídeo

Lemmy e Joey Ramone: a forte e verdadeira amizade entre duas lendas do RockLemmy e Joey Ramone: a forte e verdadeira amizade entre duas lendas do Rock

Capital Inicial: quem é a pessoa que inspirou o sucesso NatashaCapital Inicial: quem é a pessoa que inspirou o sucesso "Natasha"

COVID: nunca mais vamos nos livrar disso, diz Ian Anderson do Jethro TullCOVID: nunca mais vamos nos livrar disso, diz Ian Anderson do Jethro Tull

Por que Renato Russo não deixava ninguém sorrir no palco, segundo Carlos TrilhaPor que Renato Russo não deixava ninguém sorrir no palco, segundo Carlos Trilha


Stamp

Chaos Synopsis: aula de insanidade humana em forma sonora

Resenha - Art of Killing - Chaos Synopsis

Por Danilo Godinho
Em 21/03/13

Nota: 10

Eis que em muito tempo não me deparo com um cd tão interessante para ouvir. Chaos Synopsis me supreendeu possitivamente outra vez (como no lançamento de Kult ov Dementia, que debut fantástico aquele!!!). Em sua nova empreitada que leva o nome de Art of Killing, a satisfação sonora é mais que garantida com uma qualidade altísssima e relevando um outro detalhe que vai além audio, que é aprimoramento de uma arte gráfica (desenvolvida pelo mestre Rafael Tavares) fazendo encher os olhos de orgulho por tamanho profissionalismo buscado por uma banda dita do underground'' em nosso país. Tamanha arte contida no cd vai de encontro ao entendimento subjetivo dos integrantes da banda no desenvolvido das letras sobre cada personagem possuidor da piscopatia, registrado nesse histórico cd (Vide a parte do encarte onde está a letra de BTK(BIND, TORTURE, KILL) e observe o plano de fundo com atenção, por exemplo). Tal capricho a obra em questão é digna de analise e compreensão, pois a elevação do estudo sobre a integridade de cidadãos portadores de psicopatias (popularmente conhecido como psicopatas), acaba por transformar esse álbum em uma interessante aula sobre a mais sombria e perturbadora inconsciência do mais íntimo humano (segue um aviso aos moralistas de plantão: não ousem chegar próximo desse álbum). Exaltadando portanto, um nova noção, daquilo que se pode considerar como uma nova concepção de album "conceitual'' (pelo menos em minha opinião, já tem lugar garantido na vitrine de clássicos brasileiros).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Depois de uma visão panorâmica sobre a perpectiva geral do novo álbum da banda, agora é necessário analisar "A OBRA'' por cada música. Vamos a tal análise.

01 – SON OF LIGHT

Sob a precissão da possessão de riffs brutalmente constrangedores e mutiladores de ouvidos inocentes ou pouco calejados, com uma parcela do que poderia ser um solo de bateria que emerge de forma a moldar os riffs de guitarras com influências de trash/death com um baixo bem audível, tendo ainda de quebra um inacreditavel refrão em português (que descreve um dos mais insanos brasileiros sob a alcunha de: Febronio Indío do Brasil). Essa música possui o peso no instrumental do old school de trabalhos de death/trash, sendo um acerto de primeira. Um belíssimo som de boas vindas a "Sinópse do Caos''.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

02 – VAMPIRE OF HANOVER

Por uma mudança de cadência da música e analíse de um novo personagem (dessa vez um alemão), temos o pé um pouco menos afundado na velocidade mas não menos interessante. Aqui notasse uma fraseado de guitarra em contraste com o vocal de Jairo. É necessário prestar atenção aos detalhes desse som. Uma das canditadas a destaques do cd.

03 – ROSTOV RIPPER

Diferentemente da anterior, aqui temos a velocidade e agressividade inutilizando de vez nossos timpanos por tamanha insanidade instrumental. Uma bateria que martela sem piedade e um vocal deseperador envolve o ouvinte. Riffs trash com direitos a quebradas de ritmo no meio do som como exigência de um belo som de rock pede.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

04 - BAY HARBOR BUTCHER

Uma das musicas que já foi executada em alguns shows da banda, portanto já conhecida de alguns.

Com um início de som com os seguintes dizeres: "Cold, empty, emotionless / Life has no meaning / No great objetcves / To be accomplished / No porpose in normality (...)'', temos o prenúncio de um grande pandemonium sonoro. Com um belo vocal rasgado, guitarras coesas entre sí possuindo em alguns momentos algumas nuances de progressivo, terminando com um clima de suspense agonizante, se torna fenomenal. Por tal desenvoltura, como descrito na última frase da letra desse som uso tal trecho para traduzir o sentimento que fiquei após a audição. Pois aqui o que temos em forma sonora é o grande "(...) Vacuum of existence.''

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

05 – DEMON MIDWIFE

Por uma maiêutica demoniaca! Não há melhor definição, e trocadilho também, para definir essa música. E em um universo por vezes masculino, é hora de por em dúvida a sanidade pisicológia de uma mulher, trata-se de Miyuki Ishikawa executora de inocentes recém-nascidos em uma maternidade. Sobre a parte lírica e instrumental, nota-se uma certa dose de revolta e horror com guitarras e bateria arrasadoras impondo-nos uma grande tensão durante a audição da música. Sem firulas ou modas, aqui temos o caos em sua forma sonora.

06 – RED SPIDER

Aspirações de vocalizações desesperadas e instrumental preciso, com direito a refrão em polonês (isso mesmo, polonês. Diga, se não tiveram boas idéias até aqui?). E outra música que apresenta paradinhas a lá trash anos 80. Belíssimo trabalho vocal de Jairo se faz presente aqui.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

07 – ZODIAC

Aqui temos por vezes um interessante dueto de guitarras muito consistente, sempre desenvolvendo pequenos detalhes dos riffs trash bem cadenciados e, em partes da música, saltando o tom de um baixo sedento por timpanos inocentes que aliado a uma bateria que vocifera tornam-se uma carneficina mortal. Com um pitadas de vocalizações a lá John Tardy (Obituary) e direito a uma espécie de vinheta(s) no começo e no meio da música. Por fim, a história de um outro personagem sendo extremamente bem retratada.

08 – B.T.K (BLIND, TORTURE, KILL)

Talvez a grande novidade de todo esse cd seja essa música. Pois nela há acréscimos de solos bem bluseiros para constrastar com a história do americano demente. Sem baixar a guarda da brutalidade contida nos sons anteriores, aqui o ataque sonoro é exaustivamente empurrado goela abaixo impiedosamente. Viradas de bateria interessante acompanhada de uma poderosa vocalização (quase escatologica, por tamanha qualidade nos desesperados gritos emitidos aqui). Terminando com uma deixa de guitarra bem blues.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

09 – MONSTER OF THE ANDES

Com uma cozinha perfeita entre bateria e baixo com a repentina aparição de um quase choro de guitarra solo avisando que pelo caminho há um início de uma marcha funebre-imperial apontando para uma agonizante massa sonora de pura decadência da história humana sulamerica. Esse som retrata um clima denso e sinistro para o fim quase apoteótico do penultimo hino do cd.

10 – ART OF KILLING

Para finalização do álbum nada melhor que uma música instrumental para nos exterminar auditivamente. Essa opereta selvagem deveria ser a abertura dos shows, com certeza um som que não deve passar batido por ser intrumental. Pois aqui temos momentos de experimentação (pouco visto em nosso cenário brasileiro underground com as bandas de death/trash), a grande novidade, aqui também são os solos bluesão a lá Duanne Allman , acrescimos de violinos (preste muita atenção a essa parte) e a ultima surpressa é a parte acustica levada por um violão finalizando o cd. Empolgação garantida até aqui.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para terminar é necessário levantar uma pequena ( e interessante) ressalva. Assim, como anunciado já na segunda estrofe da primeira música do debut da banda em que se canta:

(...)Mutilation / suffocation / "the art of killing / is getting better.''(...)

Seria este trecho um canto necromantico? Se assim for, aguardo ansiosamente para descobrir a próxima peça que já deve estar contida nesse cd.

Eis o track list do play em questão:

01 – SON OF LIGHT
02 – VAMPIRE OF HANOVER
03 – ROSTOV RIPPER
04 - BAY HARBOR BUTCHER
05 – DEMON MIDWIFE
06 – RED SPIDER
07 – ZODIAC
08 – B.T.K (BLIND, TORTURE, KILL)
09 – MONSTER OF THE ANDES
10 – ART OF KILLING

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Outras resenhas de Art of Killing - Chaos Synopsis

Chaos Synopsis: no rol de melhores do ano, sem dúvidas

Chaos Synopsis: tudo no novo material é digno de gente grande

Chaos Synopsis: Thrash/Death repleto de riffs rápidos e precisos

Chaos Synopsis: A trilha sonora de assassinos em serie

Chaos Synopsis: um dos grandes destaques de nossa cena em 2013

Chaos Synopsis: Thrash Metal com pitadas Death fantástico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Chaos Synopsis: lançado Lyric video para "Serpent in Flames"


Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBlack Sabbath
Um Tony Iommi que você não conhecia

The Voice Kids: garotinha canta Led Zeppelin e conquista todosThe Voice Kids
Garotinha canta Led Zeppelin e conquista todos


Sobre Danilo Godinho

Graduado em Filosofia. Leitor dos clássicos da literatura mundial. E admirador da boa música.

Mais matérias de Danilo Godinho.