Hatebreed: intenso, eficaz, convincente e persuasivo

Resenha - Divinity of Purpose - Hatebreed

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8


Sétimo disco da banda norte-americana Hatebreed, "The Divinity of Purpose" chegou às lojas europeias em 25 de janeiro e desembarcou nos Estados Unidos quatro dias depois, 29/01. Produzido pela própria banda ao lado de Zeuss (3 Inches of Blood, Chimaira e parceiro de longa data do grupo) e Josh Wilbur, o álbum traz doze faixas inéditas, todas com letras do vocalista Jamey Jasta e instrumental composto em conjunto por todos os integrantes.

Kiss: Perguntas, respostas e curiosidades diversasMúsica Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?

A mistura de hardcore com metal executada pelo Hatebreed diferencia-se da grande maioria das bandas de metalcore por não utilizar a característica variação entre vocais guturais e passagens melódicas com vozes limpas. Isso faz com que as músicas soem mais intensas e agressivas, fato que, somado ao groove onipresente, faz surgir uma sonoridade que, mesmo não sendo exclusiva, é pra lá de eficiente e cativante.

Apesar de a banda ter sido vendida erroneamente em seus primeiros anos como "o novo Pantera", a influência da turma de Dimebag é evidente e convive lado a lado com elementos de nomes como Metallica, Slayer, Black Flag e Suicidal Tendencies. A excelência do Hatebreed está em combinar de maneira eficientíssima as principais qualidades do metal e do hardcore, sabendo extrair, com sabedoria, o melhor dos dois gêneros.

Dessa maneira, a agressividade, a urgência e o peso se transformam nos principais elementos de "The Divinity of Purpose", trabalho que é o ápice de uma sonoridade construída ao longo de sete discos e 18 anos de carreira - e a decisão de focar mais no metal do que no hardcore é a principal razão disso.

Com um tracklist bem equilibrado, o disco apresenta alguns destaques óbvios, como "Put It to the Torch" (primeiro single), "Honor Never Dies", "The Language", "Before the Fight Ends You" e "Dead Man Breathing" (com um riff que é puro thrash).

Intenso, eficaz, convincente e persuasivo, "The Divinity" of Purpose tem combustível para colocar a carreira do Hatebreed em outro nível. Estejam todos preparados para a decolagem!

Faixas:
1 Put It to the Torch
2 Honor Never Dies
3 Own Your World
4 The Language
5 Before the Fight Ends You
6 Indivisible
7 Dead Man Breathing
8 The Divinity of Purpose
9 Nothing Scars Me
10 Bitter Truth
11 Boundless (Time to Murder It)
12 Idolized and Vilified


Outras resenhas de Divinity of Purpose - Hatebreed

Hatebreed: Thrash Metal/Hardcore da melhor qualidadeHatebreed: banda nunca decepcionou seus fãsHatebreed: de volta e com mais fúria do que nuncaHatebreed: todas as características ainda mais potencializadas




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Hatebreed"


Heavy Metal: as 10 músicas mais inspiradoras segundo o OC WeeklyHeavy Metal
As 10 músicas mais inspiradoras segundo o OC Weekly

Rádio AOL: Os Top 10 da música pesada da década de 2000Rádio AOL
Os Top 10 da música pesada da década de 2000


Kiss: Perguntas, respostas e curiosidades diversasKiss
Perguntas, respostas e curiosidades diversas

Música Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?Música Brasileira
Quais os discos mais vendidos da história?


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClioIL