Matérias Mais Lidas

Angra: Ex-integrantes foram convidados para turnê dos 20 anos de RebirthAngra
Ex-integrantes foram convidados para turnê dos 20 anos de "Rebirth"

AC/DC: Cliff Williams explica por que faz linhas de baixo tão simplesAC/DC
Cliff Williams explica por que faz linhas de baixo tão simples

Guns N' Roses: por que Izzy Stradlin saiu da banda, segundo Gilby ClarkeGuns N' Roses
Por que Izzy Stradlin saiu da banda, segundo Gilby Clarke

Ian Paice: Ritchie Blackmore apresentou pra ele o maior guitarrista de todos os temposIan Paice
Ritchie Blackmore apresentou pra ele o maior guitarrista de todos os tempos

Nervosa: Entrar para a banda foi a realização de um sonho, diz Diva SatanicaNervosa
"Entrar para a banda foi a realização de um sonho", diz Diva Satanica

Johnny Depp: a banda que poderia ter desbancado o GunsJohnny Depp
A banda que poderia ter desbancado o Guns

Vocalistas: 12 velhinhos que ainda mandam muito bem ao vivoVocalistas
12 "velhinhos" que ainda mandam muito bem ao vivo

Guns N' Roses: Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagemGuns N' Roses
Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagem

Steve Hackett: ele diz que compositor do século 19 inventou o heavy metalSteve Hackett
Ele diz que compositor do século 19 inventou o heavy metal

Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"

Loudwire: O melhor álbum de thrash metal de cada ano desde 1983Loudwire
O melhor álbum de thrash metal de cada ano desde 1983

Doug Aldrich: explicando as diferenças entre Dio, David Coverdale e Glenn HughesDoug Aldrich
Explicando as diferenças entre Dio, David Coverdale e Glenn Hughes

Robert Fripp: como ele conheceu a esposa Toyah Wilcox, que bomba nos vídeos viraisRobert Fripp
Como ele conheceu a esposa Toyah Wilcox, que bomba nos vídeos virais

Anthrax: Charlie Benante posta foto inédita ao lado de Joey Ramone e Scott IanAnthrax
Charlie Benante posta foto inédita ao lado de Joey Ramone e Scott Ian

Jon Bon Jovi: fake news de Trump o impediu de comprar time de futebol americanoJon Bon Jovi
Fake news de Trump o impediu de comprar time de futebol americano


Matérias Recomendadas

O lado escuro do rock: você acredita em magia negra?O lado escuro do rock
Você acredita em magia negra?

Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musicalBandas Iniciantes
17 maneiras de assassinar sua carreira musical

Guns N' Roses: Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl RoseGuns N' Roses
Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl Rose

Ozzy Osbourne: Sharon conta como o Madman tentou assassiná-laOzzy Osbourne
Sharon conta como o Madman tentou assassiná-la

Slash: Só dá para exceder até certo pontoSlash
"Só dá para exceder até certo ponto"

Tunecore
Dead Daisies

In Flames: um dos maiores nomes da cena Death Metal

Resenha - Lunar Strain - In Flames

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leandro Peroni
Enviar Correções  

7


O In Flames é definitivamente o maior expoente e principal nome da cena Death Metal de Gothenburg. Mesmo deixando de lado vários de seus elementos clássicos, ou adicionando vários elementos mais modernos e "americanizados", o grupo continua vendendo horrores e se firmando cada vez mais como um dos maiores nomes da cena.

Mas nem sempre o In Flames foi o gigante que é hoje. Lançado em 1994, Lunar Strain mostra o quanto a banda mudou... e pode soar irreconhecível para os fãs que conheceram a banda pelos trabalhos mais novos, sobretudo os da fase "pós Reroute to Remain".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Line Up (também muito diferente) era composto por Mikael Stanne (Vocal), Johan Larsson (Baixo), Glenn Ljungströn (Guitarra), Carl Naslund (Guitarra) e Jesper Strönblad (Bateria), e praticavam um Death Metal Melódico de raiz, movido a esporro musical na linha do At the Gates, sobretudo pelos vocais urrados de Stanne, bem diferente dos gemidinhos que Anders Fridén se acostumou a dar nos últimos discos. Elementos Folk também se fazem presentes (Hargalaten inclusive é uma música tradicional sueca) e demonstram a vontade de músicos jovens em fazer música inovadora.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

1- Behind Space

Riff cortante, bateria rapida, vocal ríspido… Tudo aqui lembra um pouco as bandas do inicio da cena de Gothenburg que o próprio In Flames ajudou a popularizar. Mudanças de ritmo acontecem o tempo todo. Algumas passagens me lembram até o Amorphis... ou o que o Dark Tranquility viria a fazer no fenomenal The Gallery (lembrando que Mikael Stanne sairia do In Flames para se juntar ao Dark Tranquilty). Os solos são muito interessantes (e até viajantes), com quebras de ritmo fantásticas e guitarras gêmeas de dar orgulho a Iron Maiden, Judas Priest, e (por que não?) Carcass. O trecho tocado ao violão no fim da música da um ar todo especial e "classudo" à música que sem duvida é o grande destaque do disco, inclusive ganhando uma nova roupagem no álbum Colony (1999) com o nome "Behind Space 99".

publicidade

2- Lunar Strain

Outro riff fenomenal, aqui num ritmo mais cadenciado. Os vocais de Stanne continuam brutalmente agressivos numa mescla de Death/Black Metal. O andamento lembra demais o Metal Tradicional típico de Iron Maiden e Judas Priest, e os riffs dobrados acabam se tornando a maior característica da banda (sendo que aqui se encontram pela música inteira). As mudanças de ritmo e atmosfera acontecem em segundos e acabam deixando a música bem diversificada e "diferente". Belíssima composição.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

3- Starforsaken

A introdução de violino que lembrou demais o que Skyclad fazia na época logo da lugar ao timbre "sujo e podrão" da guitarra e um urro de Stanne (e como urra esse cara!). Essa já tem uma veia mais Death Metal tradicional, lógico que sem perder a melodia, mas é sim mais Old School do que as demais. O solo do final é baseado no tapping (técnica que eu admiro demais) e deu uma quebrada linda na música. Mais uma vez fica claro que a cena de Gothenburg nessa época era bem unida nessa época, já que o som é bem na cola do que At The Gates fazia.

4- Dreamspace

Instrumental que tem início com um riff ultra-melódico e ritmo bem cadenciado (mais uma vez lembrando o Skyclad), mostra claramente que uma faixa instrumental não significa "fritação absoluta", já que nenhum instrumento se destaca, primando pelo trabalho conjunto que rendeu um ótimo resultado.

5- Everlost (Part I)

Doom Metal. A primeira parte de Everlost nada mais é do que uma bela música de Doom Metal, mostrando claramente que além de estar criando algo original, o In Flames estava por dentro de todas as tendências do metal (Nessa época o Death/Doom estava no auge). Considerando que as bandas de metal sempre têm uma balada em seus discos, bem, essa era a "balada" do In Flames em 1994.

6- Everlost (Part II)

Balada Folk e com voz feminina (com um timbre a lá Simone Simons?) que certamente influencio o Therion para criar a super produzida The Siren of the Woods. A Música quebra totalmente o clima apocalíptico do álbum, já que a música tem uma melodia bastante agradável (mas triste). O solo do final com influências claras de Flamenco e Pink Floyd.

7 – Hargalaten

Violinos! Instrumentos Típicos! Melodia Alegre! Nada de berros, urros ou guitarras estridentes. Hargalaten é uma música tradicional sueca, e eu nem sei por que está no disco, mas enfim...

8- In Flames

Música que deu nome à banda, já começa com mais um grande riff e um ritmo totalmente Thrash para depois descambar em um Death Metal cadenciado e cheio de riffs dobrados. A música passa um bom tempo estagnada mas depois dos dois minutos da uma acelerada e rende boas pogadas no mosh. Logo após a pancadaria de cerca de meio minuto entra uma parte cadenciada novamente, agora envolta numa atmosfera de teclado, que termina rapidamente dando lugar a um solo muito do simplório. Retorno ao trecho acelerado que não dura nem dez segundos e a música volta para se ritmo cadenciado e termina com um solo cheio de alavancas malucas a lá Morbid Angel e uma seção de urros doentios de Stanne. Apesar de parecer muito, a música peca justamente por ser muito repetitiva.

9- Upon An Oaken

Riff brutal (talvez o melhor do álbum), bateria que é puro Thrash Metal (lembrando até o Pantera em seus momentos mais acelerados). A música é pura violência, sobretudo nos vocais de Mikael Stanne que aqui parece estar possuído pelo ódio em pessoa. O trabalho de riffs é maravilhoso durante toda a música... Empolgante até dizer chega. Definitivamente uma das melhores do álbum.

10 – Clad in Shadows

Mais uma faixa cadenciada, desta vez com guitarras bem rápidas. Segue o mesmo padrão da maioria do álbum, com o diferencial nas guitarras que ganham a cena destilando tappings pelo meio do música dando uma quebrada na seqüência de riffs. Não muda muito seu ritmo também, sempre cadenciado, talvez pela curta duração. O Fade Out da fim ao primeiro passo do In Flames na cena metal.

Obscuro, irregular, sinistro... Assim foi o inicio do In Flames. Nada de samplers, barulhinhos esquisitos ou vocais gemidos. O In Flames de Lunar Strain é totalmente europeu, totalmente vintage... Totalmente e puramente Death Metal.

01- Behind Space
02- Lunar Strain
03- Starforsaken
04- Dreamspace
05- Everlost (Part I)
06- Everlost (Part II)
07- Hargalaten
08- In Flames
09- Upon An Oaken
10- Clad in Shadows

Produção: Fredrik Nordström


Outras resenhas de Lunar Strain - In Flames

In Flames: em 1994, o começo de uma longa e agitada caminhada